Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-20T12:21:06-03:00
Lucia Camargo Nunes
SEMPRE TEM JEITO

Cansado do aumento no preço da gasolina? Saiba como economizar com o combustível do seu carro

Conheça os principais métodos conhecidos para fazer o tanque render mais e assim gastar menos dinheiro com seu automóvel

22 de dezembro de 2021
6:00 - atualizado às 12:21
Mercedes-Benz-GLC200
Mercedes-Benz-GLC200 - Imagem: Divulgação

A disparada do preço dos combustíveis ligou um alerta sobre a forma como escolhemos e usamos o carro. Afinal, desde janeiro, o brasileiro viu o preço do litro da gasolina saltar cerca de 70%. 

Com a desvalorização cambial, tendência de alta na cotação do petróleo no mercado internacional e incertezas políticas que geram a instabilidade econômica, não há previsão de quando essa escalada de preços vai estabilizar.

Por isso, o critério “economia de combustível” encabeça entre os quesitos mais considerados na hora de escolher um carro.

Preço, segurança e consumo são os principais critérios de escolha

Uma recente pesquisa feita pela plataforma OLX indica que os itens que mais pesam na decisão da compra de um carro são: preço, segurança e consumo. 

Encher o tanque de um modelo compacto, por exemplo, que comporta 40 litros de combustível, dói no bolso. Uma paradinha no posto e lá se vão no mínimo R$ 280.

O que você precisa saber

Nesta reportagem, você vai descobrir como a forma correta de dirigir e usar o carro pode gerar benefícios para o bolso, principalmente a médio e longo prazos.

Também vamos te orientar sobre as medições de consumo e mostrar se vale a pena instalar um kit GNV (e suas sequelas).

Amanhã vamos dar dicas dos modelos mais econômicos no consumo de combustível, considerando as diversas opções de motor: flex ou só a gasolina, diesel e híbridos. Assine nossa newsletter para receber o alerta.

Entenda as medições

Primeiramente é importante colocar que os números de consumo divulgados pelas montadoras, atestados pelo Inmetro, o órgão oficial para esse tipo de medição, são difíceis de serem alcançados pelo motorista comum.

Isso porque os dados são aferidos em simuladores de laboratório, sob condições ideais de temperatura, vento, carga, etc., sem ar-condicionado, e por profissionais preparados para isso. Ou seja, embora verdadeiros, não refletem a realidade, e sim o máximo que podem tirar de eficiência de um veículo.

Então para que servem? Essas medições servem para nos dar uma referência e até tentar atingi-las. Por elas, podemos comparar o consumo dos carros que escolhemos, monitorar a forma de dirigir ou se o carro apresenta algum problema. Uma alta de consumo pode representar uma anomalia em seu funcionamento. 

Flex: etanol ou gasolina?

Outro quesito que altera o consumo é o combustível escolhido. Se o carro for flex com etanol no tanque, o consumo será maior. Com gasolina, nota-se que o carro roda mais. Por isso há aquela regrinha de calcular qual vale mais a pena, conforme o preço. 

Quem tiver mais dificuldade de lembrar da conta, pode baixar aplicativos. Existem vários: para Android: Gasosa, Álcool ou Gasolina e Etanóis são gratuitos e fáceis de usar. No iOS, o Calculadora Gasolina Etanol é um bom app gratuito.   

Mas se não quiser instalar, siga esta dica fácil: 

Supondo que no posto, o litro da gasolina custa R$ 7 enquanto do etanol está por R$ 5,50. 

Divida o preço do etanol pelo da gasolina.

R$ 5,50 / R$ 7 = 0,78

Para o etanol compensar precisaria estar abaixo de 0,70. 

Ou seja, neste caso a gasolina está mais vantajosa.

Quanto seu carro, de fato, consome

Ter ciência do consumo do veículo é importante antes de comprá-lo (pelos dados do Inmetro) e durante o uso. E saber medir é fundamental. Uma das formas, se for um carro mais moderno e equipado, é pelo computador de bordo.

As montadoras garantem que essa informação é precisa. Mas na ausência desse dado ou se quiser aferir por conta própria, o procedimento é relativamente simples.

Se o carro for flex, ideal fazer duas medições. Com o tanque praticamente zerado, escolha um dos combustíveis, encha o tanque e zere o hodômetro parcial.

Rode pelo menos 150 km na cidade e encha o tanque de novo com o mesmo combustível (vá até o clique da bomba). Anote quantos litros entraram. Pegue a quilometragem e divida pela quantidade de litros e assim você acha o consumo.

Repita com o segundo tipo de combustível. E se quiser saber sobre o consumo na estrada, refaça todo o procedimento em percurso rodoviário com caminho livre.

Consumo alto: o que pode estar errado

Escolhido o melhor combustível e sabendo seu consumo, se a diferença para os números do Inmetro for gritante, algo pode estar errado com o carro ou com o motorista.

Descartada uma anomalia mecânica, vamos ao fator humano. Uma das formas de entender o consumo e melhorar os índices é avaliar a forma de dirigir e usar o carro.

Começando pelos cuidados com o automóvel, os mais comuns são: calibrar pneus, tirar peso morto (objetos que não se usa e ficam dentro do carro ou porta-malas), deixá-lo na sombra para não ter de abusar do ar-condicionado e fazer a manutenção preventiva são hábitos saudáveis para o bolso.

Mas muito do alto consumo tem a ver também com o jeito de dirigir. Por exemplo, em vez de arrancar no semáforo, acelere o carro de forma gradativa e suave. Outra boa conduta é trocar as marchas mantendo os giros do motor, sem pisar fundo no acelerador.

Na estrada, rodar sem pressa, a 90 km/h (e não a 110 km/h), pode fazer bastante diferença. Nessa condição, use o ar-condicionado, porque deixar vidros abertos piora a aerodinâmica e o consumo.

Seguindo essas simples dicas, certamente o consumo vai melhorar. E mesmo que ache pouco, faça as contas e cheque a economia que isso lhe trará em um ano de uso.

E esse tal de GNV?

Estudos indicam que o veículo movido a GNV chega a ser 55% mais econômico do que o abastecido com gasolina, e é menos poluente do que etanol e gasolina. No entanto, a perda de potência gira em torno de 10 a 20%.

Outra desvantagem do GNV é o maior desgaste de alguns componentes do motor, devido à falta de lubrificação das válvulas, pois os cilindros trabalham com um combustível seco.

A economia precisa ser calculada, porque a conversão requer um investimento. Para rodar com gás natural é preciso instalar o kit GNV, cujo preço vai de R$ 3.500 a R$ 5 mil.

Além disso, incluir cilindros (que vão ocupar o porta-malas e por isso variam de tamanho), fazer a primeira vistoria (entre R$ 350 e R$ 700) e depois a inspeção obrigatória anual (por volta de R$ 200). 

Por fim, quem vai circular com GNV precisa rodar bastante, pelo menos 100 km por dia, para compensar a aplicação inicial e ter um retorno mais rápido. 

7 dicas para você gastar menos combustível

  • Calibrar pneu é fundamental: muitos motoristas esquecem, mas a cada 15 dias é preciso verificar sua pressão, de preferência com o carro mais frio;
  • Às vezes você se assusta com coisas guardadas no porta-malas? O peso morto interfere no consumo. Deixe o carro com o mínimo indispensável;
  • A forma de dirigir pode fazer toda a diferença. Por exemplo, nas arrancadas. Se quiser gastar menos ao abastecer, fica a dica: acelere gradativamente e de forma suave, como se equilibrasse algo no capô do carro e qualquer movimento brusco o derrubaria;
  • Troque as marchas na rotação correta, mantendo os giros do motor. A direção “esportiva” não combina com economia: frenagens bruscas e pisar fundo no acelerador consomem muito mais combustível. Para evitar o uso do ponto morto, que é perigoso, deixe o carro engatado na marcha mais alta mesmo se não acelerar;
  • No calor, nem vidros abertos nem ar-condicionado no máximo. Se puder deixar o carro em local coberto vai precisar menos da climatização. Se ligar o ar for inevitável, aproveite bem todas as entradas de ar e tente não baixar tanto a temperatura. Na estrada, não adianta abrir os vidros para economizar com o ar-condicionado. Isso aumenta a resistência do ar – arrasto aerodinâmico – e faz o carro “beber” mais combustível. Use o ar com moderação;
  • Rodar sem pressa na estrada é outro gerador de economia. A 110 km/h, o veículo consome 25% mais combustível do que a 90 km/h. Por isso, usar o piloto automático em longos trechos de estrada ajuda o motorista a manter velocidade constante;
  • Manutenção preventiva ajuda bastante a evitar alta de consumo. Por isso é indicado trocar filtros de óleo, ar e combustível e checar velas. Não se esqueça de fazer o alinhamento das rodas.

Aprenda a medir consumo em 7 passos

  • Se seu carro for flex, deixe o tanque na reserva e então abasteça só com gasolina e até o automático da bomba;
  • Zere o hodômetro parcial (se não tiver, anote a quilometragem);
  • Faça percursos apenas na cidade ou estrada, separadamente, e use o carro como é de seu costume, com o ar-condicionado acionado e pneus calibrados, por exemplo;
  • Rode cerca de 150 km e reabasteça com gasolina novamente, até o automático;
  • Anote quantos litros foram necessários nesse reabastecimento;
  • A conta é simples: divida a quilometragem percorrida pela quantidade de litros. Por exemplo: você rodou 150 km em percursos urbanos e reabasteceu com 20 litros. Seu consumo na cidade com gasolina é de 7,5 km/l;
  • Faça a mesma coisa com gasolina na estrada e etanol na cidade e estrada.

Veja se vale ou não a pena ter GNV

  • O preço médio do kit fica entre R$ 3.500 e R$ 5 mil e qualquer carro pode utilizá-lo;
  • A conversão só deve ser feita em oficina credenciada pelo Inmetro;
  • Considere quantos cilindros vai usar e quanto perderá de espaço se ele for para o porta-malas; se ficar sob o bagageiro, estará mais exposto, embora seja resistente a impactos;
  • Se o carro estiver na garantia, verifique se há objeção da montadora sobre a instalação (ou perda de garantia);
  • Cheque o preço da vistoria: de R$ 350 a R$ 700 (varia conforme o tipo de veículo e é mais caro no caso de retirar o kit de um carro e colocar em outro);
  • Todo ano, o veículo com kit GNV precisa passar por inspeção, na qual também são checados pneus, rodas, lâmpadas, freios, direção, eixos, amortecedores e suspensão, entre outros, que precisam estar em ótimo estado. O custo da inspeção gira em torno de R$ 200;
  • A cada 5 anos, os cilindros precisam passar por testes;
  • Especialistas sugerem usar um tanque de combustível líquido por semana para reduzir os desgastes;
  • O carro pode perder até 20% da potência com o GNV;
  • O retorno do investimento depende do uso.

Numa conta rápida, quem roda:

  • 15 km por dia levará 2 anos e meio para valer a pena o investimento inicial
  • 35 km por dia = 1 ano e meio 
  • 90 km por dia = 6 meses 
  • 160 km por dia = 3 meses 

Ou seja, precisa rodar bastante e torcer para que o preço do m³ do GNV se mantenha vantajoso.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

EXILE ON WALL STREET

Tirando a poeira do tabuleiro de war: é bom ter ações de petroleiras com o preço do petróleo em disparada?

Com os preços de petróleo, tanto do tipo Brent quanto do WTI, atingindo os maiores níveis desde 2014, a ideia de um barril a US$ 100 não parece mais tão distante assim

Mercados Hoje

Ibovespa abre em alta de mais de 1% puxado pelo exterior positivo, e dólar recua a uma semana da reunião do Federal Reserve

Commodities permanecem no radar: minério de ferro avançou na China durante a madrugada, e agentes de mercado já apostam numa alta do petróleo até US$ 100 neste ano

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança próximo da estabilidade e dólar cai de olho no exterior positivo e nos balanços dos bancos de hoje

As commodities permanecem em rota de valorização, com o petróleo e o minério de ferro em destaque hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Um guia com 51 investimentos para 2022, a queda das ações tech na B3, Binance e outros destaques do dia

Confira os investimentos mais promissores do ano, além de uma análise completa dos riscos e oportunidades nas principais classes de ativos

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas buscam recuperação lá fora, de olho nos balanços do dia e Ibovespa foca no cenário doméstico

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem até sexta-feira (21) para decidir sobre o Orçamento e o reajuste dos servidores públicos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies