Menu
2020-05-07T09:54:21-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Lucro do Banco do Brasil cai 20% no primeiro trimestre com provisão de R$ 2 bilhões para coronavírus

Banco teve lucro líquido de R$ 3,395 bilhões nos três primeiros meses de 2020, abaixo do esperado pelos analistas, e rentabilidade de 12,5%

7 de maio de 2020
7:40 - atualizado às 9:54
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília.
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília - Imagem: Fernando Bizerra/Agência Senado

Com um reforço de R$ 2 bilhões nas provisões para se proteger do aumento da inadimplência esperado com a crise do coronavírus, o lucro do Banco do Brasil registrou uma queda de 20,1% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado de R$ 3,395 bilhões nos três primeiros meses de 2020 ficou abaixo do esperado pelos analistas, cuja projeção apontava para um lucro de R$ 4,498 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

Com a queda no lucro, a rentabilidade do Banco do Brasil caiu para 12,5%, contra um retorno de 16,8% obtido no primeiro trimestre do ano passado e pôs fim ao processo de melhora que vinha desde 2016.

No total, as despesas líquidas com provisões para perdas com calotes no crédito atingiram R$ 5,539 bilhões, um avanço de 63,3% sobre o primeiro trimestre do ano passado. Resta saber se elas serão suficientes ou se o BB terá de fazer novas provisões nos próximos balanços.

Dos quatro grandes bancos de capital aberto, apenas o Santander registrou aumento no lucro no primeiro trimestre, justamente por ter sido o único a não fazer provisões para o efeito coronavírus.

Leia também:

Crédito

Assim como os demais bancos, a carteira de crédito do Banco do Brasil avançou no trimestre com o aumento na demanda, mas em um ritmo menor do que nos concorrentes privados.

O saldo das operações de financiamento atingiu 725 bilhões, alta de 5,8% em 12 meses e de 6,5% no trimestre.

Com isso, a margem financeira, que inclui a receita com as operações de crédito menos o custo de captação, atingiu R$ 14 bilhões no primeiro trimestre, um avanço de 9,9% na comparação com o mesmo período de 2019.

A piora na economia provocada pela pandemia ainda não se refletiu nos índices de inadimplência do BB. Os atrasos acima de 90 dias na carteira do banco até registraram uma leve queda de 3,27% para 3,20% no trimestre. Mas estão acima dos 2,58% de março do ano passado.

Além da margem financeira, as receitas com prestação de serviços e tarifas ajudaram o resultado do Banco do Brasil, com uma alta de 4%, para R$ 7,067 bilhões.

As receitas avançaram em um ritmo maior do que as despesas administrativas, que somaram R$ 7,770 bilhões – alta de 2,7%.

Diante do cenário incerto, o BB também decidiu suspender as projeções para o desempenho deste ano. A estimativa do banco antes da crise era de registrar um lucro líquido entre R$ 18,5 bilhões e R$ 20,5 bilhões.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 1,2 mil novas mortes e 60 mil novos casos

Até o momento, 2.356.640 pessoas se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

A questão de Bolsonaro: ser ou não ser liberal

Ser ou não ser liberal. Eis a questão de Jair Bolsonaro. O presidente foi eleito com uma pauta de defesa das reformas, redução do tamanho do Estado e equilíbrio das contas públicas. O fiador desse discurso foi Paulo Guedes, que assumiu o comando da economia. O receituário foi seguido no primeiro ano de mandato, com […]

de olho nos números

Suzano, JBS, B3, Cyrela, Lojas Americanas, B2W, Hering: os balanços que vão mexer com o mercado nesta sexta

Balanços do segundo trimestre devem guiar os negócios no Ibovespa no último pregão da semana

Balanço

B3 tem lucro 28,9% maior no 2º trimestre e aumenta investimento para dar conta do volume da bolsa

A dona da bolsa brasileira registrou lucro líquido recorrente de R$ 1,012 bilhão e pretende investir até R$ 425 milhões em sistemas e novos produtos para o mercado

confiança com capitalização

Para presidente da Eletrobras, saída de Mattar não prejudica privatização

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse nesta quinta-feira, 13, que a saída do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, não irá prejudicar a capitalização da empresa prevista para o ano que vem, e que confia que após debates com o Congresso Nacional, o processo seja aprovado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements