Menu
2019-05-27T10:17:06+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem lua de mel

Avaliação positiva de Bolsonaro desaba 72 pontos entre agentes de mercado

Sondagem XP/Ipespe mostra 14% de ótimo e bom para o presidente agora em maio, contra 86% em janeiro e 28% em abril. Por outro lado, há melhora na avaliação do Congresso

27 de maio de 2019
9:51 - atualizado às 10:17
Jair Bolsonaro durante visita aos Estados Unidos
Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

A avaliação positiva do presidente Jair Bolsonaro entre os agentes do mercado financeiro apresentou nova queda na passagem de abril para maio, segundo sondagem XP/Ipespe. O percentual de ótimo e bom caiu de 28% para 14% e acumula uma queda de 72 pontos percentuais desde janeiro, quando o percentual era de 86%.

Já as notas ruim e péssimo, subiram de 1% em janeiro para 43% agora em maio (era 24% em abril). Para 43%, o presidente tem desempenho regular, caindo de 48% em abril, mas acima dos 13% da abertura do ano.

Na sexta-feira, a XP/Ipespe tinha divulgado um edição extraordinária de sua pesquisa com o público geral. Pela pela primeira vez no ano o grupo de entrevistados que avalia a atuação do governo como ruim ou péssima subiu para 36%, alta de 5 pontos percentuais, superando os 34% que avaliam o governo como ótimo ou bom (link para pesquisa abaixo).

Já a avaliação do Congresso pelos agentes de mercado melhorou em relação a abril. O percentual de agentes que classificam como ótima ou boa a atuação do Congresso subiu de 15% para 32%, enquanto o grupo que avalia o parlamento como ruim ou péssimo caiu de 40% para 25%. Tal melhora de avaliação pode ter relação com a postura externada pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, de adotar uma agenda muito racional de reestruturação do Estado, apesar dos impasses com o Executivo.

Para 71% dos participantes, a relação de Bolsonaro com o Congresso, que que tempos em tempos toma conta do noticiário com repercussão no preço dos ativos, ficará como está nos próximos meses.

Para o restante do mandato, apenas 27% acreditam que será ótimo ou bom, contra 60% em abril e 86% registrados em janeiro e fevereiro. O que predomina, agora, com 51% é a avaliação regular, que era de 28% em abril e de 10% no começo do ano. Para 23%, o restante do governo será ruim ou péssimo, ante 13% em abril, e 3% em janeiro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Reformas

Continua forte a confiança na aprovação da reforma da Previdência, com 80% dizendo acreditar que a reforma será aprovada em 2019, mesmo percentual registrado pelo levantamento desde fevereiro.

A economia esperada com a reforma se manteve em R$ 700 bilhões em 10 anos, ante a proposta do governo de R$ 1,237 trilhão, o que embute uma expectativa de desidratação de R$ 537 bilhões. Na semana passada, tivemos o relator da proposta, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) afirmando que vai buscar R$ 1 trilhão, potencial fiscal necessária para que Paulo Guedes lance um projeto de capitalização.

A aprovação final pelo Congresso, com todas as votações em ambas as casas é esperada por 71% dos respondentes para o 4º trimestre de 2019, enquanto 19% esperam que a aprovação se dê já no 3º trimestre.

E como fica o mercado?

Sem aprovação de reforma da previdência, o Ibovespa cairia 20%, para 75 mil, e o dólar subiria 12%, para R$ 4,50.

Por outro lado, se uma reforma com impacto de 50% da proposta inicial for aprovada, a bolsa pode subir 7%, para 100 mil, e o câmbio se apreciaria 3%, para R$ 3,90.

No cenário de aprovação da reforma como enviada pelo governo, a bolsa poderia subir 28%, para 120 mil, e o câmbio poderia apreciar 10%, para R$ 3,60.

De acordo com 52% dos respondentes, o Banco Central aguardaria a aprovação da reforma da Previdência na Câmara para alterar a taxa Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano, e 40% esperam que haja corte na Selic neste ano.

Privatizações

Perguntados sobre a expectativa de recursos a ser obtidos com as privatizações em quatro ano, o mercado mantém a previsão de R$ 300 bilhões desde janeiro. Recentemente, o secretário de desestatização, Salim Mattar, falou que as privatizações devem deslanchar em 2020 e que agora em 2019 devemos assistir à venda de ativos.

Foram realizadas 79 entrevistas com investidores institucionais entre os dias 22 e 24 de maio. O público é formado por gestores de recursos, economistas e consultores. O levantamento conta com um bloco de perguntas fixas de avaliação do presidente e do Congresso e é realizada pelo menos a cada 45 dias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Objetivo muito distante

Maia diz ser ‘temerário’ falar em privatização da Petrobras até 2022

Presidente da Câmara ressaltou que, por ser a Petrobras uma empresa de capital aberto, o assunto da venda fica mais delicado

Mas e o prazo?

Jereissati diz que relatório da reforma da Previdência não será mais entregue nesta sexta-feira

Pelo cronograma inicial, o relatório seria lido na comissão na próxima quarta-feira, 28

Seu Dinheiro na sua noite

Quem manda é o lucro

Vermelho ou verde? Para facilitar a vida de míope mal curado, deixo sempre as duas cores bem berrantes na tela de cotações que fica a meu lado para saber rapidamente quando a bolsa e as principais ações do Ibovespa estão em alta ou em queda. Hoje foi o típico dia em que um único ponto […]

Ninguém segura!

Azul fecha acordo com aérea regional Asta e amplia operações em Mato Grosso

Focada em viagens ligadas ao agronegócio, a ASTA existe desde 1995 e, atualmente, opera onze voos diários no Mato Grosso

Falta gás

Apesar de espera positiva por FGTS, mercado de trabalho ainda trava ímpeto de compra

Analistas da FGV afirmam que o saldo positivo do Índice de Confiança do Consumidor em agosto deve ser encarado com certa cautela

Ninguém mexe!

Governo não cogita alterar meta fiscal, diz Ministério da Economia

Meta limita o déficit primário do governo para este ano a R$ 139 bilhões

Se deu bem

Conselho da Anatel aprova termo que troca multas contra a TIM por iniciativas de melhora de atendimento

Acordo prevê a troca de R$ 627 milhões em sanções por uma série de iniciativas que a companhia deverá assumir e colocar em prática

Em debate no Congresso

Campos Neto diz estar seguro que PL da autonomia do BC blindará a instituição e a UIF, ex-Coaf

Declarações foram feitas nesta manhã durante a posse do novo presidente da UIF, Ricardo Liáo

Tá difícil de acreditar

Confiança de micro e pequeno empresário cai 7,6% nos primeiros sete meses do ano

Para 53% dos pessimistas com a economia, são as incertezas políticas que justificam sentimento negativo

No meio do caminho tinha uma pedra

Relator da Previdência no Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada atrapalha tramitação da reforma

Indicação ainda não foi oficializada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, pai do deputado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements