Menu
2019-10-17T08:27:16-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

17 de outubro de 2019
5:28 - atualizado às 8:27
alerta (1)
Investidores continuam se apoiando na perspectiva de novo cortes de juros

A atenção do mercado financeiro continua dividida entre a série de indicadores econômicos relevantes, que traz hoje dados de atividade nos Estados Unidos e na China, e os eventos da geopolítica internacional, em meio aos protestos em Hong Kong e à contagem regressiva para o Brexit. Mas os investidores continuam se apoiando na perspectiva de novos cortes de juros, principalmente pelo Federal Reserve, e relegando o crescimento mais baixo.

Os índices futuros da bolsas de Nova York amanheceram na linha d’água, sem viés definido, com os investidores ponderando a safra de balanços, que não tem sido um catalisador para os negócios, e as perspectivas para a guerra comercial, que seguem incertas. Mas, após o anúncio de que o Reino Unido e a União Europeia chegaram num acordo sobre o Brexit, os índices passaram a operar no azul. O anúncio aconteceu antes da reunião entre autoridades programada para hoje e amanhã em Bruxelas

Na Ásia, a sessão foi mista. Nos demais mercados, o dólar está de lado, ensaiando uma recuperação após perder terreno para as demais moedas, na esteira da inesperada queda nas vendas no varejo norte-americano em setembro. O dado renovou as expectativas por mais um corte na taxa de juros dos EUA neste mês. Essa aposta foi reforçada ontem, após um integrado do Fed dizer que uma terceira queda nos juros do país é possível. Já o petróleo recua.

PSL x PSL

No Brasil, os ruídos políticos vindos de Brasília têm gerado certo incômodo no curto prazo, com o receio de que a briga entre o PSL e o presidente Jair Bolsonaro possa prejudicar o andamento da agenda do governo no Congresso pós-Previdência. Afinal, trata-se da maior bancada na Câmara, enquanto, no Senado, a votação da cessão onerosa abriu espaço para finalizar a reforma da Previdência. O segundo turno está previsto para o dia 22.

Mas o racha no PSL ganha novos contornos, colocando a pauta econômica em risco. A ala de deputados que apoiam Bolsonaro se mobilizou para trocar o líder do partido na Câmara, com 27 dos 53 parlamentares assinando um requerimento para tornar Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, o novo líder da bancada. Em seguida, o deputado Delegado Waldir, ligado ao presidente do partido, Luciano Bivar, apresentou uma nova lista, com 31 assinaturas para retomar a liderança.

Somadas, as duas listas continham 58 assinaturas, cinco a mais que o número de deputados do partido. Nos bastidores, atribuiu-se a movimentação a uma interferência direta de Bolsonaro, que teria se reunido com deputados ao longo dos últimos dias para discutir mudanças no comando da sigla. O atual líder do governo na Câmara é o Major Vitor Hugo e a única certeza após esse recente episódio é de que o partido segue rachado.

Dados de EUA e China em destaque

A China divulga, no fim do dia, dados de primeira grandeza, entre eles o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre deste ano. A previsão é de ligeira desaceleração a 6,1%, na comparação anual, após crescer 6,2% entre abril e junho, no menor ritmo desde o início da série histórica, em 1992.

Juntamente com os dados do PIB chinês, também serão conhecidos os números de setembro sobre a produção industrial, as vendas no varejo e os investimentos em ativos fixos. Pela manhã, merecem atenção os indicadores norte-americanos, com destaque para o desempenho da indústria nos EUA no mês passado, às 10h15.

A expectativa é se o número irá confirmar a contração da atividade no setor, apontada pelo índice ISM. A estimativa é de queda de 0,1%. Antes, às 9h30, saem os pedidos semanais de auxílio-desemprego, a construção de moradias em setembro e o índice sobre a indústria na Filadélfia neste mês. Às 12h, é a vez dos estoques de petróleo e derivados no país.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

Estamos para ver o surgimento de um grande conglomerado de moda no Brasil?

Varejo é um jogo de escala. Quanto mais você vende, mais compra. Isso vale não só para os insumos, mas para tudo

Tecnologia no varejo

Magazine Luiza e Totvs anunciam parceria para integração de plataforma e marketplace

Para os vendedores, a notícia representa vendas diretas com taxas menores; já para os consumidores a vantagem é a entrega mais rápida

busca por acordo

Investidores cobram até R$ 60 bi da Petrobras em processos de arbitragem

Casos incluem tanto investidores nacionais quanto estrangeiros e vieram na esteira da Operação Lava Jato, que apontou práticas ilícitas na estatal

país em crise

Concorrente do Uber, Cabify encerra operações no Brasil por conta da pandemia

Fundada há 10 anos em Madri, empresa enfrentou um mercado altamente competitivo no Brasil, mas crise recente foi decisiva para startup deixar o país

TIM Brasil poderá emitir até R$ 5,7 bilhões em debêntures incentivadas

O projeto da operadora para melhorias nas redes fixas e móveis de 21 unidades da federação entrou na lista de autorizações do Ministério das Comunicações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies