Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Semana cheia tem balanços de gigantes, decisão do Fed e mais estímulos - Seu Dinheiro
Menu
2020-07-27T16:35:29-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
SD Premium

Os segredos da bolsa: semana cheia tem balanços de gigantes, decisão do Fed e mais estímulos

Temporada de balanços começa para valer, com Vale, Petrobras, Apple, Amazon e várias outras gigantes; mercado aguarda novo pacote de estímulos nos EUA

27 de julho de 2020
5:32 - atualizado às 16:35
Agenda segredo
Imagem: Shutterstock

Depois de uma semana relativamente esvaziada, local e externamente, os mercados entram na última semana de julho cheios de expectativa. Diversos acontecimentos políticos, macroeconômicos e corporativos devem ditar o tom das negociações.

Logo nesta segunda-feira (27) já devem ser divulgados os termos do novo pacote de estímulos trilionário do governo americano, que vinha sendo discutido na semana passada.

Entre os principais dados econômicos, teremos a divulgação de dados preliminares de Produto Interno Bruto (PIB) em vários países da Europa e nos Estados Unidos, além de decisão de juros pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano. Por aqui, saem os dados de emprego do Caged no país.

Finalmente, o calendário de balanços esquenta e temos os resultados mais importantes do mercado doméstico - Petrobras e Vale -, além de outros gigantes como Ambev, Santander, Bradesco e Usiminas. Lá fora, também serão divulgados resultados de companhias de peso, como Apple, Amazon, Alphabet (Google), Facebook, Boeing, Chevron e McDonald's.

O retorno do risco EUA vs. China

Os investidores começaram a semana passada entusiasmados com os avanços nas pesquisas para o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus, mais estímulos na Europa, e, no Brasil, também com a apresentação da proposta tributária do governo ao Congresso.

A agenda econômica e o calendário de balanços do segundo trimestre, porém, estavam um pouco vazios, não havendo gatilhos suficientes para impulsionar novas altas nas bolsas e uma descompressão maior no dólar.

Ao contrário, o clima azedou com a divulgação de dados econômicos negativos nos Estados Unidos e sobretudo com o ressurgimento de um novo fator de risco no radar dos investidores: as tensões entre EUA e China.

O clima entre as duas potências voltou a pesar quando o governo americano ordenou o fechamento do consulado chinês em Houston, Texas, alegando que o gigante asiático promove ações de espionagem comercial e militar nos EUA.

Os chineses retaliaram ordenando o fechamento do consulado americano em Chengdu, capital da província de Sichuan. Segundo o governo americano, as atividades do consulado foram suspensas oficialmente na manhã desta segunda-feira (hora local).

A preocupação dos investidores é de que a nova escalada nas tensões entre os dois países prejudique o acordo comercial firmado em janeiro, que chegou a ser minimizado pelo presidente Donald Trump.

Em um momento em que a pandemia de covid-19 ainda preocupa os mercados, tudo que os investidores menos precisam é de um retorno do clima de guerra comercial já visto no ano passado.

Como resultado, o Ibovespa recuou 0,49% na semana passada, aos 102.381,58 pontos. Já o dólar, que teve um momento inicial de descompressão e depois um ajuste para cima, ainda conseguiu fechar a semana com queda de 3,24%, a R$ 5,2060.

Nesta semana, vale a pena continuar de olho na relação entre EUA e China, pois pode ser que o conflito tenha desdobramentos que abalem os mercados. Uma escalada nas tensões pode ser negativa para os mercados.

Mais estímulos à vista

Hoje é dia de acompanhar também a divulgação dos termos do novo pacote de ajuda do governo americano para combater os efeitos da pandemia de covid-19 na economia, que deve incluir uma nova rodada de cheques de US$ 1.200 a serem pagos aos americanos em agosto.

A expectativa é que o novo pacote totalize US$ 1 trilhão, que vêm se somar aos US$ 3 trilhões das medidas já anunciadas. Uma nova rodada de estímulos governamentais tende a ser bem recebida pelos mercados.

O secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin, disse neste domingo que "o governo e os republicanos estão completamente na mesma página" quanto ao pacote, e também disse acreditar que a oposição democrata no Congresso deve chegar rapidamente a um consenso.

De olho na Petrobras e na Vale

O noticiário corporativo nesta semana promete, a começar por Petrobras e Vale, que divulgam seus resultados do segundo trimestre. Os números da mineradora saem na quarta-feira (29), enquanto que os da estatal petroleira são divulgados na quinta, dia 30, ambos após o fechamento do mercado.

Na semana passada, as prévias operacionais de ambas as empresas decepcionaram os investidores e pesaram nos preços das ações.

A Vale divulgou crescimento de 5,5% na produção de minério na comparação anual, para 67,6 milhões de toneladas, um pouco abaixo do consenso de mercado. Já a Petrobras divulgou uma queda de 3,5% na produção de óleo e gás natural em comparação ao primeiro trimestre.

Saída de Rubem Novaes do BB e disputa pela AES Tietê

Ainda no noticiário corporativo, duas histórias que devem ver desdobramentos nesta semana são a da sucessão da presidência do Banco do Brasil e a disputa entre a Eneva e a americana AES pela fatia do BNDES na AES Tietê.

Na sexta-feira (24) à noite, o BB comunicou a renúncia de Rubem Novaes da presidência do banco. O executivo deve deixar o cargo já em agosto. A instituição ainda não anunciou seu sucessor, o que pode ocorrer nesta semana.

Entre os favoritos estariam o presidente do conselho do banco, Hélio Magalhães, alguns vice-presidentes do BB e até mesmo o atual presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Quanto à história das empresas de energia, nesta segunda-feira o conselho do BNDES vai se reunir para deliberar sobre as ofertas para a aquisição das suas ações da AES Tietê.

O banco tem interesse em vender a sua participação de 28,41% no capital da companhia, pela qual tanto a Eneva quanto a AES Corp, controladora da AES Tietê, fizeram ofertas.

A AES Corp ofereceu R$ 17,15 por ação, pagos integralmente em dinheiro, mais a migração da Tietê do nível 2 de governança da B3 para o Novo Mercado; porém, só manifestou interessem em comprar metade das ações do BNDES.

Já a Eneva ofereceu R$ 18,88 por ação para toda a participação do BNDES, pagos parcialmente em dinheiro e parcialmente em troca de ações, estendendo a oferta aos demais acionistas, caso o banco de fomento a aceite.

Não se esqueça do coronavírus

A pandemia de covid-19, é claro, continua no radar dos investidores, que ainda se preocupam com uma eventual segunda onda em países onde a doença já foi controlada.

No fim de semana, houve notícias de repiques ou aumento de casos na Coreia do Sul, no Japão e no estado australiano de Victoria. Na Europa, o Reino Unido colocou a Espanha novamente na lista de países inseguros para se visitar após novo surto no país ibérico.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, a covid-19 já infectou 16,2 milhões de pessoas em todo o mundo, totalizando quase 649 mil mortes. Os Estados Unidos, epicentro global da doença, atingiu 4.234.020 infectados e 146.935 mortos. Já o Brasil teve, até agora, 2.419.091 infectados e 87.004 mortos.

Agenda da semana

Entre os dados locais mais importantes, temos os números do Caged, que apontarão a criação de vagas de emprego em junho.

  • Terça-feira (28): Transações correntes e Caged de junho.
  • Quarta-feira (29): PNAD Contínua mensal do trimestre terminado em junho.
  • Quinta-feira (30): IGP-M de julho e de 12 meses e resultado primário do governo central em junho.
  • Sexta-feira (31): resultado primário do setor público consolidado em junho.

No exterior, temos PIB de vários países da Europa e dos Estados Unidos, além de decisão de juros pelo Fed.

Na quarta-feira ocorre ainda uma audiência na Câmara dos Deputados americana com os CEOs das gigantes de tecnologia Amazon (Jeff Bezos), Apple (Tim Cook), Facebook (Mark Zuckerberg) e Google (Sundar Pinchai) para tratar do poder de mercado das companhias.

  • Segunda-feira (27)
    • Alemanha:
      • Índice de sentimento das empresas (Ifo) de julho.
    • EUA:
      • Encomendas de bens duráveis de junho.
  • Terça-feira (28)
    • Alemanha:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • EUA:
      • Índice de confiança do consumidor de julho.
  • Quarta-feira (29)
    • EUA:
      • Vendas pendentes de imóveis de junho.
      • Estoques de petróleo e derivados na semana (Departamento de Energia - DoE).
      • Decisão de política monetária do Fed.
      • Audiência na Câmara dos Deputados com CEOs das gigantes de tecnologia.
  • Quinta-feira (30)
    • Zona do euro:
      • Taxa de desemprego de junho.
    • EUA:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
      • Pedidos de auxílio-desemprego (semana até 18/07).
    • China:
      • Índices de gerentes de compras (PMIs) industrial e de serviços de julho.
  • Sexta-feira (31)
    • França:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Espanha:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Itália:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Zona do euro:
      • PIB do 2º trimestre.
      • Índice de preços ao consumidor (CPI).

Calendário de balanços

É nesta semana que o calendário de balanços do segundo trimestre no Brasil começa para valer. Lá fora também temos a divulgação dos números de empresas importantes.

Lembrando que o período de abril a junho foi aquele em que a pandemia mais causou impacto na atividade econômica do Ocidente. Assim, a expectativa é de forte queda nos resultados corporativos. O que vale monitorar é se foram pior ou "menos piores" do que o esperado.

Na semana passada, os números de companhias como WEG e Tesla animaram os investidores. Nesta semana, teremos:

Brasil

  • Segunda-feira (27): Carrefour (após o fechamento).
  • Terça-feira (28): Cielo, Minerva e Smiles (todas após o fechamento).
  • Quarta-feira (29): Localiza, Pão de Açúcar, EcoRodovias, Vale e Tim (todas depois do fechamento) e Santander (antes da abertura).
  • Quinta-feira (30): Ambev, Usiminas e Bradesco (as três antes da abertura); Engie, Fleury e Petrobras (as três depois do fechamento).
  • Sexta-feira (31): Gol (antes da abertura).

Exterior

  • Terça-feira (28): Peugeot, Carrefour, 3M, Pfizer, McDonald's e Visa.
  • Quarta-feira (29): Enel, Santander, Rio Tinto, Barclays, Deutsche Bank, General Electric, Boeing, General Motors e Facebook.
  • Quinta-feira (30): Vivendi, AstraZeneca, Casino, Credit Suisse, Lloyds, Anglo American, Volkswagen, Telefónica, ArcelorMittal, Procter & Gamble, Mastercard, Anheuser-Busch InBev, ConocoPhillips, Amazon, Apple, Alphabet, Ford, Gilead.
  • Sexta-feira (31): BNP Paribas, Air France KLM, ExxonMobil, Chevron e Caterpillar.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BDRs mais acessíveis

Investidor considera ter até 25% do patrimônio em BDRs de empresas estrangeiras, diz pesquisa da XP

Negociação dos BDRs, certificados de ações de empresas listadas em bolsas estrangeiras na B3, será liberada para qualquer investidor a partir de amanhã

Expectativa

Casa Branca mostra otimismo e prevê acordo por estímulo fiscal nas próximas 48h

As negociações entraram, em uma “nova fase” que discute impasses técnicos do pacote ainda em aberto.

fluxo cambiam

Saída de dólar supera entrada em US$ 19,753 bi no ano até 16 de outubro, diz BC

Depois de encerrar setembro com saídas líquidas de US$ 3,482 bilhões, o País registrou fluxo cambial negativo de US$ 1,056 bilhão em outubro até o dia 16

PODCAST TELA AZUL

Investindo com robôs e ajuda de inteligência artificial

Te convido a ouvir no Spotify um papo animal que eu tive com o Rodrigo Terni, da Giant Steps, a maioria gestora de fundos sistemáticos da América Latina.

Vai ter Renda Cidadã?

Maia propõe cronograma para votações

Segundo Maia, a crise “está muito mais perto, o prazo é curto e não se tomou a decisão até agora do que fazer”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies