Menu
2020-07-24T17:27:37-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Incorporação

Por que as ações da Eneva e AES Tietê caem após nova proposta de incorporação

A Eneva até melhorou a oferta em relação à proposta anterior, apresentada no fim de fevereiro. Mas ao mesmo tempo reduziu a parcela em dinheiro, o que teria desagradado o BNDES

24 de julho de 2020
15:42 - atualizado às 17:27
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva - Imagem: Divulgação

A nova proposta da Eneva para combinar os seus negócios com a AES Tietê não empolgou o mercado. As ações de ambas as empresas de geração de energia reagem em queda expressiva no pregão desta sexta-feira na B3, em um sinal de que os investidores veem um risco maior de o negócio não acontecer.

A Eneva até melhorou a oferta em relação à proposta anterior, apresentada no fim de fevereiro. Mas ao mesmo tempo mudou a forma de pagamento, aumentando suas próprias ações como moeda e reduzindo a parcela em dinheiro.

Esse ponto teria desagradado o BNDES, um dos principais acionistas da AES Tietê com 28,41% do capital total da companhia (14,4% em ações ordinárias e 37,5% de preferenciais), de acordo com informação do blog do jornalista Lauro Jardim, de O Globo.

A Eneva já adiantou que só levará a proposta de incorporação adiante se o BNDES aceitar os termos do negócio. O receio de que a aguardada fusão não saia penalizou as ações de ambas as empresas.

Os papéis da Eneva (ENEV3) recuaram 1,84% e os da AES Tietê (TIET11) despencaram 9,12%. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Entenda a disputa

A Eneva lançou uma primeira oferta para incorporar a AES Tietê no fim de fevereiro, mas encontrou resistência do grupo norte-americano AES Corp, que detém 24,35% do capital total, mas controla a empresa por deter 61,6% das ações ON, que dão direito a voto.

Em tese, o negócio não iria para frente com a recusa do controlador em se sentar à mesa. Mas a AES Tietê tem uma peculiaridade por ser listada no Nível 2 da bolsa.

As regras do segmento de governança corporativa da B3 estabelecem que os detentores de ações preferenciais têm direito a voto em temas como uma proposta de incorporação nos moldes da realizada pela Eneva.

O problema é que os americanos bateram o pé e disseram que não reconheceriam a operação caso fosse aprovada em uma assembleia de acionistas.

Com receio de uma longa e incerta disputa judicial, a Eneva decidiu, então, retirar a oferta pela companhia. Mas logo depois a B3 — responsável pelas regras — decidiu se posicionar e esclareceu que as ações preferenciais têm, sim, direito de voto.

Foi depois desse imbróglio que o BNDES anunciou a intenção de vender a sua participação na geradora de energia, com a contratação do Banco BR Partners como assessor financeiro.

Americanos em vantagem

A expectativa agora é pela posição da AES Corp. Os americanos podem acabar de vez com as pretensões da Eneva se decidirem colocar a mão no bolso e fazer uma proposta mais vantajosa pelas ações da Tietê detidas pelo banco público.

Para uma fonte com quem eu conversei, a AES tem uma clara vantagem nessa disputa. Por ser o atual controlador da Tietê, o grupo americano não a necessidade de estender a oferta que será feita ao BNDES para os minoritários da companhia, como fez a Eneva.

A proposta da AES pela participação do banco teria ficado em R$ 17,15 por ação, de acordo com informações da Broadcast. O valor é menor que o proposto pela Eneva, que gira em torno de R$ 18,88 com base no fechamento dos papéis ontem, mas será pago integralmente em dinheiro.

A recente melhora dos mercados também joga a favor da AES Corp, que pode captar recursos a um custo bem baixo com a emissão de dívida para financiar uma eventual oferta ao BNDES.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Combinação promete

Aura Minerals (AURA33): ouro e dividendos no mesmo investimento

Max Bohm, sócio e analista de Empiricus, enxerga um potencial enorme de crescimento na combinação oferecida pela mineradora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies