2022-05-06T14:29:50-03:00
Carolina Gama
NOVA ORDEM CAMBIAL

Dólar corre perigo? Rússia quer emplacar sistema de pagamentos em rublos com ajuda da China — mas a missão é difícil

Para dar sequência a essa empreitada, representantes do Banco Popular da China e do Banco Central da Rússia realizarão uma reunião sobre os sistemas nacionais de pagamento em ambos os países

6 de maio de 2022
14:29
Cédulas de rublo russo em volta de uma cédula de dólar, simbolizando a taxa de câmbio entre os países
Imagem: iStock

A Rússia resolveu desafiar os EUA não só no campo geopolítico, mas também na esfera cambial. A missão agora é tentar estabelecer alternativas à hegemonia do dólar. Mas, diferente do que acontece na guerra da Ucrânia, Moscou entrará nessa luta com a China ao seu lado.

Os russos não resolveram encarar essa difícil tarefa à toa. Após a invasão da Ucrânia, alguns bancos do país foram banidos do Swift, como é conhecido o sistema global de transferências financeiras.

A proibição teve como objetivo provocar o isolamento econômico da Rússia, já que prejudica as transações comerciais e financeiras do país no cenário internacional. 

Para reverter esse quadro, a Rússia está divulgando uma plataforma alternativa de pagamento baseada em rublo chamada Sistema para Transferência de Mensagens Financeiras (SPFS, em inglês), criado em 2014. 

Especialistas acreditam que não haverá, por agora, uma corrida ao SPFS, já que os países temem provocar os EUA e os efeitos secundários das sanções. Mas, no final de abril, o banco central russo informou que começaria a manter os nomes dos participantes da plataforma em segredo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

As alternativas da China e da Rússia ao Swift

Embora não tenha assumido oficialmente que está do lado da Rússia na guerra contra a Ucrânia, a China não condenou a invasão e tem agido em paralelo para apoiar Moscou, principalmente nas questões econômicas e financeiras. 

Além de comprar petróleo russo — uma importante fonte de receita para o país comandado por Vladimir Putin — Pequim agora tenta ajudar Moscou com seu sistema de pagamentos. 

A ideia é usar o Sistema de Pagamento Interbancário Transfronteiriço (CPIS, na sigla em inglês), criado pela China em 2015 e capaz de realizar todas as etapas do pagamento, em diversas moedas.

Como o SPFS da Rússia foi limitado ao uso doméstico, Moscou está trabalhando com Pequim para conectá-lo ao CIPS e, assim, contornar a proibição ao Swift. 

Para dar sequência a essa empreitada, representantes do Banco Popular da China e do Banco Central da Rússia realizarão uma reunião sobre os sistemas nacionais de pagamento em ambos os países. A data e local para isso ainda não foram informados. 

No encontro entre os banco centrais, as autoridades também discutirão a promoção e uso dos sistemas chineses de pagamento Mir e UnionPay. 

A Mir e a UnionPay estão entre as poucas opções que restam para os russos fazerem pagamentos no exterior desde que os bancos russos foram isolados do sistema financeiro global, em resposta à invasão da Ucrânia. 

Dólar corre perigo?

Desbancar o dólar como a moeda de reserva global não é uma missão fácil e tampouco acontecerá do dia para a noite. Tanto que o embaixador de Pequim em Moscou, Zhang Hanhui, garantiu que a China e a Rússia não estavam defendendo a rejeição de acordos em dólar e euro no comércio bilateral.

Mas se o CIPS for usado para liquidar mais comércio, isso criaria uma alternativa impulsionada pelo yuan ao sistema Swift dominado pelo dólar. 

A China tem ambições de tornar o yuan a moeda de reserva dominante no mundo, mas ainda tem um longo caminho a percorrer, principalmente porque Pequim ainda administra seu valor com firmeza. 

Além disso, o yuan não é totalmente conversível para outras moedas no mercado global no momento.

Do ponto de vista russo, a demanda por pagamentos de energia em rublos é significativa porque o país é uma potência energética — portanto, a ascensão de uma moeda alternativa para o setor pode causar um impacto indireto em um sistema comercial dominado pelo dólar. 

No entanto, especialistas dizem que os russos não aceitarão ser tão dependentes do dólar e, em vez disso, devem optar pela triangulação cambial com a China.

*Com informações da Reuters, do Asia Financial e do Markets Insider

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CONTROLE DE DANOS

Pedro Guimarães entrega carta de demissão a Jair Bolsonaro e rebate acusações de assédio; veja quem o sucederá na presidência da Caixa

Guimarães deixa o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público Federal por múltiplas denúncias de assédio sexual

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro foi bloqueado? Entenda porque o governo criou perfis temporários nas redes sociais

Mudança passa a valer a partir do próximo dia de 2 julho e deve durar até o final das eleições marcadas para o mês de outubro

CARREIRA C-LEVEL

Desigualdade no mercado: Mulheres ainda são minoria em cargos de alta liderança

Painel do Young Women Summit, organizado pela Fin4She, discute a importância das mulheres em posições de liderança em grandes empresas

SINAL VERDE

Superintendência do Cade aprova venda de ativos da Unidas (LCAM3) para Grupo Brookfield, e fusão com Localiza (RENT3) fica mais próxima

A Brookfield é dona da Ouro Verde; a venda de veículos fazia parte do acordo firmado entre Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) com o Cade

AFRO-CRIPTO

Projeto busca incluir comunidade negra no universo das criptomoedas com AfroBit_lab; primeiras turmas receberão bolsa de R$ 1,3 mil

O objetivo é alinhar educação financeira aos mais recentes métodos de pagamento e oportunidades no universo digital, com foco no potencial da população negra