🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-05-16T19:07:50-03:00
Guilherme Valle

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

16 de maio de 2022
19:07
Boris Johnson
Imagem: Natalia Mikhaylova/Shutterstock

O primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson, esteve hoje (16) em Hillsborough, na Irlanda do Norte, para discutir os termos do acordo que, no contexto do Brexit, estabeleceu a necessidade de inspeção em bens que transitem entre a Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte, que permanece no Mercado Único Europeu.

A viagem, organizada às pressas, acontece depois do Partido Unionista Democrático (PUD) bloquear a formação de um novo governo, apesar da derrota nas eleições de 5 de maio, em que, pela primeira vez em 101 anos, venceram os nacionalistas do Sinn Féin. 

Na Irlanda do Norte, as regras para a formação do executivo preveem a necessidade de acordo entre as forças.

O que é o Protocolo da Irlanda do Norte?

A Irlanda do Norte é o único território do Reino Unido que possui fronteira terrestre com um país da União Europeia, a República da Irlanda, e por isso exige tratamento especial de ambos os lados.

Antes do Brexit, tudo o que passava pela região estava sujeito às mesmas regras comerciais, o que permitia a livre circulação das mercadorias. Depois do Brexit, diferentes graus de inspeção passaram a ser exigidos, já que a União Europeia possui regras bastante rígidas para permitir a entrada de mercadorias no bloco. 

A solução encontrada foi inspecionar as mercadorias que transitam entre Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte, permitindo assim a manutenção do livre trânsito entre Irlanda do Norte e a Irlanda. Além disso, produtos comercializados na Irlanda do Norte ficaram sujeitos às regras europeias.

A instabilidade política da região, que inclusive motivou o acordo que hoje possibilita que o PUD obstrua a formação de um novo executivo, também foi levada em consideração na elaboração do protocolo, já que evita uma fronteira física nas ilhas da Irlanda, garantindo a manutenção do Acordo de Sexta-Feira Santa de 1998.

Problemas internos (e externos)

Depois do encontro com os cinco principais partidos de Stormont, Boris Johnson disse que gostaria de resolver os problemas de maneira consensual e negociada, de maneira a evitar a instalação de algumas destas barreiras no sentido leste-oeste (da Irlanda do Norte para a Grã-Bretanha).

A presidente do partido que venceu as eleições, Mary Louy McDonald, também se pronunciou e chamou de inaceitável o que chamou de táticas de obstrução em relação ao protocolo. Para ela, o governo britânico estaria provocando de maneira perigosa as instituições europeias e fazendo da sociedade um “refém”.

Já o líder do DUP, Sir Jeffrey Donaldson, disse que julgaria a atuação de Boris Johnson através de suas ações e não palavras, e justificou a escolha de barrar a constituição de um novo poder executivo — segundo ele, não se pode haver compartilhamento de poder sem consenso, e neste momento não há consenso.

O Reino Unido e a Europa

Quem não está gostando nada da confusão que vai se armando em Belfast é a União Europeia. O vice-presidente da Comissão Europeia, Maros Sefcovic, disse que as ameaças por parte do Reino Unido são inaceitáveis e reforçou sua preocupação com a possibilidade de Boris Johnson tomar decisões de forma unilateral.

Também pesa para isso o fato de que Boris Johnson tem defendido a revisão do acordo, utilizando o argumento de que a guerra na Ucrânia e a pandemia mudaram de maneira decisiva a realidade da região, obrigado uma repactuação.

O problema é que a União Europeia já propôs mudanças ao protocolo em outubro de 2021, quando chegou a defender mais flexibilidade para bens como remédios, plantas e alimentos, o que foi rejeitado pelo Reino Unido.

Para complicar ainda mais a situação, a secretária de relações exteriores de Boris Johnson, Liz Truss, disse na semana passada que o governo britânico “não terá escolha a não ser agir” caso a União Europeia não demonstre a flexibilidade necessária.

Guerra comercial no horizonte?

De uma maneira ou de outra, o governo do Reino Unido não parece totalmente decidido de que a única saída possível é romper o protocolo de maneira natural, e mesmo que esse fosse o caso, seria necessário enfrentar a oposição internamente e o processo exigiria tempo.

De 6 meses a 1 ano — segundo Mujtaba Rahman, da consultoria Eurasia. Assim, o risco de uma guerra comercial estaria ainda um pouco distante no tempo.

Outro analista, Christopher Granville, da TS Lombard, defendeu, em entrevista à CNBC, que a postura de Westminister seria, na verdade, uma maneira de se engajar na disputa política interna ao Reino Unido, ao demonstrar que está batendo de frente com a União Europeia.

Segundo Lombard, a posição de Boris Johnson também teria o objetivo de tirar o foco de problemas como o custo de vida em alta e o resultado desfavorável em eleições regionais.

*Com informações da CNBC e BBC

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O MEDO SE ESPALHA

Por que o petróleo tomba mais de 10% e arrasta as ações da Petrobras (PETR4) e PRIO (PRIO3) hoje

5 de julho de 2022

A projeção pessimista vem em um momento em que as cotações estão sob pressão. Desde o início do ano, quando as tensões entre Rússia e Ucrânia se intensificaram, o preço do barril saltou mais de 40%

SEM ACORDO

Greve do BC termina na data marcada; paralisação durou 95 dias

5 de julho de 2022

Os servidores do Banco Central cruzaram os braços em abril e reivindicavam reajuste salarial e reestruturação da carreira — demandas que não foram atendidas a tempo

ELEIÇÕES 2022

Pode isso, Arnaldo? Lula critica orçamento secreto enquanto oposição discute divisão das verbas em 2023

5 de julho de 2022

O orçamento secreto envolve a distribuição, sem transparência, de recursos federais a redutos eleitorais de deputados e senadores. O governo usa os pagamentos para comprar apoio político no Congresso.

DE NOVO?

A crise não acabou na Loft: startup faz nova demissão em massa e corte atinge cerca de 380 funcionários

5 de julho de 2022

Segundo a empresa, o novo corte acontece em razão da “reorganização” dos negócios. Em abril, a Loft demitiu cerca de 159 funcionários

A BOLSA COMO ELA É

Isso também vai passar: Entenda por que é hora de aproveitar a baixa do mercado para investir em ações da bolsa

5 de julho de 2022

O Ibovespa negocia aos menores múltiplos desde 2008. Portanto, se ainda não começou a investir, este é um ótimo momento para começar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies