Menu
2021-05-28T10:18:00-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
levantando do chão

Bitcoin patina nos US$ 40 mil, mas 4 notícias podem virar o jogo para criptomoedas

Entre vaga de emprego na Apple e maior regulamentação nos EUA, o bitcoin deve reagir ao noticiário positivo

27 de maio de 2021
13:20 - atualizado às 10:18
bitcoin criptomoeda
Símbolo de bitcoin ao lado de maço de dólar - Imagem: Shutterstock

Depois de uma semana de sangria, o bitcoin (BTC) e o mercado de criptoativos voltaram a crescer. Com dificuldade, a principal criptomoeda do mercado mantém os US$ 40 mil nesta quinta-feira (27).

Com as preocupações crescentes quanto à mineração de bitcoin na China, que já começou a restringir a atividade na Mongólia Interior, a cotação da criptomoeda patina e não sai do lugar. Mas o noticiário pode virar o jogo para os criptoativos e trazer novo ânimo ao mercado.

Durante toda manhã, o bitcoin se manteve nos US$ 40 mil. Mas por volta das 13h, estava cotado em US$ 39.498,40, uma leve alta de 0,77%. No acumulado da semana, a queda ficou menor, recuando 0,46%. O fundo de índice, HASH11 reage bem à queda das últimas semanas, subindo 3,44%, aos R$ 39,98.

Confira os destaques para o dia de hoje:

Apple-coin?

A gigante de tecnologia Apple lançou uma vaga de emprego para o setor de pagamentos alternativos em que exige uma característica especial: experiência com criptomoedas. A descrição inclui “mais de cinco anos de experiência trabalhando com pagamentos alternativos, como carteiras digitais e criptomoeda, para se tornar um Gerente de Desenvolvimento de Negócios liderando as Parcerias de Pagamentos Alternativos da empresa”. 

Isso pode indicar que a empresa quer começar a se expor ao mercado de criptomoedas. O valor de mercado da Apple é de aproximadamente US$ 2,3 trilhões, e a adoção do bitcoin e outros criptoativos por empresas de grande porte tende a impulsionar o preço das criptomoedas.

BlackRock olha para cripto

O CEO da BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, Larry Fink, afirmou que está estudando criptomoedas como o bitcoin para determinar qual ativo é mais “anticíclico”. Assim como outras instituições financeiras, a empresa também recebeu questionamentos dos seus investidores sobre essa nova classe de ativos. 

Em sua reunião com acionistas, ele afirmou que “a empresa monitorou a evolução dos ativos criptográficos” e que “estamos estudando o que isso significa, a infraestrutura, o cenário regulatório”. A BlackRock tem aproximadamente US$ 9 trilhões de ativos sob gestão, e Fink disse que a instituição trabalha com investimentos de longo prazo. Ele vê criptomoedas como um investimento parecido com o ouro. 

Colocando ordem

A SEC, a CVM americana, lançou um documento em que declara que pretende trabalhar junto com o Congresso para regulamentar atividades com criptomoedas. O recém-nomeado presidente da SEC, Gary Gensler, pretende aumentar a proteção para os investidores, preenchendo lacunas ainda não contempladas pela legislação dos EUA. 

Gensler também descreveu alguns dos desafios para regulamentar a indústria de criptomoedas, como recursos, por exemplo. “Nós gastamos apenas cerca de 16% ou 17% de nosso orçamento, cerca de US$ 325 milhões por ano, em tecnologia, o que é provavelmente menos do que algumas grandes empresas gastam em um mês. Alguns deles até gastam tanto em duas semanas ”, observou ele.

A palavra “regulação” pode soar destoante de uma notícia boa. Entretanto, especialistas do mercado afirmam que uma legislação que contemple todas as funcionalidades dos criptoativos pode atrair ainda mais investidores para esse mercado.

A cereja do bolo: Biden e os gastos públicos

A nova proposta de Orçamento Federal dos Estados Unidos pode dar fôlego às criptomoedas. Nesta sexta-feira (28), o presidente americano Joe Biden deve anunciar a maior política fiscal dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial, no valor de US$ 6 trilhões até o final de 2022, como foi publicado pelo The News York Times.

Isso deixaria os Estados Unidos com um significativo débito nas contas públicas. Historicamente, o bitcoin tende a se valorizar nesse cenário. 

Durante a pandemia de covid-19, os Bancos Centrais injetaram uma massa de dinheiro nas economias. Essa política de compra de ativos e estímulos ocorreu na mesma época em que o bitcoin valia pouco mais de US$ 3.800, em março de 2020. Desde então, o bitcoin acumula alta de 1.582%, mesmo com a queda recente.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies