Menu
2020-04-24T12:11:50-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
saída

Moro deixa governo e fala em interferência política na Polícia Federal

Ex-juiz da Lava Jato disse que havia insistência de outras trocas da PF sem uma razão “aceitável”; ministro afirmou não ter assinado demissão do diretor-geral da instituição

24 de abril de 2020
11:41 - atualizado às 12:11
Sergio Moro
Ministro Sergio Moro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou que vai deixar o governo de Jair Bolsonaro. O ex-juiz da Lava Jato disse que o presidente insistiu na saída do diretor-geral da Polícia Federal com a ideia de interferir na instituição.

Para Moro, não havia problema em realizar a troca, desde que houvesse um motivo. O ministro disse que havia também a insistência de outras trocas da PF sem uma razão "aceitável".

"Busquei postergar esta decisão, mas cada vez mais me veio a sinalização de que seria um equívoco realizar essa substituição", afirmou o ministro. "Falei que seria uma interferência política ao presidente e Bolsonaro disse: 'seria mesmo'".

Segundo Moro, Bolsonaro queria colocar alguém próximo a ele no comando da PF, alguém que ele "pudesse ligar diretamente". O ministro disse que o presidente queria ter acesso aos relatórios de inteligência da PF.

"A autonomia da Polícia Federal, como um respeito a aplicação da lei, seja a quem for, é um valor fundamental que temos que preservar dentro do estado de direito", disse. "O grande problema não é quem entra, mas porque entra".

Moro disse que não assinou a saída do diretor-geral da PF e que ficou sabendo da demissão oficialmente pelo decreto publicado no Diário Oficial.

A saída de Moro acontece após, na madrugada desta sexta-feira (24), o presidente Bolsonaro formalizar a exoneração de Maurício Valeixo, homem de confiança do então ministro, do cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

A exoneração do diretor-geral ocorreu dias depois de a Polícia Federal abrir uma investigação para apurar o financiamento e a organização da manifestação de domingo (19) contra o Congresso - evento em que Bolsonaro discursou.

Desde o ano passado, a PF investiga uma rede de fake news que seria comandada pelo chamado “gabinete do ódio” - estrutura suspeita de ser ligada aos filhos do presidente, Carlos Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

presidente da república

Bolsonaro apresenta sintomas de coronavírus e faz novo exame

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que irá realizar um novo exame da covid-19

novos dados

Brasil tem 65,4 mil mortes causadas pela covid-19

Do total de infectados, 927.292 já se recuperaram

seu dinheiro na sua noite

A joia escondida da Cogna

Caro leitor, Olhar para onde ninguém está olhando e conseguir identificar o “valor oculto” das coisas são alguns dos hábitos do bom investidor. A capacidade de enxergar que algo tem valor antes de todo mundo, que existe uma demanda que não está sendo atendida ou que o preço de um ativo está muito abaixo de […]

vai demorar um pouco

Anfavea prevê que mercado de veículos voltará ao ritmo pré-pandemia em 2025

Previsão foi feita nesta segunda-feira. Projeção da Anfavea para 2020 é de retração de 40% nas vendas

tributação progressiva

Proposta de reforma tributária retira benefícios para IRPJ e IRPF, diz secretário da Receita

Secretário da Receita Federal, José Tostes disse que a proposta de reforma tributária do governo federal passará por retirar benefícios e incentivos no Imposto de Renda

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements