🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-08-16T13:23:51-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
EM FORTE QUEDA

China derruba preços do petróleo internacional e pode ajudar na redução da gasolina no Brasil; entenda

Desde as máximas em março deste ano, o barril de petróleo Brent já recuou cerca de 26% com a perspectiva de desaceleração — e, possivelmente, recessão — global

15 de agosto de 2022
11:06 - atualizado às 13:23
China derruba cotações do petróleo hoje
O petróleo cai depois dos problemas com a China; entenda.Imagem: Shutterstock

A principal commodity energética do mundo reage aos dados fracos da economia chinesa, divulgados durante a madrugada no Brasil. Ao que tudo indica, a desaceleração da atividade por lá deve reduzir a demanda por petróleo — e as cotações seguem em queda. 

Por volta das 9h30, o barril do Brent — utilizado como referência internacional — registrava recuo de 5,11%, negociado a US$ 93,13. Essa é a menor cotação para a commodity em mais de seis meses. 

Desde as máximas em março deste ano, o barril de petróleo Brent já recuou cerca de 26% com a perspectiva de desaceleração — e, possivelmente, recessão — global.

Vale relembrar que os preços do petróleo dispararam após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, o que sustentou uma alta generalizada de combustíveis em todo mundo. No Brasil, o alívio das cotações deve gerar uma descompressão da gasolina e derivados. 

China com o pé no freio: menor demanda por petróleo

De acordo com o Dow Jones Newswires, a produção industrial da China aumentou 3,8% em relação ao ano anterior, ligeiramente abaixo do aumento de 3,9% em junho, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês).

Mas a leitura ficou aquém do crescimento de 4,5% esperado pelos economistas consultados pelo The Wall Street Journal.

Do mesmo modo, as vendas no varejo — uma das métricas principais para o consumo — cresceram 2,7% em relação ao ano anterior em julho, abaixo da expansão de 3,1% de junho e do aumento de 5% esperado pelos economistas pesquisados.

Corte de juros inesperado

Para estimular a atividade econômica — fortemente afetada pela política de “covid zero” de Pequim —, o Banco Central do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) cortou as principais taxas de juros no país.

A notícia pegou os mercados de surpresa na manhã desta segunda-feira (15), tendo em vista que o PBoC vinha mantendo uma postura neutra frente a alta de preços internacional.

Além do corte nos juros, o banco central chinês ainda injetou liquidez de 400 bilhões de yuans (cerca de US$ 59,3 bilhões) por meio do MLF (“Medium-Term Lending”, ou empréstimo de médio prazo, na tradução em inglês) de um ano e 2 bilhões de yuans por meio de recompras reversas de sete dias.

O reflexo disso na economia global — e no petróleo

Os sinais mistos da China abriram espaço para uma queda acentuada do petróleo, o que deve refletir nas ações do setor aqui na bolsa brasileira. 

Mas quem deve se beneficiar dessa queda é o consumidor. Há pouco menos de um mês, um projeto de lei (PL) limitou o ICMS dos combustíveis ao teto de 17%, além de cortar outros impostos federais da gasolina, óleo diesel e telecomunicações

Somado a esse movimento, as cotações do petróleo também vem caindo diante da perspectiva de desaceleração global da economia.

Nos EUA, por exemplo, a chamada “recessão técnica” — quando o PIB cai por dois trimestres seguidos — mantém os investidores com um pé atrás diante do risco de uma recessão real.

Uma forcinha na corrida eleitoral

A queda do preço dos combustíveis — que deve refletir em uma redução da inflação — pode ser um fator determinante para um novo capítulo das eleições. 

O atual presidente da República e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), pode se beneficiar de novos cortes nos preços dos combustíveis.

O chefe do Planalto vive uma crise de popularidade e permanece em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, atrás do seu principal opositor, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Assim, com o Auxílio Brasil e uma possível queda nos combustíveis, analistas políticos entendem que Bolsonaro pode ampliar sua base e levar a eleição para o segundo turno.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Conteúdo Empiricus

Enquanto varejistas famosas como MGLU3 caem 30% no ano, ‘ação da Gisele Bündchen’ sobe 10% e pode valorizar mais 50%

28 de setembro de 2022 - 10:05

Varejista é a maior da América Latina dentro do seu segmento

UM GANCHO DE ESQUERDA

Com Bancos Centrais de olho no bitcoin (BTC), maior criptomoeda do mundo cai 6% antes de falas de Jerome Powell hoje; entenda

28 de setembro de 2022 - 9:53

Entenda por que você deveria acompanhar as falas de Jerome Powell, Christine Lagarde e outros presidentes de BCs do mundo

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: O terror sem fim das bolsas internacionais

28 de setembro de 2022 - 9:32

Bolsas globais caem para o patamar mais baixo em dois anos, refletindo as taxas de juros mais elevadas, que intensificaram os temores de uma recessão global

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa abre em leve queda e acompanha maior cautela do exterior; dólar fica instável

28 de setembro de 2022 - 9:04

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam em tom negativo nesta quarta-feira (28). Os investidores seguem com maior cautela com a expectativa de recessão global no radar. Nos EUA, os discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed), dentre eles o do presidente Jerome Powell, devem continuar influenciando as bolsas americanas. Com a agenda esvaziada no […]

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O efeito do abraço de urso: a volta dos IPOs na B3, dividendos milionários, inverno cripto e outras notícias que mexem com seus investimentos

28 de setembro de 2022 - 8:17

A sucessão de baixas dos ativos de risco nos mercados financeiros levou os investidores a uma caça às pechinchas — e cada vez mais analistas consideram que é hora de ir às compras nas bolsas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies