🔴 RECEBA TODA SEMANA RECOMENDAÇÕES PARA PODER DOBRAR O SEU DINHEIRO – CONHEÇA O MÉTODO

Estadão Conteúdo
ex-governador

Alckmin vira réu por propina e caixa 2 de R$ 11,3 milhões da Odebrecht

De acordo com o juiz eleitoral, o Ministério Público Eleitoral apresentou indícios suficientes de materialidade dos crimes supostamente cometidos pelo tucano

Geraldo Alckmin - Imagem: Shutterstock

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) virou réu nesta quinta, 30, por corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral (caixa dois) após o juiz Marco Antonio Martin Vargas aceitar denuncia apresentada pelo Ministério Público Eleitoral na última quinta, 23.

Com a decisão, o tucano passa a responder a ação penal eleitoral por suposto caixa dois de R$ 11,3 milhões pagos pela Odebrecht nas campanhas de 2010 e 2014.

A decisão também coloca no banco dos réus o então tesoureiro da campanha de Alckmin em 2014, Marcos Monteiro, e o ex-assessor do governo Sebastião Eduardo Alves de Castro. Ambos teriam recebido os repasses ilegais da empreiteira em nome do tucano.

De acordo com o juiz eleitoral, o Ministério Público Eleitoral apresentou indícios suficientes de materialidade dos crimes supostamente cometidos pelo tucano.

Entre as provas listadas pela Promotoria, no que ficou conhecido como 'Lava Jato Eleitoral', estão depoimentos de delatores da Odebrecht, registros de pagamentos, e-mails e planilhas com codinomes relacionados à Marcos Monteiro ('M&M') e até mensagens trocadas por funcionários do doleiro Alvaro José Gallies Novis, que teria operacionalizado o pagamento de R$ 9,3 milhões em propinas a Sebastião Alves de Castro, o 'senhor Eduardo Castro'.

O cunhado do ex-governador, Adhemar Ribeiro, o 'Belém' do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, teria recebido R$ 2 milhões em 2010, mas o Ministério Público apontou que os crimes já prescreveram.

"Os depoimentos dos colaboradores e das testemunhas, somados aos elementos de corroboração acostados nos autos, em tese, perfazem conjunto de indícios, por ora, capaz de reforçar a convicção sobre o envolvido dos denunciados no complexo esquema de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em razão de função política, omissão de dados à Justiça Eleitoral e lavagem de capitais, supostamente erigido para dissimular os fins ilícitos dos grupos políticos e empresariais apontados", afirmou o juiz Marco Antonio Martin Vargas.

O magistrado também autorizou o compartilhamento dos autos da ação contra o tucano com a 9ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de São Paulo, que move ação de improbidade administrativa contra Alckmin pelo mesmo episódio.

A defesa do ex-governador poderá apresentar defesa nos autos em até dez dias.

Denúncia

De acordo com o Ministério Público Eleitoral, Alckmin recebeu R$ 2 milhões da Odebrecht em 2010 e R$ 9,3 milhões em 2014, quando disputou e se reelegeu governador de São Paulo. Uma semana antes da denúncia, a Polícia Federal indiciou o tucano no caso.

O primeiro repasse, em 2010, foi efetuado por intermédio de Adhemar Ribeiro, cunhado do tucano. Os pagamentos teriam sido feitos ao escritório de Ribeiro e apareciam nas planilhas do Departamento de Operações Estruturadas sob o codinome 'Belém'.

Em 2014, o esquema teria contado com a participação do então tesoureiro de campanha Marcos Monteiro, que teria atuado ao lado da Odebrecht na autorização, planejamento e execução dos pagamentos da propina. Os repasses foram feitos em 11 parcelas, totalizando R$ 9,3 milhões, e entregues pela Transnacional, empresa do doleiro Alvaro Novis, ao 'senhor Eduardo Castro', o assessor Sebastião Eduardo Alves de Castro, conforme registram mensagens obtidas pelo Ministério Público.

O endereço de Sebastião Castro consta em diversas mensagens trocadas por funcionários do doleiro como local de entrega de propina. Além disso, os pagamentos foram lançados na planilha sob o codinome 'M&M', de Marcos Monteiro.

"Os recursos não foram registrados nas prestações de contas do candidato (falsidade ideológica), que solicitou e recebeu vantagem indevida (corrupção passiva), pagas pelo setor de operações estruturadas da Odebrecht, a partir do emprego de métodos ilícitos como uso de 'doleiros', com o fim de ocultar a origem dos valores e dificultar a possibilidade de seu rastreio (lavagem de dinheiro). Esses recursos destinavam-se, num primeiro momento, ao financiamento eleitoral indevido (não declarado) e, num momento seguinte, pós eleições, à manutenção da influência do grupo empresarial junto ao governo", afirmou a Promotoria.

Outro lado

Até a publicação desta matéria, a reportagem não havia obtido contato com o ex-governador Geraldo Alckmin. O espaço permanece aberto a manifestações.

Compartilhe

AGORA É OFICIAL

‘Via da esperança’: Lula recebe elogios de Alckmin e alfineta Bolsonaro em lançamento da chapa do PT; veja os destaques do evento

7 de maio de 2022 - 16:47

Já o ex-governador de SP, que participou do evento por vídeo, reforçou que Lula é “a única via da esperança para o país”.

ESSE ROTEIRISTA É DOS BONS

PSB confirma ex-tucano Geraldo Alckmin como vice de Lula em chapa com o PT

8 de abril de 2022 - 11:50

Indicação do ex-governador de São Paulo já era esperada e foi formalizada na manhã desta sexta-feira pela direção nacional do PSB

denúncia à Justiça eleitoral

MP de São Paulo denuncia Alckmin por corrupção e lavagem de dinheiro

23 de julho de 2020 - 14:29

Na semana passada, ex-governador de São Paulo foi indiciado a partir de uma investigação com base em informações fornecidas por executivos do Grupo Odebrecht em acordos de colaboração premiada

voz insatisfeita

PSDB deveria ser partido de oposição ao governo, diz Alckmin

6 de novembro de 2019 - 13:27

Ex-governador de São Paulo classifica como exitosa nas medidas de controle da situação fiscal do País mas problemática na radicalização de pautas ideológicas

Climão na ala política

Alckmin: “ninguém está feliz na política, nem no PSDB”

29 de junho de 2019 - 9:48

Declarações do ex-governador foram dadas em resposta a uma notícia de que teria declarado que não está satisfeito no PSDB

pit-stop

Alckmin anuncia pausa e diz que governo atrapalha a reforma da Previdência

3 de junho de 2019 - 11:28

Ex-governador Geraldo Alckmin falou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que fará um “pit-stop” na carreira política; para ele, o Executivo atual não tem agenda

Soltou o verbo

Alckmin diz que bolsonarismo é uma mentira e questiona onde está a agenda do governo

31 de maio de 2019 - 16:23

Ex-governador de SP manifestou solidariedade ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, por ter sido criticado pelo presidente da República

olho em 2020

Doria quer ‘faxina’ e mudar nome do PSDB

15 de abril de 2019 - 9:04

Após fiasco dos tucanos nas eleições de 2018, atual direção executiva deve ser quase toda substituída por aliados do governador do estado de São Paulo

Críticas a Bolsonaro

Nos EUA, Alckmin chama governo de improvisado e Ciro diz que país “optou por idiota”

6 de abril de 2019 - 13:15

Os ex-presidenciáveis não mediram palavras para analisar o governo Bolsonaro

Mesmo com críticas

A princípio, todos do PSDB devem votar favoravelmente à reforma, diz Alckmin

18 de março de 2019 - 11:55

Alckmin fez algumas críticas ao cenário atual e a pontos da proposta, apesar da indicação favorável ao texto, e defendeu uma idade mínima e transição rápida

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar