Menu
2020-04-24T12:11:50-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
saída

Moro deixa governo e fala em interferência política na Polícia Federal

Ex-juiz da Lava Jato disse que havia insistência de outras trocas da PF sem uma razão “aceitável”; ministro afirmou não ter assinado demissão do diretor-geral da instituição

24 de abril de 2020
11:41 - atualizado às 12:11
Sergio Moro
Ministro Sergio Moro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou que vai deixar o governo de Jair Bolsonaro. O ex-juiz da Lava Jato disse que o presidente insistiu na saída do diretor-geral da Polícia Federal com a ideia de interferir na instituição.

Para Moro, não havia problema em realizar a troca, desde que houvesse um motivo. O ministro disse que havia também a insistência de outras trocas da PF sem uma razão "aceitável".

"Busquei postergar esta decisão, mas cada vez mais me veio a sinalização de que seria um equívoco realizar essa substituição", afirmou o ministro. "Falei que seria uma interferência política ao presidente e Bolsonaro disse: 'seria mesmo'".

Segundo Moro, Bolsonaro queria colocar alguém próximo a ele no comando da PF, alguém que ele "pudesse ligar diretamente". O ministro disse que o presidente queria ter acesso aos relatórios de inteligência da PF.

"A autonomia da Polícia Federal, como um respeito a aplicação da lei, seja a quem for, é um valor fundamental que temos que preservar dentro do estado de direito", disse. "O grande problema não é quem entra, mas porque entra".

Moro disse que não assinou a saída do diretor-geral da PF e que ficou sabendo da demissão oficialmente pelo decreto publicado no Diário Oficial.

A saída de Moro acontece após, na madrugada desta sexta-feira (24), o presidente Bolsonaro formalizar a exoneração de Maurício Valeixo, homem de confiança do então ministro, do cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

A exoneração do diretor-geral ocorreu dias depois de a Polícia Federal abrir uma investigação para apurar o financiamento e a organização da manifestação de domingo (19) contra o Congresso - evento em que Bolsonaro discursou.

Desde o ano passado, a PF investiga uma rede de fake news que seria comandada pelo chamado “gabinete do ódio” - estrutura suspeita de ser ligada aos filhos do presidente, Carlos Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

acelerou

Vendas no e-commerce brasileiro disparam 87% em outubro

Pesquisa considera compras em geral, realizadas com diferentes tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque

Já ganhou?

Mesmo sem apoio do governo, reforma tributária já teria votos para ser aprovada

Maia tem defendido o texto como prioridade na pauta de recuperação econômica do País.

Batata quente

Petrobras eleva desinvestimentos para até US$ 35 bi com Marlim e gasodutos

Os gasodutos citados referem-se aos para escoamento de gás natural do pré-sal (Rotas 1, 2 e 3).

mundo em crise

Para FMI, zona do euro não deve retirar estímulos fiscais prematuramente

Kristalina Georgieva avalia que há incerteza no cenário econômico, com novas infecções de covid-19 atrapalhando a retomada

Mudou a data

Azul antecipa fim de acordo de redução de jornada com aeronautas

A antecipação foi aprovada pelos aeronautas, que votaram sobre o tema entre os dias 26 e 27 de novembro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies