⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-10-23T06:31:15-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado testa otimismo

Aprovação da nova Previdência é só o começo de longa lista de reformas pendentes, mas sentimento é de que o Brasil está na direção correta

23 de outubro de 2019
5:27 - atualizado às 6:31
Carinha sorridente em meio à carinhas tristes
No exterior, há pouco progresso sobre Brexit e guerra comercial para sustentar otimismo

A reforma da Previdência foi aprovada ontem, em segundo turno, no plenário do Senado, por 60 votos a 19, mas a votação será concluída hoje (9h), com a análise dos dois últimos destaques. As novas regras para aposentadoria devem gerar uma economia de R$ 800 bilhões em dez anos aos cofres do governo, ajudando a estabilizar as contas públicas.

Mas foi só o começo. Ainda há uma longa lista de reformas pendentes, como a tributária e a administrativa, além da agenda microeconômica e de privatizações. De qualquer forma, o sentimento é de otimismo, com o mercado financeiro doméstico acreditando que o Brasil, enfim, está fazendo a lição de casa, o que tende a estimular a recuperação econômica.

Com isso, os argumentos para o dólar superar a marca de R$ 4,20 e o Banco Central acelerar o ritmo e cortar a Selic em 0,75 ponto estão se perdendo. O que se viu ontem, então, foi uma correção de preços, com a moeda norte-americana caindo abaixo de R$ 4,10 e os juros futuros recompondo prêmios.

Já o Ibovespa renovou o topo histórico, subindo mais um degrau e indo aos 107 mil pontos, contrariando a "velha máxima" no mercado financeiro, que diz que a bolsa de valores "sobe no boato e cai no fato". Hoje, os ativos domésticos testam o fôlego para dar continuidade ao movimento, tentando se descolar do sinal negativo que prevalece no exterior, após o revés no Parlamento britânico sobre o Brexit e as negociações entre Estados Unidos e China.

Exterior preocupado

No exterior, os investidores encontram poucos progressos nas questões geopolíticas e nos resultados dos balanços para sustentar o otimismo com o crescimento econômico global. Assim, Nova York amanheceu no vermelho, após uma sessão mista na Ásia, diante da percepção de que será difícil haver um acordo comercial entre EUA e China.

Hong Kong caiu quase 1%, diante de relatos de que Pequim planeja substituir a administradora local, Carrie Lam, até março. Na Europa, as principais bolsas abriram em baixa, mas Londres ensaia ganhos, após o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ganhar apoio para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), mas perder a votação que garantia o Brexit até 31 de outubro, deixando a situação em um limbo.

Já a libra esterlina está de lado em relação ao dólar, com a moeda norte-americana medindo forças frente aos rivais. O petróleo, por sua vez, recua, em meio a relatos de que o cartel de países produtores e exportadores (Opep) irão discutir nova redução na oferta da commodity no mês que vem. O ouro avanço, pelo segundo dia seguido.

Assim, o mercado encontra dificuldades para engatar um rali de fim de ano, intensificando as compras de ativos de risco até o Natal. Os investidores tentam se apoiar nos esforços dos bancos centrais para estimular o crescimento econômico, em meio à guinada agressiva na condução da política monetária, principalmente por parte do Federal Reserve. Mas pode ser apenas uma questão de tempo para cair na real e ficar preocupado com a piora dos fundamentos.

Dia de agenda fraca

A agenda econômica desta quarta-feira está mais fraca, tanto no Brasil quanto no exterior. Os destaques ficam com os dados semanais sobre a entrada e saída de dólares do país (14h30) e os estoques de petróleo bruto e derivados nos EUA na semana passada (11h30). Na zona do euro, sai a prévia deste mês da confiança do consumidor, às 11h.

Entre os eventos de relevo, o STF retoma o julgamento (9h30) sobre a prisão após segunda instância. Já a temporada brasileira de divulgação dos resultados do terceiro trimestre deste ano começa hoje, com os balanços de WEG, antes da abertura, e de Localiza, Energias do Brasil e CSN, após o fechamento do pregão local.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

FAKE NEWS FORA DO AR

Alexandre de Moraes manda retirar notícia falsa republicada por Bolsonaro que liga líder do PCC a Lula

2 de outubro de 2022 - 12:37

Mais cedo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, republicou a notícia com ataques ao candidato Lula. Até o momento, Bolsonaro não havia apagado as mensagens no Twitter

AJUSTE NO GÁS

Guerra da Ucrânia: gasoduto russo que alimenta a Europa parou de vazar; relatório diz que explosivos foram usados para ‘sabotagem’

2 de outubro de 2022 - 11:23

Os russos acusam a Europa de “sabotar” as tubulações, enquanto o Ocidente afirma que os danos foram feitos de maneira proposital por Moscou

NA MOSCA!

Dois ganhadores da Mega Sena receberão R$ 158 milhões cada; veja dezenas sorteadas

2 de outubro de 2022 - 10:57

Uma das apostas foi feita de Fernandópolis (SP) e a outra por canal eletrônico. Assim, elas dividiram o prêmio de R$ 317 milhões

Conteúdo exclusivo

Dividendos gordos em risco? Ações e FIIs podem ter proventos taxados com apoio de Lula e Bolsonaro; ideia está no Congresso e pode ferir sua estratégia de renda extra em 2023

2 de outubro de 2022 - 10:00

Um tipo específico de ações em crescimento se destaca caso isso ocorra em 2023, com destaque para quatro ações; acesso o e-book gratuito

ELEIÇÕES Lá Fora

Do outro lado do mundo, Lula vence eleições na China, Coréia do Sul, Singapura e Nova Zelândia, mas Japão é de Bolsonaro; veja sessões já encerradas

2 de outubro de 2022 - 8:41

Os colégios eleitorais da Nova Zelândia são os primeiros a abrir para votação — consequentemente, também são os primeiros a terem uma parcial do resultado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies