Menu
2019-05-10T15:22:25+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Este governo gosta de lucro

Estado é absolutamente improdutivo, diz Salim Mattar, ao anunciar venda de ações do IRB e debêntures da Vale

Operações devem render cerca de R$ 6 bilhões e, de acordo com secretário, venda de outros ativos, que montam R$ 150 bilhões, acontecerão mais rápido que as privatizações

10 de maio de 2019
12:38 - atualizado às 15:22
Salim Matar privatizações
Secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar - Imagem: Print TvBrasil

O secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, anunciou que o governo vai se desfazer de sua participação acionária no Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) e de debêntures da mineradora Vale. Operações que podem somar R$ 6,26 bilhões.

O anúncio foi feito na quarta-feira, quando o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), vinculado à Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov), aprovou a inclusão de 59 projetos no programa, com com a expectativa de obter R$ 1,6 trilhão.  Mas agora conseguimos mais algumas informações sobre o assunto (veja abaixo).

Na sua fala, Mattar disse que 2019 terá poucas privatizações, mas muitos desinvestimentos. A venda de estatais, segundo ele, deve deslanchar em 2020 e 2021.

Segundo Mattar, a socialdemocracia “se perdeu”, tentando montar um Estado empresário, algo incongruente, pois ou se é Estado ou se é empresário. Ele reforçou, ainda, que todas as estatais são “absolutamente ineficientes”.

“Este governo tem uma direção diferente. Este governo gosta de capital, gosta de empresário, gosta de lucro. Porque acredita que somente a iniciática privada é geradora de riqueza e criadora de empregos. O Estado é um ente absolutamente improdutivo”, afirmou.

O secretário ainda pediu para que fosse feita uma reflexão. Em um país onde a educação, saúde e segurança são péssimas, o governo tem mais de R$ 150 bilhões em participações de empresas.

“Pergunto: será que esse dinheiro não poderia ser investido em merenda escolar, creches, hospitais? Deve o governo ser um capitalista com participação em empresas ou deveria reverter isso para o bem-estar da população?”

Ainda de acordo com Mattar, desses R$ 150 bilhões, cerca de R$ 110 bilhões estão com o BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o restante está com Caixa Econômica Federal e a União.

“Esses desinvestimentos acontecerão mais rápido que as privatizações, pois o tempo de um desinvestimento é de 60 a 90 dias, enquanto uma privatização, para atender a toda a regulação e órgãos de controle, pode ser de seis meses a um ano e meio”, explicou.

Mattar reforçou que as privatizações vão ocorrer e disse que gosta de comparar o processo a uma orquestra sinfônica. “Quando uma orquestra sinfônica vai dar um show e ficamos boquiaberto com aquela maravilha, aquele momento de êxtase, não sabemos quantos ensaios a orquestra fez. Então, nesses quatro meses de governo, nós estamos ensaiando, ensaiando uns com os outros para fazer essa orquestra funcionar e vai funcionar”, afirmou.

Ações e debêntures

A União é detentora de 36.458.237 ações do IRB, ou 11,7% do capital em circulação. Considerando o valor das ações do IRB negociadas na B3, na linha dos R$ 99,90 o montante perfaz cerca de R$ 3,6 bilhões.

A ação preferência de classe especial, conhecida como “golden share”, e que garante o controle da empresa, não faz parte do programa de venda.

Com relação às debêntures da Vale, a União tem 141.727.613. Esses ativos são negociados em mercado, com cotação na faixa de R$ 18,77 (CVRDA6). Assim, a vendas desses papéis pode somar algo como R$ 2,66 bilhões.

Como o volume de debêntures é significativo não se pode descartar oscilações de preço quando as vendas começarem a acontecer. O volume negociado é baixo, no dia 3 de maio, por exemplo, foram 5 transações. O total de debêntures em circulação, segundo o site da Vale, é de 388.559.056. A venda desses papéis pode ocorrer junto com a alienação da participação do governo na mineradora.

Esses papéis são da época da privatização da empresa, em 1997, quando foram emitidas essas debêntures participativas não conversíveis em ações. Cada debênture correspondia a uma ação, ordinária ou preferencial, detida pelo acionista na época da emissão desses títulos.

Desde 28 de outubro de 2002, essas debêntures passaram a ser negociadas no mercado secundário da Cetip.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Economia aquecida?

Empresários esperam queda na inadimplência e mais investimentos até o fim do ano

Pesquisa também mostra que 55% das empresas têm a intenção de aportar recursos em novos produtos e serviços, 53% querem dar um upgrade tecnológico e 46% capacitar seus profissionais

Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro…) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo. O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os […]

Sete blocos envolvidos

MPF entra com ação para impedir leilão de petróleo ao lado de Abrolhos

MPF na Bahia sustenta que blocos não deveriam ir a leilão sem os devidos estudos ambientais prévios

Papel passado

Bolsonaro sanciona com vetos MP da liberdade econômica

Presidente disse durante a cerimônia de sanção que o governo avalia projeto para incentivar a abertura de empresas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A Selic caiu novamente. E agora, como ficam os seus investimentos?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

A grana tá solta

Governo libera R$ 12,459 bilhões do Orçamento de 2019 e educação leva a maior fatia do bolo

Parte desse dinheiro não poderá ser distribuída livremente já que, do total, R$ 2,6 bilhões vêm das receitas recuperadas por meio da Operação Lava Jato

Tesourada no governo também

Ministério da Economia corta projeção da Selic em 2019 de 6,2% para 5,9%

Projeção para o câmbio médio deste ano passou de R$ 3,8 para R$ 3,9. Já a estimativa para a alta da massa salarial passou de 5,5% para 4,9%

Meio ambiente em jogo

Amazon entra na onda verde e assina acordo ambicioso para combater mudanças climáticas

Como parte do plano, Bezos disse ainda que vai adquirir 100 mil vans de entregas elétricas da startup de veículos elétricos Rivian e que elas vão começar a rodar a partir de 2021

O céu é o limite?

Ações da Braskem disparam na bolsa após notícias sobre venda pela Odebrecht

Construtora teria recontratado a empresa Lazard para dar continuidade às negociações de venda da sua participação na Braskem

Nova tecnologia

Tim prepara novos polos de testes do 5G no Brasil

“Queremos disponibilizar a tecnologia o quanto antes para que os desenvolvedores comecem a projetar aplicações. Quando o 5G chegar, elas já estarão disponíveis”, explicou, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements