🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Ricardo Gozzi
CORRIDA PELA CASA BRANCA

O que está em jogo na Super Terça, que deve deixar Biden e Trump mais próximos da indicação às eleições nos EUA

Expectativa é por vitória esmagadora de Donald Trump pela indicação no Partido Republicano; Joe Biden concorre praticamente sem adversários do lado democrata

Ricardo Gozzi
5 de março de 2024
6:21 - atualizado às 10:14
Homem de cabelos brancos e terno ao lado de outro homem de terno com bandeira dos EUA ao fundo
O presidente dos EUA, Joe Biden, em primeiro plano e o ex-presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: Canvas

Somente uma surpresa nesta “Super Terça” terá o potencial de impedir um tira-teima entre Joe Biden e Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos.

Do lado democrata, nenhuma surpresa substancial é esperada. O presidente Joe Biden voa em céu de brigadeiro na busca pela indicação de seu partido para tentar a reeleição.

Se houver surpresa, ela se dará na disputa republicana. O ex-presidente Donald Trump é o franco favorito.

No entanto, sua ex-embaixadora na ONU e ex-governadora da Carolina do Sul Nikki Haley tem se mostrado um osso duro de roer. Mais pela persistência do que pelos resultados, é verdade.

  • LEIA TAMBÉM: Casa de análise libera carteira gratuita de ações americanas pra você buscar lucros dolarizados em 2024. Clique aqui e acesse.

Nikki Haley acaba de quebrar série invicta de Trump

No último fim de semana, Nikki Haley venceu Trump pela primeira vez desde o início das primárias, em 15 de janeiro.

Ela ganhou no Distrito de Colúmbia, onde fica Washington, a capital norte-americana.

A quebra da série invicta de Trump nas primárias republicanas ocorre às vésperas da Super Terça, nome pelo qual a mídia norte-americana se refere à concentração de primárias e convenções partidárias em uma única data.

Bill Clinton foi a última grande surpresa de uma Super Terça

A concentração de votações em uma mesma data tornou-se comum a partir da década de 1980 e costuma definir os rumos das primárias nos Estados Unidos.

Entretanto, embora surpresas pontuais aconteçam a cada eleição, é raro a Super Terça terminar com a vitória de um azarão, como aconteceu em 1992.

Na ocasião, Bill Clinton era apenas um ex-governador do Arkansas sem nenhuma relevância no cenário nacional até a Super Terça.

Foi quando ele obteve uma sucessão de vitórias em Estados do Sul e tomou impulso para uma inesperada indicação do Partido Democrata para a disputa da presidência dos EUA.

No fim, Clinton impediu a reeleição de George H. Bush, passou oito anos na Casa Branca e só não fez o sucessor por causa de um desfecho altamente suspeito do processo eleitoral na Flórida no ano 2000.

Disputa ainda em aberto

Nesse sentido, os republicanos parecem mais previsíveis — o que pesa ainda mais contra as pretensões de Nikki Haley.

Ainda assim, mesmo que Trump conquiste todos os 854 delegados republicanos em jogo nesta terça-feira, ainda haverá chances matemáticas de Nikki Haley alcançá-lo.

Até o momento, Trump conta com o compromisso de 244 delegados. Nikki Haley tem 43.

Para ser indicado pelo Partido Republicano, um candidato precisa assegurar 1.215 delegados.

Leia também

O que está em jogo nesta Super Terça

O Partido Democrata promoverá nesta terça-feira primárias e convenções em 16 Estados e territórios norte-americanos.

Apesar das críticas de setores do partido, Biden concorre sem nenhum oponente competitivo e deve ficar mais próximo da indicação amanhã.

O máximo de turbulência que se espera na caminhada de Biden rumo à nomeação pelo Partido Democrata é um ou outro episódio de voto de protesto.

Já os republicanos realizarão primárias e convenções em 15 Estados e territórios do Maine até o Alasca.

Isso significa que as votações vão abranger quase todos os fusos-horários norte-americanos e se estender durante praticamente todo o dia.

Diante disso, o mais provável é que o resultado final seja conhecido somente na quarta-feira — embora projeções certamente serão divulgadas ainda na terça-feira.

Super Terça: a última chance de Nikki Haley

A Super Terça é vista por analistas políticos norte-americanos como a última grande oportunidade para Nikki Haley mostrar-se competitiva.

Depois de impor a ela uma dura derrota em seu Estado natal, a Carolina do Sul, Trump chegou a sugerir publicamente que Haley desistisse da disputa.

Enquanto isso, a Suprema Corte dos EUA decidiu na segunda-feira (4) que o nome de Trump pode aparecer nas cédulas de votação do Colorado.

O parecer elimina mais um obstáculo jurídico à candidatura de Trump em meio a discussões sobre se ele poderia ser impedido de concorrer em meio a acusações de ter insuflado uma insurreição em 6 de janeiro de 2021.

Agora a pré-candidata acaba de conseguir sua primeira vitória sobre o ex-presidente.

Embora o Distrito de Colúmbia tenha pouca relevância em termos de delegados, Trump optou por desqualificar publicamente o resultado — bem como a adversária.

A reação de Trump pode ser vista como deselegância, ato falho, bullying ou excesso de zelo. Fica a critério do analista.

O fato é que as pesquisas de intenção de voto apontam para uma vitória esmagadora do ex-presidente na Super Terça.

É justamente isso que Nikki Haley precisa evitar para seguir na disputa.

Compartilhe

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

15 de maio de 2024 - 14:54

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar