🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
CENÁRIO FAVORÁVEL

“Brasil parece ser um bom lugar para alocar capital moderadamente, mas não está tão barato”, diz Luis Stuhlberger, da Verde

Balança comercial favorável e redução da inflação estão entre os motivos apontados pelo gestor

Liliane de Lima
30 de janeiro de 2024
19:00 - atualizado às 10:09
Luis Stuhlberger, sócio-fundadador do Verde Asset Management
Luis Stuhlberger, sócio-fundadador do Verde Asset Management - Imagem: Divulgação/UBS

Um dos grandes dilemas dos países emergentes como o Brasil é a dependência do cenário macroeconômico, principalmente dos Estados Unidos, para atrair os investidores estrangeiros.

Contudo, o cenário atual “sopra” bons ventos. Um desses indicadores é a inflação que, “incrivelmente, não para de surpreender para baixo”, afirmou o sócio-fundador da Verde Asset Management, Luis Stuhlberger, no evento Latin America Investment Conference (LAIC), promovido pelo UBS.

“A cada vez que passam, as previsões para a inflação em 2024 ficam mais baixas. Hoje, a estimativa da Verde e do mercado é de 3,40%, a depender dos preços de energia, com espaço para cair ainda mais”, disse Stuhlberger.

Para ele, o otimismo moderado com a economia brasileira ainda é fruto de reformas feitas pelos governos anteriores de Michel Temer e Jair Bolsonaro, “que estão deixando a gente crescer mais sem ter inflação”.

Brasil: balança comercial favorável

Além do alívio nos preços, o gestor considera que o Brasil está com uma balança comercial “espetacular”, com a previsão de superávit bilionário.

“O superávit do agro pode ser um pouco menor este ano, mas não é só questão de preço, a área plantada segue aumentado, assim como a produção de minério e produção de petróleo. Daqui a pouco, nós vamos chegar a uma balança comercial de R$ 150 bilhões”, afirmou o sócio-fundador da Verde no LAIC.

Por fim, há ainda o benefício geopolítico.

“O Brasil parece ser um bom lugar para alocar capital moderadamente”, afirmou Stuhlberger. Mas, para ele, os ativos locais “não estão tão baratos”, uma vez que a bolsa brasileira já subiu consideravelmente.

O fiscal (sempre) preocupa

Um velho e conhecido vilão das contas públicas e que afugenta os investidores hora ou outra é o cenário fiscal.

“O nosso fiscal ainda é muito preocupante. Em relação ao extinto teto de gastos, os gastos que vamos ter em 2024, com o orçamento previsto, serão entre R$ 300 bilhões a R$ 350 bilhões acima do extinto teto, mesmo com o arcabouço [fiscal, aprovado no ano passado].”

Contudo, para Stuhlberger, isso não deve ser surpresa para o mercado. “A equação de 2024 já está dada, com um déficit fiscal de cerca de R$ 80 bilhões, e o mercado já assimilou nos preços.”

Apesar de um Congresso mais reticente ao aumento da carga tributária, o sócio-fundador da Verde Asset Management vê outros caminhos, ou melhor, saídas para o problema brasileiro de décadas.

“Temos uma oportunidade de ouro de restabelecer a Cide [para combustíveis], dependendo do preço do petróleo e do câmbio, o que ajuda muito o fiscal”, disse Stuhlberger ao considerar que este, entre outros benefícios fiscais, está sobre a mesa do ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“Não quer dizer que isso vai acontecer, mas é algo que ainda não foi recomposto do pacote de bondades que o Bolsonaro fez para tentar a reeleição.”

Por fim, o gestor afirmou que “enquanto Lula for um chefe de Estado, e o Haddad, na prática, for um chefe de governo, sem distinguir o job description de cada um, o país estará bem”.

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de incorporadora disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

PREFERE A TESLA?

Há algo de errado com a BYD? Warren Buffett despeja milhões em ações da chinesa dos carros elétricos no mercado

17 de junho de 2024 - 15:33

A Berkshire Hathaway vendeu mais 1,3 milhão de ações da BYD listadas em Hong Kong por US$ 39,8 milhões — a venda reduziu a participação do conglomerado para 6,9%

FIIs HOJE

Dividendos do Riza Akin (RZAK11) são os menores em mais de dois anos; por que os proventos do fundo imobiliário estão caindo?

17 de junho de 2024 - 14:11

A cifra é mais baixa paga pelo FII desde outubro de 2021, quando o portfólio do RZAK11 estava em seus primeiros meses de vida

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

Os fundos imobiliários de escritórios estão baratos — e o Itaú BBA revela seus três FIIs favoritos do segmento

17 de junho de 2024 - 12:34

O banco de investimento avaliou 14 fundos do segmento e deu a recomendação de compra para apenas três deles

MUDANÇA DE PERCURSO

A rota da Localiza (RENT3) foi calculada pelo BTG Pactual com o corte no preço-alvo das ações; o que fazer com as ações? 

17 de junho de 2024 - 11:44

Mesmo com a revisão, o banco ainda prevê uma valorização de mais de 70% dos papéis da locadora

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Todo mundo em pânico — menos ele. Por que o economista da Neo Investimentos vê exagero na queda da bolsa e na disparada do dólar

17 de junho de 2024 - 6:31

“Às vezes a gente acha que não, mas o Brasil continua sendo um mercado de risco alto”, afirmou Luciano Sobral, economista-chefe da Neo Investimentos, em entrevista exclusiva ao Seu Dinheiro

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com pressão de NY, Ibovespa segura os 119 mil pontos e recua quase 1% na semana; dólar sobe e fecha a R$ 5,38

14 de junho de 2024 - 17:23

RESUMO DO DIA: Depois de uma semana movimentada com decisão sobre os juros nos Estados Unidos e preocupações com o cenário local doméstico, o Ibovespa segurou com algum esforço os 119 mil pontos. O principal índice da bolsa brasileira fechou em leve alta de 0,08%, aos 119.662,38 pontos. Na semana, o recuo é de 0,92%. […]

APOSTAS PARA O CÂMBIO

O dólar não vai mais cair? Alckmin diz que governo tem “absoluta confiança” sobre a trajetória da moeda norte-americana

13 de junho de 2024 - 17:52

O presidente em exercício falou sobre o tema um dia após a moeda americana ter ultrapassado a cotação de R$ 5,40 pela primeira vez desde janeiro de 2023

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar fecha próximo da mínima intraday com rescaldo de Haddad sobre fiscal; Ibovespa sustenta os 119 mil pontos

13 de junho de 2024 - 17:17

RESUMO DO DIA: O cenário fiscal roubou a cena mais um vez no mercado acionário brasileiro. Se ontem foram as falas do presidente Lula que aumentaram a aversão ao risco, hoje o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ficou encarregado de ‘reduzir os danos’. Apesar dos esforços do ministro, o Ibovespa não deixou o tom negativo. […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar