💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2021-02-04T11:33:43-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
justiça

Vale fecha acordo em MG e pagará R$ 37,7 bilhões em reparações por Brumadinho

Montante, a ser utilizado em ações socioeconômicas e ambientais, é considerado positivo por analistas

4 de fevereiro de 2021
11:33
Tragédia em Brumadinho
Pessoas visitam escombros de casas na região de Tejuco, em Brumadinho, Minas Gerais. - Imagem: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

Depois de anos de negociações, com idas e vindas, a Vale (VALE3) fechou um acordo com as autoridades de Minas Gerais referente às reparações dos danos ambientais e sociais provocados pelo rompimento da barragem B-1, em Brumadinho, ocorrido em janeiro de 2019 e que resultou na morte de 259 pessoas, sendo que 11 permanecem desaparecidas.

O acordo, firmado com o estado de Minas Gerais, a Defensoria Pública e os Ministérios Públicos Federal e de Minas Gerais, prevê um gasto total de R$ 37,7 bilhões em projetos de reparação socioeconômica e socioambiental.

A notícia era aguardada desde quarta-feira (3), quando o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), e o procurador-geral de Justiça do estado, Jarbas Soares, informaram que um acerto estava próximo.

A Vale estima que, com base nos fluxos de desembolso preliminares, o acordo resultará em uma despesa adicional de, aproximadamente, R$ 19,8 bilhões, que será reconhecida no resultado de 2020.

Deste total, R$ 5,4 bilhões serão quitados mediante a liberação de depósitos judiciais e R$ 14,4 bilhões serão acrescidos no passivo associado à reparação socioeconômica e socioambiental de Brumadinho

“A Vale está determinada a reparar integralmente e compensar os danos causados pela tragédia de Brumadinho e a contribuir, cada vez mais, para a melhoria e o desenvolvimento das comunidades em que atuamos. Confiamos que este acordo global é um passo importante nessa direção. Sabemos que temos um caminho a percorrer e seguimos firmes nesse propósito, alinhado com nosso Novo Pacto com a Sociedade”, afirma, em nota, o diretor-presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo.

O que o acordo prevê?

O acerto firmado pela Vale prevê ações em duas frentes – socioeconômica e socioambiental.

Na parte socioeconômica, ele engloba:

  • projetos de demanda das comunidades atingidas;
  • programa de transferência de renda à população atingida, em substituição ao atual pagamento de auxílio emergencial;
  • projetos para Brumadinho e para os demais municípios da Bacia do Paraopeba e;
  • recursos para execução, pelo governo de Minas Gerais, do Programa de Mobilidade Urbana e do Programa de Fortalecimento do Serviço Público.

O aspecto socioambiental do acordo estabelece as diretrizes e governança para execução, pela Vale, do Plano de Reparação, e projetos a serem implementados para a compensação dos danos ambientais e projetos destinados à segurança hídrica da região impactada.

Ficaram de fora do acordo indenizações por danos individuais. Para estes, a Vale disse que “reforça o seu compromisso na reparação justa, célere e equânime mediante a celebração de acordos individuais com base no Termo de Compromisso celebrado com a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais em 5 de abril de 2019”.

Segundo a companhia, mais de 8,9 mil pessoas já fazem parte de acordos para indenização civil ou trabalhista, que somam mais de R$ 2,4 bilhões. E mais de 100 mil pessoas também receberam, desde 2019, pagamentos de auxílio emergencial que alcançam R$ 1,8 bilhão.

O que os analistas acharam?

O montante de R$ 37,7 bilhões firmado pela Vale com as autoridades veio dentro do intervalo de valores que os analistas da XP Investimentos consideravam aceitável para a mineradora, de R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões.

Para Ilan Arbetman, analista de Research da Ativa Investimentos, o bom nível de endividamento da Vale – a dívida líquida expandida, que considera provisões para os casos Brumadinho e Samarco, somou US$ 14,4 bilhões ao final do terceiro trimestre  – permite a companhia dos valores não provisionados sem maiores complicações.

“Classificamos o acordo positivo para a companhia, que volta a reunir forças de forma uníssona a sua retomada operacional”, diz ele, em nota.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

PALAVRA DO TRADER

Enxergando o mercado sob a ótica dos traders profissionais e como eles interpretam as notícias

7 de dezembro de 2022 - 6:19

Como trader, seu objetivo é operar como os profissionais. Para isso você tem que olhar o mercado de forma objetiva e direta, sem distorções

LOTERIAS

Lotofácil faz novo milionário; Mega Sena sorteia R$ 115 milhões hoje

7 de dezembro de 2022 - 5:57

O bilhete premiado do concurso 2681 da Lotofácil dá direito a pouco mais de R$ 1,3 milhão; Mega Sena está acumulada há oito sorteios.

TÁ ESCRITO

Klabin (KLBN11) aprova investimento de até R$ 183 milhões e abre outra porta para um mercado bilionário; saiba qual

6 de dezembro de 2022 - 20:14

Com o aporte, a empresa dá passo para entrar em um segmento estimado em mais de US$ 20 bilhões e que tem alta taxa de crescimento esperada para os próximos anos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

PEC da Transição é aprovada, a nova queda do petróleo e o dia das criptomoedas; confira os destaques do dia

6 de dezembro de 2022 - 19:41

Na reta final do pregão — que foi de forte volatilidade devido à aversão ao risco que predominou em Wall Street —, o Ibovespa ganhou fôlego para fechar o dia em alta de 0,72%, aos 110.188 pontos. Isso porque a PEC da Transição, enfim, deslanchou e superou o seu primeiro desafio: a Comissão de Constituição […]

FECHAMENTO DO DIA

Senado dá sinal verde para PEC da Transição R$ 30 bi menor e Ibovespa sobe, contrariando NY; dólar recua

6 de dezembro de 2022 - 19:18

A forte queda do petróleo e a nova queda de 2% do Nasdaq, em Nova York, não impediram a alta do Ibovespa e nem o alívio no câmbio. O dólar à vista encerrou o dia em queda de 0,25%, a R$ 5,2697

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies