Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-28T17:06:19-03:00
Carolina Gama
GRANA CURTA

Vilões da inflação: alimentos e combustíveis são os itens que mais pesam no bolso do brasileiro, diz pesquisa

Serviços de saúde, remédios e juros do cartão de crédito também são associados à disparada de preços no levantamento Radar Febraban, feito pela Federação Brasileira de Bancos

28 de dezembro de 2021
17:06
Um carrinho de mercado cheio de compras está em cima de uma seta vermelha apontando para cima
A alta dos preços já é sentida em diversos setores da economia brasileira - Imagem: Freepik

Se você foi ao supermercado fazer compras este ano e notou que os preços subiram muito, você não está sozinho: 69% dos entrevistados no Radar Febraban, pesquisa feita pela Federação Brasileira de Bancos, apontaram o consumo de alimentos e de outros produtos do abastecimento doméstico como os itens que sofreram o maior impacto da inflação no final de 2021.

Esse percentual é ainda maior quando considerados faixa etária e grau de escolaridade: 74% dos brasileiros com idade entre 25 e 44 anos atribuíram aos alimentos e outros produtos do abastecimento doméstico o maior impacto da aceleração da inflação - bem próximo dos 73% dos brasileiros com nível superior. 

Combustível e saúde 

E não foram só os alimentos os responsáveis por essa percepção. Quem anda de carro ou moto também sentiu no bolso o rombo feito pelo aumento dos combustíveis.

O Radar Febraban indica que 42% dos entrevistados apontam que o principal impacto da inflação é no preço do combustível. Entre as pessoas com nível superior e entre aquelas com renda acima de cinco salários mínimos, esse número sobe para 53% em ambos os casos. 

Outros 19% consideram que a inflação impacta, sobretudo, o pagamento de serviços de saúde e remédios - dado que atinge 28% entre os brasileiros com mais de 60 anos. 

Outros itens associados à inflação

Outros itens associados ao impacto da inflação na vida das pessoas obtiveram percentuais inferiores a 10%, ainda de acordo com a pesquisa. 

São eles: juros do cartão de crédito (8%); passagem de transporte público (6%); pagamento da escola, faculdade ou outros serviços de educação (5%); compra de veículos e imóveis (4%); compra de móveis e eletrodomésticos (2%); planos de viagem (1%). 

O Radar Febraban ouviu 3 mil brasileiros com 18 anos ou mais em todas as cinco regiões do País entre os dias 19 e 27 de novembro deste ano. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95,5%. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

TECHS SOFREM

Por que a alta dos juros nos EUA derruba as ações de Locaweb (LWSA3) e Inter (BIDI11) na B3?

O movimento com as ações ligadas ao setor de tecnologia na B3 ocorre desde o início do ano. Os papéis da Locaweb, por exemplo, acumulam queda de 40% apenas nos primeiros dias de 2022

FOLLOW ON

BRF definirá dia 1º preço da ação no follow on, que pode girar cerca de R$ 8 bi

A operação pode abrir o caminho para a Marfrig assumir o controle da BRF

Fatia maior

Gestora Alaska aumenta participação na Cogna (COGN3) para mais de 15%, e ação dispara

Papel tem uma das maiores altas do Ibovespa depois que gestora de Henrique Bredda e Luiz Alves Paes de Barros informou ter adquirido mais ações na companhia de educação

O PLAYSTATION QUE SE CUIDE

Em guerra pelo metaverso, Microsoft compra fabricante do ‘Call of Duty’ e do ‘Candy Crush’ por R$ 380 bilhões

Aquisição da Activision Blizzard pela empresa fundada por Bill Gates é a maior da história do setor de games

BITCOIN (BTC) HOJE

‘Freakconomics’ 2.0: atentado nos Emirados Árabes faz bitcoin (BTC) cair; entenda o que mais movimenta as criptomoedas hoje

Avanço do petróleo, valorização dos Treasuries, queda das bolsas e pressão no bitcoin: tudo está conectado ao atentado de hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies