Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-25T23:06:48-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Reverteu prejuízo

Vale termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões e aprova dividendos

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior e aprovou distribuição de dividendos, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

25 de fevereiro de 2021
22:36 - atualizado às 23:06
Celular mostra tela com logo da mineradora Vale
Imagem: Shutterstock

A Vale reportou lucro líquido de US$ 739 milhões (R$ 4,8 bilhões) no quarto trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de US$ 1,6 bilhão (R$ 6,4 bilhões) do mesmo período do ano anterior. O resultado trimestral veio bem abaixo da média das projeções dos analistas segundo a Bloomberg, que era de US$ 4,7 bilhões.

O lucro da Vale no quarto trimestre foi, ainda, quase US$ 2,2 bilhões inferior ao lucro do terceiro trimestre. A companhia atribui a queda às maiores despesas com as reparações pelo desastre de Brumadinho, além de encargos com impairment (registro contábil de deterioração de ativos), principalmente relacionados a ativos de carvão e níquel.

Esses efeitos foram parcialmente compensados pelo maior Ebitda ajustado proforma (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização que exclui despesas relacionadas a Brumadinho e as doações relacionadas à pandemia de covid-19), no valor de US$ 9,1 bilhões, além dos melhores resultados financeiros.

A receita líquida de vendas no período totalizou US$ 14,8 bilhões (R$ 78,9 bilhões), alta de 48,2% em relação ao quarto trimestre de 2019. A cifra veio acima do consenso de mercado, de US$ 12,7 bilhões.

Já o Ebitda ajustado foi de US$ 4,2 bilhões (R$ 23,5 bilhões), alta de 19,9% na comparação anual e também inferior à média das estimativas do mercado, de US$ 7,8 bilhões. A margem Ebitda de 29% foi inferior à de 35% reportada no quarto trimestre de 2019.

Segundo a companhia, o Ebitda foi impulsionado principalmente pelo forte desempenho do negócio de minerais ferrosos, devido ao aumento de 17% nos preços e 26% no volume de vendas; pelos maiores preços do níquel e do cobre; e pelos maiores créditos de subprodutos de níquel.

Esses efeitos foram parcialmente compensados por maiores custos e despesas com minerais ferrosos. No trimestre, houve ainda uma despesa de US$ 4,863 bilhões relacionada a doações de Brumadinho e covid-19.

Os investimentos totalizaram US$ 1,44 bilhões, superando os US$ 549 milhões do terceiro trimestre. A Vale espera investir US$ 5,8 bilhões em 2021, 31% a mais que os US$ 4,4 bilhões investidos em 2020.

A companhia ainda sofre os efeitos da tragédia de Brumadinho, tendo fechado com as autoridades, em fevereiro deste ano, um acordo de reparação no valor de cerca de R$ 37,7 bilhões. Seu impacto no resultado do quarto trimestre teve valor de R$ 19,9 bilhões (US$ 3,9 bilhões).

Resultado no ano

No ano de 2020, o lucro líquido da Vale totalizou US$ 4,9 bilhões (R$ 24,9 bilhões), ante um prejuízo de US$ 1,7 bilhão (R$ 8,7 bilhões) em 2019, quando fechou no vermelho em decorrência dos gastos com a tragédia de Brumadinho.

Já a receita líquida de vendas somou US$ 40 bilhões (R$ 208,5 bilhões), 7% a mais que em 2019. O Ebitda ajustado, por sua vez, somou US$ 16,6 bilhões (R$ 87,3 bilhões), alta de 57% em relação aos US$ 10,6 bilhões (R$ 42,3 bilhões) de 2019.

Os resultados anuais da Vale foram beneficiados pelo efeito positivo da desvalorização do real ante o dólar em 30,7% no ano, dado que a receita da companhia é em dólar, e pela alta de 23% nos preços de venda do minério de ferro.

Posição de caixa e endividamento

A mineradora terminou o ano com US$ 14,3 bilhões em caixa, superior à sua dívida bruta de US$ 13,4 bilhões, totalizando um caixa líquido de US$ 898 milhões. No final de 2019, a Vale tinha uma dívida líquida de US$ 4,88 bilhões.

Assim, o endividamento medido pela relação entre dívida bruta e Ebitda ajustado caiu de 1,2 vez no fim de 2019 para 0,8 vez no fim de 2020. Já a relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado caiu de 0,5 vez no fim de 2019 para -0,1 vez no fim de 2020.

O prazo médio da dívida caiu, nesse período de 8,6 anos para 8,4 anos, e o custo médio é de 4,5% ao ano.

A dívida líquida expandida, que agora é composta exclusivamente por outras obrigações e compromissos relevantes da Vale, caiu de US$ 17,8 bilhões no final de 2019 para US$ 13,3 bilhões no fim de 2020.

Dividendos aprovados

O Conselho de Administração da Vale aprovou a distribuição de R$ 4,26 por ação (aproximadamente US$ 0,77 por ADR) em dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) referentes ao desempenho da companhia no segundo semestre de 2020.

O pagamento será feito no dia 15 de março para investidores que tiverem posição acionária na Vale na B3 no dia 4 de março de 2021 e para aqueles que detiverem ADRs da companhia na bolsa de Nova York no dia 8 de março.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

efeito pandemia

Sem peças importadas, indústria busca produção local, mas esbarra em custo

Escassez de produtos como máscaras e respiradores, que marcou o início da pandemia, depois se estendeu a semicondutores, insumos e autopeças e se agravou com o aumento dos preços

é possível, sim

O segredo para ser feliz no trabalho, segundo esta especialista

Beverly Jones, autora do “Find Your Happy at Work”, arriscou algumas respostas em entrevista recente e falou sobre desconforto, networking e tédio; veja abaixo

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies