Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-07T09:54:21-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Lucro do Banco do Brasil cai 20% no primeiro trimestre com provisão de R$ 2 bilhões para coronavírus

Banco teve lucro líquido de R$ 3,395 bilhões nos três primeiros meses de 2020, abaixo do esperado pelos analistas, e rentabilidade de 12,5%

7 de maio de 2020
7:40 - atualizado às 9:54
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília.
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília - Imagem: Fernando Bizerra/Agência Senado

Com um reforço de R$ 2 bilhões nas provisões para se proteger do aumento da inadimplência esperado com a crise do coronavírus, o lucro do Banco do Brasil registrou uma queda de 20,1% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado de R$ 3,395 bilhões nos três primeiros meses de 2020 ficou abaixo do esperado pelos analistas, cuja projeção apontava para um lucro de R$ 4,498 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

Com a queda no lucro, a rentabilidade do Banco do Brasil caiu para 12,5%, contra um retorno de 16,8% obtido no primeiro trimestre do ano passado e pôs fim ao processo de melhora que vinha desde 2016.

No total, as despesas líquidas com provisões para perdas com calotes no crédito atingiram R$ 5,539 bilhões, um avanço de 63,3% sobre o primeiro trimestre do ano passado. Resta saber se elas serão suficientes ou se o BB terá de fazer novas provisões nos próximos balanços.

Dos quatro grandes bancos de capital aberto, apenas o Santander registrou aumento no lucro no primeiro trimestre, justamente por ter sido o único a não fazer provisões para o efeito coronavírus.

Leia também:

Crédito

Assim como os demais bancos, a carteira de crédito do Banco do Brasil avançou no trimestre com o aumento na demanda, mas em um ritmo menor do que nos concorrentes privados.

O saldo das operações de financiamento atingiu 725 bilhões, alta de 5,8% em 12 meses e de 6,5% no trimestre.

Com isso, a margem financeira, que inclui a receita com as operações de crédito menos o custo de captação, atingiu R$ 14 bilhões no primeiro trimestre, um avanço de 9,9% na comparação com o mesmo período de 2019.

A piora na economia provocada pela pandemia ainda não se refletiu nos índices de inadimplência do BB. Os atrasos acima de 90 dias na carteira do banco até registraram uma leve queda de 3,27% para 3,20% no trimestre. Mas estão acima dos 2,58% de março do ano passado.

Além da margem financeira, as receitas com prestação de serviços e tarifas ajudaram o resultado do Banco do Brasil, com uma alta de 4%, para R$ 7,067 bilhões.

As receitas avançaram em um ritmo maior do que as despesas administrativas, que somaram R$ 7,770 bilhões – alta de 2,7%.

Diante do cenário incerto, o BB também decidiu suspender as projeções para o desempenho deste ano. A estimativa do banco antes da crise era de registrar um lucro líquido entre R$ 18,5 bilhões e R$ 20,5 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies