🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
BCs desalinhados?

Na corrida contra a inflação, Fed pisou no acelerador, mas a mudança não afeta o ritmo brasileiro — é o que diz o presidente do Banco Central

Campos Neto relembrou que parte dos BCs, incluindo o Fed, tinha premissa de que a inflação era uma questão transitória, com causas ligadas à oferta

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
16 de dezembro de 2021
16:42 - atualizado às 16:43
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto fala à imprensa no Palácio do Planalto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (Marcello Casal Jr / Agência Brasil) - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira (16), que a mudança de posicionamento de política monetária do Federal Reserve (Fed) não afetará a estratégia do órgão brasileiro para os próximos meses.

O banco central dos Estados Unidos anunciou ontem que irá pisar no acelerador e retirar mais rápido os estímulos fornecidos no auge da crise provocada pela pandemia de covid-19, em março do ano passado. O presidente da instituição, Jerome Powell, reconheceu que a inflação mais alta se espalhou amplamente pelos setores nos Estados Unidos.

Campos Neto, porém, lembrou que parte dos BCs, incluindo o Fed, tinha premissa de que a inflação era uma questão transitória, com causas ligadas à oferta.

Ele argumentou que, como já vinha defendendo há alguns meses, os números não corroboram a tese: "O Fed vem assumindo que a inflação é mais persistente e com componente de demanda", disse durante a coletiva sobre o Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Ajuste nas curvas

O presidente do BC brasileiro destacou que, após a decisão do Fed, as altas precificadas na curva de juros americana foram antecipadas, mas avaliou que a reação do mercado foi relativamente benigna.

"O BC saiu na frente, fez um movimento de ajuste de taxas, olhando muito que parte da inflação era mais persistente. Então, acho que não muda muito em termos do que vamos fazer. Mas depende de quão coordenado o ajuste de juros no mundo vai ser. O que é importante é se vamos ter um ajuste na renda fixa organizado ou não organizado e o que significa para fluxo para mercados emergentes e para o Brasil."

Campos Neto ainda repetiu que, na avaliação do BC, o aumento do prêmio de risco recente está relacionado, em parte, às questões fiscais no curto prazo, mas também a uma percepção do mercado de crescimento estrutural mais baixo, o que tem implicações para a trajetória das contas públicas.

Situação fiscal

O presidente do Banco Central esclareceu ainda que o cenário básico do Comitê de Política Monetária (Copom) não leva em consideração novas notícias que piorem a percepção sobre a situação fiscal. "Hipótese central que vemos é continuação de melhora no cenário da pandemia, nível de incerteza estável, com alguma melhora, mas em nível muito alto e ausência de questões que piorem fiscal."

Questionado se estava "isolado", Campos Neto disse que não se trata do BC estar sozinho ou não e que a autarquia não analisa nem critica a política fiscal, nem faz projeções. "O que é importante é o que os agentes entendem e como impacta o cenário macroeconômico.", comentou, repetindo que a percepção do mercado é de que houve desarranjo no arcabouço.

Ele também afirmou que o BC entende que parte da melhora fiscal se propaga para os próximos anos.

Inércia

O presidente do Banco Central disse que a autoridade monetária continua "investigando" a inércia da inflação de serviços. "Nós nos preocupamos em olhar bastante a diferenciação entre a parte de industriais e serviços.

Na última crise inflacionária, a parte de serviços estava muito mais alta e a parte de preços industriais muito mais baixa", afirmou.

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, acrescentou que os exercícios do BC indicam que inércia diminuiu um pouco com a pandemia. "Mas continuamos usando como base a mesma inércia do passado", completou.

Projeções e meta

Kanczuk reforçou que, considerando o balanço de riscos, a inflação para 2022 está acima da meta, o que demanda um período mais longo de taxa de juros mais elevada. "Não é dada deliberadamente a informação dessa taxa terminal."

No cenário básico, o BC estima que o IPCA - o índice oficial de inflação - vai terminar 2022 em 4,7%, mas a assimetria causada pelos questionamentos fiscais leva o comitê a ver o índice acima da meta. O teto do objetivo do ano que vem é 5,0%.

Kanczuk também acrescentou que, apesar da projeção para a inflação de 2024 estar abaixo da meta (em 2,6%, contra centro da meta de 3,0%), este ano não está no horizonte relevante do Copom, que inclui 2022 e 2023 com igual peso.

O diretor de Política Econômica também disse que o Copom está preocupado e olhando o risco de desancoragem no longo prazo e que não há conflito com o objetivo de atingir a meta no horizonte relevante.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies