🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
FAÇA VOCÊ MESMO

Apple (AAPL34) permite pela primeira vez que clientes consertem o próprio iPhone; entenda o novo serviço

Apesar da nova opção, a empresa diz que o reparo com um técnico certificado e peças originais ainda é a maneira mais segura e confiável para mexer num aparelho

Mão segura um iPhone com símbolo da maçã a Apple na tela
Imagem: Reprodução Flickr

Quem nunca deu uma olhadinha no YouTube para tentar consertar algo de maneira simples e rápida? Para os usuários de iPhone, os tutoriais saíram das telas e foram para a vida real. A partir desta quarta-feira (27), a Apple (AAPL34) passou a permitir que seus clientes consertem seus aparelhos no melhor estilo faça você mesmo. 

O programa, batizado de Self Service Repair, oferece manuais e mais de 200 peças e ferramentas que os clientes podem usar para fazer reparos no iPhone 12, iPhone 13 e iPhone SE de terceira geração. 

A Apple também disse que lançará consertos no modelo de autoatendimento para Mac ainda este ano.

Os clientes poderão consertar recursos como tela, bateria e câmera com as novas ferramentas. As peças custam o mesmo e são idênticas às que os fornecedores de reparos autorizados da Apple têm acesso.

Por enquanto, o programa foi lançado apenas nos EUA, mas se você se animou em consertar seu próprio iPhone, saiba que esse serviço vai se expandir para outros países ainda em 2022, começando pela Europa.

A Apple (AAPL34) cobra pelo novo programa?

Se o próprio consumidor vai realizar os reparos no iPhone, então o serviço é grátis, certo? Errado. Além das peças, a Apple (AAPL34) vai cobrar pelo uso de ferramentas. 

Os clientes podem alugar os utensílios para reparo por uma semana, por US$ 49, com frete grátis se preferirem não comprá-las imediatamente. Em alguns casos, os usuários também podem obter um crédito pela devolução de uma peça substituída para reciclagem.

Comparamos abaixo os valores cobrados nos EUA para pacotes dentro do programa Self Service Repair e os preços praticados pela própria Apple para reparar alguns problemas nos aparelhos:

ServiçoValor no programaValor pela Apple
Reparo de tela do iPhone 13 ProUS$ 269US$ 271
Reparo de bateriaUS$ 71US$ 69
Fonte: Apple

No entanto, os valores podem fazer mais sentido quando o crédito parcial devolvido entra nessa conta. Para a maioria dos reparos, a Apple convidará o cliente a devolver os componentes antigos, que serão reciclados. 

Os clientes recebem um crédito de reembolso parcial por fazer isso. Para um conserto de tela e bateria do iPhone 13 Pro, esse crédito vale cerca de US$ 33,60 e US$ 24,15, respectivamente — o que traria o custo efetivo total do reparo da bateria de autoatendimento para US$ 46,85, abaixo do preço que a Apple cobra nos EUA para fazer a manutenção.

Como participar do programa?

Para realizar um reparo de autoatendimento — disponível apenas nos EUA no momento —, a primeira coisa a fazer é ler o manual do produto correspondente. Esses guias são publicados gratuitamente nesta página.

Depois de ler o documento , visite o site de autoatendimento e encomende as peças necessárias. As compras de componentes estão vinculadas ao número IMEI do dispositivo que será consertado.

Assim que as peças chegarem, o cliente precisa ir até uma loja Self Service Repair, que é operada por uma empresa terceirizada e autenticada pela Apple para vender apenas equipamentos originais. 

Por que a Apple (AAPL34) resolveu adotar esse sistema?

A novidade da Apple (AAPL34) foi anunciada em novembro, depois que o movimento “direito de reparar” pressionou os reguladores dos EUA a dar aos consumidores mais controle sobre seus produtos.

Defensores do direito de reparo argumentam que fabricantes como a Apple devem fornecer acesso mais amplo a peças e manuais, para que os clientes não fiquem presos a um conjunto selecionado de oficinas autorizadas. 

Agora, reguladores federais norte-americanos sob a direção do governo de Joe Biden estão avaliando o direito de reparar — e se deve haver novas regras para proteger os clientes.

Em um decreto, Biden orientou a Comissão Federal de Comércio a considerar regras para evitar “restrições anticompetitivas injustas sobre reparos por terceiros ou auto-reparo de itens”. 

Em julho, a agência votou por unanimidade para aumentar a aplicação das restrições de reparo.

A Apple, no entanto, alerta sobre problemas de segurança ou desempenho que podem surgir de peças de terceiros ou reparos não autorizados.

E, apesar de abrir o programa, a empresa informa que visitar um técnico certificado com peças genuínas da Apple ainda é a “maneira mais segura e confiável de obter um reparo” para a “grande maioria dos clientes que não têm experiência em consertar dispositivos eletrônicos”.

Compartilhe

LANÇAMENTO

Saiba tudo sobre o iPhone 14, novo lançamento da Apple — aparelho pode custar até R$ 15.499

7 de setembro de 2022 - 19:06

Fabricante americana apresentou novos modelos do iPhone 14 nesta quarta-feira (7), buscando atender reclamações dos usuários sobre bateria e fotos

iPhone incompleto

Brasil suspende vendas de iPhone na véspera de lançamento de novo modelo e aplica multa milionária à Apple. Entenda o caso

6 de setembro de 2022 - 10:40

Decisão vale para todos os modelos de iPhone, independentemente da geração. A Apple ainda pode recorrer

VOTOS DE FÉ CONTIDA

Medinho de recessão? Warren Buffett ignora temor global e aumenta apostas da Berkshire Hathaway em empresas dos EUA

16 de agosto de 2022 - 13:17

Apesar de ter desacelerado o ritmo de compras de ações no segundo trimestre, o Oráculo de Omaha investiu US$ 6,2 bilhões em companhias norte-americanas entre abril e junho de 2022

COLHEITA RUIM

Inflação dá uma mordida na maçã e Apple vê lucro cair 10,6% no trimestre, mas ações sobem — entenda por quê

28 de julho de 2022 - 17:44

No trimestre passado, Tim Cook, o CEO da Apple, alertou que a fabricante de iPhones teria dificuldades em superar as restrições de fornecimento relacionadas à covid-19, com um impacto negativo sobre as vendas da ordem de US$ 4 bilhões a US$ 8 bilhões entre abril e junho, mas previsão não se confirmou

ESTRADA DO FUTURO

Recompra de ações, reajuste de preços e novos produtos e serviços: o que está ao alcance da Apple para continuar dando retorno a seus acionistas

21 de julho de 2022 - 6:13

A parte mais complexa da equação está nos múltiplos da Apple em um momento no qual as empresas listadas em bolsa estão se tornando mais baratas

MAIS UM PROBLEMA PARA A MAÇÃ

Apple (AAPL34) é processada por negar acesso a tecnologia da Apple Pay e limitar concorrência em iPhone e outros dispositivos, diz agência

18 de julho de 2022 - 20:30

Na ação, os denunciantes alegam que consumidores que possuem dispositivos da marca são forçados a usarem apenas a Apple Pay para pagamentos contactless

VENTOS CONTRÁRIOS

iPhone sem bateria? Apple (AAPL34) aperta o cinto, congela contratações e anuncia corte de gastos; ações caem

18 de julho de 2022 - 16:51

A desaceleração econômica é o principal motivo para o corte de gastos da companhia; a Apple acompanha o movimento de outras big techs, como a Google e a Netflix

ESTRADA DO FUTURO

Como a Apple (AAPL34) pode revolucionar o mercado automobilístico mesmo sem fabricar um único carro

16 de junho de 2022 - 6:16

Reinvenção do CarPlay sugere início de uma nova era de produto com potencial de ganhar relevância nos resultados da Apple e mudar radicalmente a indústria automobilística

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

22 de maio de 2022 - 16:38

Esses pesos-pesados do mercado financeiro tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

BRIGA DE GIGANTES

Corrida das big techs: Google, Apple e Microsoft fizeram a Amazon (AMZO34) comer poeira?

3 de maio de 2022 - 17:58

Saiba como a gigante do comércio eletrônico dos EUA pode dar a volta por cima após um trimestre decepcionante com prejuízo bilionário

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies