Menu
2020-04-24T20:10:57-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Em pronunciamento

Bolsonaro diz que chefe da PF é sua escolha e que Moro sugeriu troca na polícia após sua indicação ao STF

Bolsonaro se queixou de ter de “implorar” e fazer “súplica” a Moro e Polícia Federal para que houvesse investigações em casos que o envolviam indiretamente

24 de abril de 2020
18:08 - atualizado às 20:10
Jair Bolsonaro (esquerda) e Sergio Moro

Em pronunciamento oficial em que abordou diversos temas, o presidente Jair Bolsonaro negou nesta sexta-feira (24) que tenha feito uma intervenção política na Polícia Federal. Ele, no entanto, afirmou que a palavra final sobre quem será o chefe da Polícia Federal é sua, bem como seu poder de veto em eventuais indicações feitas pelo ex-ministro da Justiça, Sergio Moro.

Pela manhã, Moro anunciou seu pedido de demissão. A sua motivação foi a decisão de Bolsonaro de exonerar o então diretor da PF, Mauricio Valeixo, publicada na edição de hoje do Diário Oficial. Moro classificou a demissão como "sem justificativa" e afirmou que ela quebra a promessa de que a Pasta não sofreria interferência política, que foi a condição para que ele assumisse o cargo de ministro.

"Não são verdadeiras as afirmações de que solicitei interferência na Polícia Federal. (...) Ora bolas, se posso trocar o ministro, por que não posso trocar o diretor da PF, de acordo com a lei", afirmou Bolsonaro, respondendo às acusações de Moro.

Autonomia X Soberania

Segundo Bolsonaro, foi acertado com Moro ainda em 2018, após a vitória nas eleições, que ele teria autonomia para tomar suas decisões. Ele disso que isso não significava soberania.

"Falei do meu poder de veto, dos cargos chave, que deveriam passar por minhas mãos. Por todos os ministros foi feito assim, mais de 90% desses nomes eu dei o sinal verde. Assim foi também com o senhor Mauricio Valeixo, a indicação foi de Sergio Moro, a nomeação é exclusiva do presidente e abri mão disso por Moro."

Bolsonaro admitiu que queria um canal direto de comunicação com a Polícia Federal e que deseja mais informações sobre as atividades da instituição.

"Sempre falei pra ele, 'Moro não tenho informações da PF'. Tenho que todo dia ter um relatório do que acontece nas últimas 24 horas para bem decidir o futuro dessa nação", afirmou Bolsonaro.

Casos 'facada' e Marielle

O presidente disse que estava insatisfeito com a falta de investigação pela Polícia Federal sobre casos que o envolvem "indiretamente".

Ele afirmou também que chegou a suplicar ao ministro para que houvesse investigações da PF sobre Adélio Bispo (autor da tentativa de homicídio a Bolsonaro na campanha de 2018) e outras questões que envolviam o porteiro e o seu filho mais novo do condomínio em que residia no Rio.

"A PF de Sergio Moro mais se preocupou com Marielle do que com quem mandou matar Jair Bolsonaro".

O presidente também questionou se seria interferência pedir via ministro, "quase implorar", as investigações que o envolvem indiretamente, como o episódio da facada.

"A vida do presidente da República tem significado, é um chefe de Estado. É interferência mandar a PF investigar?", disse.

Companhia de ministros

Bolsonaro adotou um tom emocional no seu discurso feito com a presença dos ministros de Estado. Ele contou como conheceu Moro e manifestou sua admiração pelo ex-juiz. Afirmou, no entanto, que é diferente "admirar a pessoa e trabalhar com ela".

"Ministro quer que confie nele... Tem razão, mas confiança são duas mãos quero que ele confie em mim", disse Bolsonaro.

Veja no vídeo abaixo o pronunciamento completo de Jair Bolsonaro:

Bolsonaro disse ainda que falou a Moro que o Diário Oficial publicaria hoje a exoneração do diretor da PF. Moro disse que queria nomear o substituto, mas Bolsonaro afirmou que a decisão era sua e que se submeter ao ministro significaria perder sua capacidade de exercer a presidência.

"Falei pra ele que queria um delegado, que pode não ser o meu, pode não ser o seu, mas alguém com quem eu possa interagir para numa necessidade de eu falar com o primeiro escalão direto. Não é quebra de hierarquia", afirmou.

Bolsonaro completou: "Se ele quer ter independência como eu tenho, podia vir candidato em 2018."

STF como moeda de troca

Bolsonaro afirmou também que Sergio Moro teria sugerido que Mauricio Valeixo, ex-diretor da PF, fosse demitido em novembro após a indicação do seu nome para a vaga de ministro que será aberta no Supremo Tribunal Federal.

No Twitter, Moro refutou a acusação e disse que nomeação no STF "nunca foi moeda de troca" para demissão do chefe da PF.

Bolsonaro falou também que Mauricio Valeixo, diretor-geral da PF exonerado, já queria sair e disse que pretende que a PF seja usada em sua "plenitude".

Bolsonaro se dirigiu diretamente a Moro no pronunciamento: "O senhor diz que tinha uma biografia a zelar; eu digo ao senhor que tenho o Brasil a zelar. Tenho dado a vida pela minha pátria e recebo acusações torpes".

"O que queremos da PF: que ela seja usada em sua plenitude, que suas operações sejam no mínimo mantidas. É com o trabalho dela que fazemos combate à corrupção, ao crime organizado", disse Bolsonaro.

Repercussão

A demissão do ministro da Justiça repercutiu no ambiente político e econômico. Logo após o pronunciamento de Moro, o Congresso já se mobiliza para instaurar uma CPI e pedir o depoimento do ex-ministro.

A tese de que cabe um pedido de impeachment de Bolsonaro ganhou força entre cientistas políticos e membros da oposição.

A bolsa de valores intensificou as perdas após a confirmação da saída de Moro e dólar acentuou sua disparada, fechando o pregão em R$ 5,66.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Bitcoin popular

Goldman Sachs e Citibank anunciam novos investimentos em bitcoin

A ideia é tentar oferecer a maior variedade de serviços e evitar as oscilações, típicas e comuns no mundo das criptomoedas

Movimentação societária

CCR em disparada: por que a saída da Andrade Gutierrez do bloco de controle ajuda as ações?

As ações ON da CCR lideram os ganhos no Ibovespa após a Andrade Gutierrez receber proposta para a venda de sua fatia na companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies