Menu
2020-07-24T17:27:37-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Incorporação

Por que as ações da Eneva e AES Tietê caem após nova proposta de incorporação

A Eneva até melhorou a oferta em relação à proposta anterior, apresentada no fim de fevereiro. Mas ao mesmo tempo reduziu a parcela em dinheiro, o que teria desagradado o BNDES

24 de julho de 2020
15:42 - atualizado às 17:27
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva - Imagem: Divulgação

A nova proposta da Eneva para combinar os seus negócios com a AES Tietê não empolgou o mercado. As ações de ambas as empresas de geração de energia reagem em queda expressiva no pregão desta sexta-feira na B3, em um sinal de que os investidores veem um risco maior de o negócio não acontecer.

A Eneva até melhorou a oferta em relação à proposta anterior, apresentada no fim de fevereiro. Mas ao mesmo tempo mudou a forma de pagamento, aumentando suas próprias ações como moeda e reduzindo a parcela em dinheiro.

Esse ponto teria desagradado o BNDES, um dos principais acionistas da AES Tietê com 28,41% do capital total da companhia (14,4% em ações ordinárias e 37,5% de preferenciais), de acordo com informação do blog do jornalista Lauro Jardim, de O Globo.

A Eneva já adiantou que só levará a proposta de incorporação adiante se o BNDES aceitar os termos do negócio. O receio de que a aguardada fusão não saia penalizou as ações de ambas as empresas.

Os papéis da Eneva (ENEV3) recuaram 1,84% e os da AES Tietê (TIET11) despencaram 9,12%. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Entenda a disputa

A Eneva lançou uma primeira oferta para incorporar a AES Tietê no fim de fevereiro, mas encontrou resistência do grupo norte-americano AES Corp, que detém 24,35% do capital total, mas controla a empresa por deter 61,6% das ações ON, que dão direito a voto.

Em tese, o negócio não iria para frente com a recusa do controlador em se sentar à mesa. Mas a AES Tietê tem uma peculiaridade por ser listada no Nível 2 da bolsa.

As regras do segmento de governança corporativa da B3 estabelecem que os detentores de ações preferenciais têm direito a voto em temas como uma proposta de incorporação nos moldes da realizada pela Eneva.

O problema é que os americanos bateram o pé e disseram que não reconheceriam a operação caso fosse aprovada em uma assembleia de acionistas.

Com receio de uma longa e incerta disputa judicial, a Eneva decidiu, então, retirar a oferta pela companhia. Mas logo depois a B3 — responsável pelas regras — decidiu se posicionar e esclareceu que as ações preferenciais têm, sim, direito de voto.

Foi depois desse imbróglio que o BNDES anunciou a intenção de vender a sua participação na geradora de energia, com a contratação do Banco BR Partners como assessor financeiro.

Americanos em vantagem

A expectativa agora é pela posição da AES Corp. Os americanos podem acabar de vez com as pretensões da Eneva se decidirem colocar a mão no bolso e fazer uma proposta mais vantajosa pelas ações da Tietê detidas pelo banco público.

Para uma fonte com quem eu conversei, a AES tem uma clara vantagem nessa disputa. Por ser o atual controlador da Tietê, o grupo americano não a necessidade de estender a oferta que será feita ao BNDES para os minoritários da companhia, como fez a Eneva.

A proposta da AES pela participação do banco teria ficado em R$ 17,15 por ação, de acordo com informações da Broadcast. O valor é menor que o proposto pela Eneva, que gira em torno de R$ 18,88 com base no fechamento dos papéis ontem, mas será pago integralmente em dinheiro.

A recente melhora dos mercados também joga a favor da AES Corp, que pode captar recursos a um custo bem baixo com a emissão de dívida para financiar uma eventual oferta ao BNDES.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

negócio em foco

BofA vê negócio entre Linx e Totvs com sinergias de R$ 3,8 bi

Acionistas da Linx receberiam diretamente 40% do valor das sinergias da fusão com Totvs, diz banco

seu dinheiro na sua noite

Vitória do Ibovespa (no segundo tempo)

“O time no segundo tempo ganhou de 2 a 1.” Foi assim que Fernando Diniz, o técnico do São Paulo, reagiu depois da derrota por 4 a 2 para a LDU no meio da semana e que praticamente eliminou a equipe da Libertadores. Diniz preferiu ignorar os 3 a 0 que o time levou na […]

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements