Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Semana cheia tem balanços de gigantes, decisão do Fed e mais estímulos - Seu Dinheiro
Menu
2020-07-27T16:35:29-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
SD Premium

Os segredos da bolsa: semana cheia tem balanços de gigantes, decisão do Fed e mais estímulos

Temporada de balanços começa para valer, com Vale, Petrobras, Apple, Amazon e várias outras gigantes; mercado aguarda novo pacote de estímulos nos EUA

27 de julho de 2020
5:32 - atualizado às 16:35
Agenda segredo
Imagem: Shutterstock

Depois de uma semana relativamente esvaziada, local e externamente, os mercados entram na última semana de julho cheios de expectativa. Diversos acontecimentos políticos, macroeconômicos e corporativos devem ditar o tom das negociações.

Logo nesta segunda-feira (27) já devem ser divulgados os termos do novo pacote de estímulos trilionário do governo americano, que vinha sendo discutido na semana passada.

Entre os principais dados econômicos, teremos a divulgação de dados preliminares de Produto Interno Bruto (PIB) em vários países da Europa e nos Estados Unidos, além de decisão de juros pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano. Por aqui, saem os dados de emprego do Caged no país.

Finalmente, o calendário de balanços esquenta e temos os resultados mais importantes do mercado doméstico - Petrobras e Vale -, além de outros gigantes como Ambev, Santander, Bradesco e Usiminas. Lá fora, também serão divulgados resultados de companhias de peso, como Apple, Amazon, Alphabet (Google), Facebook, Boeing, Chevron e McDonald's.

O retorno do risco EUA vs. China

Os investidores começaram a semana passada entusiasmados com os avanços nas pesquisas para o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus, mais estímulos na Europa, e, no Brasil, também com a apresentação da proposta tributária do governo ao Congresso.

A agenda econômica e o calendário de balanços do segundo trimestre, porém, estavam um pouco vazios, não havendo gatilhos suficientes para impulsionar novas altas nas bolsas e uma descompressão maior no dólar.

Ao contrário, o clima azedou com a divulgação de dados econômicos negativos nos Estados Unidos e sobretudo com o ressurgimento de um novo fator de risco no radar dos investidores: as tensões entre EUA e China.

O clima entre as duas potências voltou a pesar quando o governo americano ordenou o fechamento do consulado chinês em Houston, Texas, alegando que o gigante asiático promove ações de espionagem comercial e militar nos EUA.

Os chineses retaliaram ordenando o fechamento do consulado americano em Chengdu, capital da província de Sichuan. Segundo o governo americano, as atividades do consulado foram suspensas oficialmente na manhã desta segunda-feira (hora local).

A preocupação dos investidores é de que a nova escalada nas tensões entre os dois países prejudique o acordo comercial firmado em janeiro, que chegou a ser minimizado pelo presidente Donald Trump.

Em um momento em que a pandemia de covid-19 ainda preocupa os mercados, tudo que os investidores menos precisam é de um retorno do clima de guerra comercial já visto no ano passado.

Como resultado, o Ibovespa recuou 0,49% na semana passada, aos 102.381,58 pontos. Já o dólar, que teve um momento inicial de descompressão e depois um ajuste para cima, ainda conseguiu fechar a semana com queda de 3,24%, a R$ 5,2060.

Nesta semana, vale a pena continuar de olho na relação entre EUA e China, pois pode ser que o conflito tenha desdobramentos que abalem os mercados. Uma escalada nas tensões pode ser negativa para os mercados.

Mais estímulos à vista

Hoje é dia de acompanhar também a divulgação dos termos do novo pacote de ajuda do governo americano para combater os efeitos da pandemia de covid-19 na economia, que deve incluir uma nova rodada de cheques de US$ 1.200 a serem pagos aos americanos em agosto.

A expectativa é que o novo pacote totalize US$ 1 trilhão, que vêm se somar aos US$ 3 trilhões das medidas já anunciadas. Uma nova rodada de estímulos governamentais tende a ser bem recebida pelos mercados.

O secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin, disse neste domingo que "o governo e os republicanos estão completamente na mesma página" quanto ao pacote, e também disse acreditar que a oposição democrata no Congresso deve chegar rapidamente a um consenso.

De olho na Petrobras e na Vale

O noticiário corporativo nesta semana promete, a começar por Petrobras e Vale, que divulgam seus resultados do segundo trimestre. Os números da mineradora saem na quarta-feira (29), enquanto que os da estatal petroleira são divulgados na quinta, dia 30, ambos após o fechamento do mercado.

Na semana passada, as prévias operacionais de ambas as empresas decepcionaram os investidores e pesaram nos preços das ações.

A Vale divulgou crescimento de 5,5% na produção de minério na comparação anual, para 67,6 milhões de toneladas, um pouco abaixo do consenso de mercado. Já a Petrobras divulgou uma queda de 3,5% na produção de óleo e gás natural em comparação ao primeiro trimestre.

Saída de Rubem Novaes do BB e disputa pela AES Tietê

Ainda no noticiário corporativo, duas histórias que devem ver desdobramentos nesta semana são a da sucessão da presidência do Banco do Brasil e a disputa entre a Eneva e a americana AES pela fatia do BNDES na AES Tietê.

Na sexta-feira (24) à noite, o BB comunicou a renúncia de Rubem Novaes da presidência do banco. O executivo deve deixar o cargo já em agosto. A instituição ainda não anunciou seu sucessor, o que pode ocorrer nesta semana.

Entre os favoritos estariam o presidente do conselho do banco, Hélio Magalhães, alguns vice-presidentes do BB e até mesmo o atual presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Quanto à história das empresas de energia, nesta segunda-feira o conselho do BNDES vai se reunir para deliberar sobre as ofertas para a aquisição das suas ações da AES Tietê.

O banco tem interesse em vender a sua participação de 28,41% no capital da companhia, pela qual tanto a Eneva quanto a AES Corp, controladora da AES Tietê, fizeram ofertas.

A AES Corp ofereceu R$ 17,15 por ação, pagos integralmente em dinheiro, mais a migração da Tietê do nível 2 de governança da B3 para o Novo Mercado; porém, só manifestou interessem em comprar metade das ações do BNDES.

Já a Eneva ofereceu R$ 18,88 por ação para toda a participação do BNDES, pagos parcialmente em dinheiro e parcialmente em troca de ações, estendendo a oferta aos demais acionistas, caso o banco de fomento a aceite.

Não se esqueça do coronavírus

A pandemia de covid-19, é claro, continua no radar dos investidores, que ainda se preocupam com uma eventual segunda onda em países onde a doença já foi controlada.

No fim de semana, houve notícias de repiques ou aumento de casos na Coreia do Sul, no Japão e no estado australiano de Victoria. Na Europa, o Reino Unido colocou a Espanha novamente na lista de países inseguros para se visitar após novo surto no país ibérico.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, a covid-19 já infectou 16,2 milhões de pessoas em todo o mundo, totalizando quase 649 mil mortes. Os Estados Unidos, epicentro global da doença, atingiu 4.234.020 infectados e 146.935 mortos. Já o Brasil teve, até agora, 2.419.091 infectados e 87.004 mortos.

Agenda da semana

Entre os dados locais mais importantes, temos os números do Caged, que apontarão a criação de vagas de emprego em junho.

  • Terça-feira (28): Transações correntes e Caged de junho.
  • Quarta-feira (29): PNAD Contínua mensal do trimestre terminado em junho.
  • Quinta-feira (30): IGP-M de julho e de 12 meses e resultado primário do governo central em junho.
  • Sexta-feira (31): resultado primário do setor público consolidado em junho.

No exterior, temos PIB de vários países da Europa e dos Estados Unidos, além de decisão de juros pelo Fed.

Na quarta-feira ocorre ainda uma audiência na Câmara dos Deputados americana com os CEOs das gigantes de tecnologia Amazon (Jeff Bezos), Apple (Tim Cook), Facebook (Mark Zuckerberg) e Google (Sundar Pinchai) para tratar do poder de mercado das companhias.

  • Segunda-feira (27)
    • Alemanha:
      • Índice de sentimento das empresas (Ifo) de julho.
    • EUA:
      • Encomendas de bens duráveis de junho.
  • Terça-feira (28)
    • Alemanha:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • EUA:
      • Índice de confiança do consumidor de julho.
  • Quarta-feira (29)
    • EUA:
      • Vendas pendentes de imóveis de junho.
      • Estoques de petróleo e derivados na semana (Departamento de Energia - DoE).
      • Decisão de política monetária do Fed.
      • Audiência na Câmara dos Deputados com CEOs das gigantes de tecnologia.
  • Quinta-feira (30)
    • Zona do euro:
      • Taxa de desemprego de junho.
    • EUA:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
      • Pedidos de auxílio-desemprego (semana até 18/07).
    • China:
      • Índices de gerentes de compras (PMIs) industrial e de serviços de julho.
  • Sexta-feira (31)
    • França:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Espanha:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Itália:
      • PIB do 2º trimestre (preliminar).
    • Zona do euro:
      • PIB do 2º trimestre.
      • Índice de preços ao consumidor (CPI).

Calendário de balanços

É nesta semana que o calendário de balanços do segundo trimestre no Brasil começa para valer. Lá fora também temos a divulgação dos números de empresas importantes.

Lembrando que o período de abril a junho foi aquele em que a pandemia mais causou impacto na atividade econômica do Ocidente. Assim, a expectativa é de forte queda nos resultados corporativos. O que vale monitorar é se foram pior ou "menos piores" do que o esperado.

Na semana passada, os números de companhias como WEG e Tesla animaram os investidores. Nesta semana, teremos:

Brasil

  • Segunda-feira (27): Carrefour (após o fechamento).
  • Terça-feira (28): Cielo, Minerva e Smiles (todas após o fechamento).
  • Quarta-feira (29): Localiza, Pão de Açúcar, EcoRodovias, Vale e Tim (todas depois do fechamento) e Santander (antes da abertura).
  • Quinta-feira (30): Ambev, Usiminas e Bradesco (as três antes da abertura); Engie, Fleury e Petrobras (as três depois do fechamento).
  • Sexta-feira (31): Gol (antes da abertura).

Exterior

  • Terça-feira (28): Peugeot, Carrefour, 3M, Pfizer, McDonald's e Visa.
  • Quarta-feira (29): Enel, Santander, Rio Tinto, Barclays, Deutsche Bank, General Electric, Boeing, General Motors e Facebook.
  • Quinta-feira (30): Vivendi, AstraZeneca, Casino, Credit Suisse, Lloyds, Anglo American, Volkswagen, Telefónica, ArcelorMittal, Procter & Gamble, Mastercard, Anheuser-Busch InBev, ConocoPhillips, Amazon, Apple, Alphabet, Ford, Gilead.
  • Sexta-feira (31): BNP Paribas, Air France KLM, ExxonMobil, Chevron e Caterpillar.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

O tamanho da conta

Conta da pandemia chega a R$ 700 bilhões

Segundo levantamento do Estadão, pandemia deve custar isso só em 2020, o equivalente a quase 10% do PIB e a R$ 3,3 mil para cada brasileiro. Quantia seria suficiente para pagar o Bolsa Família por 21 anos

Canetada

Trump assina quatro decretos com estímulos à economia

Diante do fracasso das negociações entre republicanos e democratas para novo pacote de ajuda trilionário, presidente americano partiu para a canetada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements