O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-12-16T16:43:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
BCs desalinhados?

Na corrida contra a inflação, Fed pisou no acelerador, mas a mudança não afeta o ritmo brasileiro — é o que diz o presidente do Banco Central

Campos Neto relembrou que parte dos BCs, incluindo o Fed, tinha premissa de que a inflação era uma questão transitória, com causas ligadas à oferta

16 de dezembro de 2021
16:42 - atualizado às 16:43
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto fala à imprensa no Palácio do Planalto
Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil Local: Brasília-DF

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira (16), que a mudança de posicionamento de política monetária do Federal Reserve (Fed) não afetará a estratégia do órgão brasileiro para os próximos meses.

O banco central dos Estados Unidos anunciou ontem que irá pisar no acelerador e retirar mais rápido os estímulos fornecidos no auge da crise provocada pela pandemia de covid-19, em março do ano passado. O presidente da instituição, Jerome Powell, reconheceu que a inflação mais alta se espalhou amplamente pelos setores nos Estados Unidos.

Campos Neto, porém, lembrou que parte dos BCs, incluindo o Fed, tinha premissa de que a inflação era uma questão transitória, com causas ligadas à oferta.

Ele argumentou que, como já vinha defendendo há alguns meses, os números não corroboram a tese: "O Fed vem assumindo que a inflação é mais persistente e com componente de demanda", disse durante a coletiva sobre o Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Ajuste nas curvas

O presidente do BC brasileiro destacou que, após a decisão do Fed, as altas precificadas na curva de juros americana foram antecipadas, mas avaliou que a reação do mercado foi relativamente benigna.

"O BC saiu na frente, fez um movimento de ajuste de taxas, olhando muito que parte da inflação era mais persistente. Então, acho que não muda muito em termos do que vamos fazer. Mas depende de quão coordenado o ajuste de juros no mundo vai ser. O que é importante é se vamos ter um ajuste na renda fixa organizado ou não organizado e o que significa para fluxo para mercados emergentes e para o Brasil."

Campos Neto ainda repetiu que, na avaliação do BC, o aumento do prêmio de risco recente está relacionado, em parte, às questões fiscais no curto prazo, mas também a uma percepção do mercado de crescimento estrutural mais baixo, o que tem implicações para a trajetória das contas públicas.

Situação fiscal

O presidente do Banco Central esclareceu ainda que o cenário básico do Comitê de Política Monetária (Copom) não leva em consideração novas notícias que piorem a percepção sobre a situação fiscal. "Hipótese central que vemos é continuação de melhora no cenário da pandemia, nível de incerteza estável, com alguma melhora, mas em nível muito alto e ausência de questões que piorem fiscal."

Questionado se estava "isolado", Campos Neto disse que não se trata do BC estar sozinho ou não e que a autarquia não analisa nem critica a política fiscal, nem faz projeções. "O que é importante é o que os agentes entendem e como impacta o cenário macroeconômico.", comentou, repetindo que a percepção do mercado é de que houve desarranjo no arcabouço.

Ele também afirmou que o BC entende que parte da melhora fiscal se propaga para os próximos anos.

Inércia

O presidente do Banco Central disse que a autoridade monetária continua "investigando" a inércia da inflação de serviços. "Nós nos preocupamos em olhar bastante a diferenciação entre a parte de industriais e serviços.

Na última crise inflacionária, a parte de serviços estava muito mais alta e a parte de preços industriais muito mais baixa", afirmou.

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, acrescentou que os exercícios do BC indicam que inércia diminuiu um pouco com a pandemia. "Mas continuamos usando como base a mesma inércia do passado", completou.

Projeções e meta

Kanczuk reforçou que, considerando o balanço de riscos, a inflação para 2022 está acima da meta, o que demanda um período mais longo de taxa de juros mais elevada. "Não é dada deliberadamente a informação dessa taxa terminal."

No cenário básico, o BC estima que o IPCA - o índice oficial de inflação - vai terminar 2022 em 4,7%, mas a assimetria causada pelos questionamentos fiscais leva o comitê a ver o índice acima da meta. O teto do objetivo do ano que vem é 5,0%.

Kanczuk também acrescentou que, apesar da projeção para a inflação de 2024 estar abaixo da meta (em 2,6%, contra centro da meta de 3,0%), este ano não está no horizonte relevante do Copom, que inclui 2022 e 2023 com igual peso.

O diretor de Política Econômica também disse que o Copom está preocupado e olhando o risco de desancoragem no longo prazo e que não há conflito com o objetivo de atingir a meta no horizonte relevante.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies