O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-10T16:15:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ELEIÇÕES 2022

Maioria não pretende mudar voto daqui até a eleição; fique por dentro dos resultados da nova pesquisa eleitoral da CNT

A pesquisa também olhou para o primeiro turno das eleições e testou diferentes cenários para o segundo turno

10 de maio de 2022
16:15
Lula Luiz Inácio Jair Bolsonaro se enfrentam nas eleições de 2022
Quando o assunto é intenção de voto, Lula e Bolsonaro são os principais candidatos nas eleições deste ano - Imagem: Montagem/Andrei Morais / Shutterstock

Um levantamento sobre as eleições deste ano, realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgado nesta quarta-feira (10) mostra que 78,1% dos entrevistados que têm a intenção de votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dizem que a decisão é definitiva, enquanto 21,9% afirmam que "podem mudar". 

Dos eleitores que têm a intenção de votar no atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), 82,1% consideram que o voto é definitivo e 17,9% assumem que "podem mudar". 

No caso de Ciro Gomes (PDT), 51% disseram que a escolha é definitiva e 49% podem mudar. Dos entrevistados que têm a intenção de votar em João Doria (PSDB), 34,9% consideram que o voto seja definitivo e 65,1% podem mudar.

A pesquisa, constituída por 2.002 entrevistas telefônicas, tem margem de erro de 2,2 pontos porcentuais e nível de confiança é de 95% e está registrada na Justiça Eleitoral sob número BR-05757|2022. 

Vale ressaltar que as últimas pesquisas da CNT foram realizadas na modalidade presencial, o que inviabiliza a comparação deste levantamento com os anteriores.

Primeiro turno, dessa vez sem Moro

Lula mantém a liderança nas intenções de voto para a Presidência no primeiro turno, com 40,6% no levantamento estimulado, enquanto Jair Bolsonaro segue em segundo lugar, com 32%.

Em terceiro lugar está Ciro Gomes, com 7,1%. Na sequência aparecem João Doria, que acumula 3,1% das intenções de voto, e André Janones (Avante), com 2,5%. Simone Tebet (MDB) tem 2,3% e Luiz Felipe d'Ávila (Novo) 0,3%. Branco e nulos são 5,1%, e indecisos 7,0%.

Foi a primeira vez em que a pesquisa da CNT não colocou o nome de Sérgio Moro (União Brasil) entre os presidenciáveis.

Bolsonaro perdendo para (quase) todo mundo

Nas projeções para um eventual segundo turno, Lula manteve a liderança contra todos os adversários. Contra o atual presidente, o petista tem 50,8% dos votos, e Bolsonaro 36,8%.

Bolsonaro só teria vantagem no segundo turno, segundo a pesquisa, se disputasse contra Doria ou Simone Tebet. O atual presidente teria 38,8% e o tucano 33,9% das intenções de voto. Contra a senadora, Bolsonaro teria 39,6% dos votos e Tebet 30,5%.

Como vai o governo

A pesquisa da CNT também mostra que 30,4% dos entrevistados avaliam o governo do presidente Jair Bolsonaro como "ótimo e bom", enquanto 25,2% consideram "regular" e 43,6% como "ruim e péssimo". 

Para 52%, o governo está "pior do que esperava", enquanto 29% disseram estar "nem melhor, nem pior" e 17% "melhor do que esperava".

Em relação à aprovação do desempenho pessoal do presidente, 37,9% disseram que aprovam e 58,8% desaprovam.

Potencial de voto

Dos entrevistados, 28,2% disseram que "votariam com certeza" em Bolsonaro; 15,4% "poderiam votar nele"; 53,9% não votariam "de jeito nenhum". Em relação a Lula, 35% afirmam que "votariam nele com certeza"; 18,6% poderiam votar nele; 44,1% não votariam de jeito nenhum. Se o candidato fosse Ciro Gomes (PDT), 4,3% dos entrevistados votariam nele "com certeza"; 39,5% poderia votar nele; 48,2% "não votaria de jeito nenhum".

João Doria (PSDB) é o pré-candidato que acumula maior rejeição. Dos entrevistados, 68% disseram que não votariam nele "de jeito nenhum"; 19% poderiam votar nele; e 1,5% votaria nele "com certeza".

A senadora Simone Tebet (MDB) acumula o maior nível de desconhecimento. Segundo a pesquisa, 48,5% dos entrevistados disseram que "não conhecem"; 37,5% não votariam "de jeito nenhum"; 10,4% poderia votar nela; e 1,2% votaria nela "com certeza".

Vai ter segundo turno?

Para evitar ou garantir a realização de um segundo turno nas eleições para presidente neste ano, 22,7% dos eleitores mudariam de voto, segundo levantamento realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT). A maioria deles, 70,5%, manteria o voto e 6,8% não souberam responder.

Questionados sobre quais situações fariam com que os entrevistados mudassem o voto no primeiro turno, 28,4% disseram que seria para "facilitar que alguém, que não seja Jair Bolsonaro (PL) ou Luiz Inácio Lula da Silva (PT), possa ir para o segundo turno". 

Outros 25,7% afirmaram que seria para "dificultar uma vitória em primeiro turno de Jair Bolsonaro".

O levantamento mostra, ainda, que 21,5% mudariam o voto para "facilitar uma vitória em primeiro turno de Lula", enquanto 13,4% mudariam para "facilitar uma vitória em primeiro turno de Jair Bolsonaro". 

Por fim, 7,5% que disseram que mudariam o voto para "dificultar uma vitória em primeiro turno de Lula".

Polarização

O levantamento da CNT mediu, ainda, a percepção dos entrevistados sobre a polarização na eleição presidencial de 2022. Para 45,7%, a disputa está "mais polarizada que na eleição 2018", enquanto 34,2% disseram que ocorre "da mesma forma que na eleição 2018". Apenas 11,6% consideram "menos polarizada que na eleição 2018".

Apesar de verem a eleição polarizada, 30,6% dos pesquisados avaliam que a construção de um nome alternativo ao ex-presidente e o atual algo "muito importante" e outros 32,3% como "importante para o País". Avaliaram como "pouco importante" a construção de uma alternativa 29,1%, e 8% não souberam responder.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa surfa no otimismo internacional e abre em alta; dólar é negociado abaixo dos R$ 5

RESUMO DO DIA: Os sinais de alívio da covid-19 na China devolveu o apetite de risco dos investidores nesta terça-feira (17). O tom menos agressivo dos representantes do Federal Reserve na tarde de ontem (16) também incentivam uma busca por barganhas nas bolsas hoje. Por aqui, o Ibovespa acompanha os debates envolvendo a PEC 63, […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Positivo (POSI3) e lucro de 2% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Positivo Tecnologia (POSI3), com entrada em R$ 7,87; veja a análise das ações

O melhor do Seu Dinheiro

Velozes e autônomos: desafio Imigrantes; veja a história do dia e outras oito notícias que mexem com os seus investimentos

Descubra tudo o que você precisa saber sobre os carros autônomos e o que é preciso para eles ganharem de vez as estradas brasileiras

BARGANHANDO EM PÚBLICO?

Elon Musk acha que o Twitter tentou enganá-lo, suspende negociação e exige clareza sobre número de contas falsas

Twitter e Elon Musk divergem sobre quantidade de usuários falsos e spams; empresa fala em 5%, bilionário acha que é bem mais

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior reagem ao alívio da covid-19 na China e sobem pela manhã; Ibovespa acompanha PEC que pode gerar até R$ 7,5 bi em novos gastos

A proposta de reajuste para juízes e procuradores acontece em meio à greve dos servidores do Banco Central e Receita Federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies