Menu
2020-02-20T18:15:00-03:00
Ponto de luxo

Empresário do setor de educação transformará mansão de Edemar Cid Ferreira em escola

Projeto seguirá a linha da Ad Astra School, desenvolvido por Elon Musk

20 de fevereiro de 2020
18:14 - atualizado às 18:15
Mansão de Edemar Cid Ferreira
Imagem: Estadão Conteúdo

Fundador do Grupo Ser Educacional, um dos principais grupos educacionais do Nordeste, o empresário Janguiê Diniz vai transformar a casa do empresário Edemar Cid Ferreira, ex-dono do Banco Santos, que ele arrematou nesta semana por R$ 27,5 milhões, em evento da D1 Lance Leilões, em uma escola de educação básica.

Segundo o Instituto Êxito, responsável pelo projeto, a proposta é de um "centro de ensino de excelência, focado no desenvolvimento da criatividade, da inovação e do empreendedorismo".

O projeto seguirá a linha da Ad Astra School, desenvolvido pelo fundador da Tesla Motors e da Space X, Elon Musk.

Segundo o Instituto Êxito, que foi inaugurado em São Paulo no ano passado, a casa de quase 8 mil metros de área construída revelou-se o imóvel ideal para a escola.

O projeto arquitetônico é de Ruy Ohtake, com paisagismo de Roberto Burle Marx. "O que era um templo de educação se tornou um tempo de educação", disse Diniz, em nota. "Eu tive uma base educacional diferente do modelo das famílias de classe média ou alta, pois precisei enxergar nos estudos, com esforço extremo, e no empreendedorismo as saídas para a minha mudança de vida. Hoje, após o resultado que a educação e o empreendedorismo me deram, eu quero ir além e isso só será possível começando pela educação de base", continuou o empresário, em comunicado.

O Instituto Êxito afirma ter a filosofia de que, independentemente da classe social e econômica, qualquer pessoa pode transformar suas ideias em ações que mudem e melhorem a realidade e a comunidade na qual vive. O instituto, sem fins lucrativos, quer revelar "talentos escondidos e boas ideias a serem impulsionadas".

Ostentação

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo visitou o imóvel em uma das tentativas de venda, em 2017. Instalada em terreno de 12 mil m², a residência tem 4,5 mil m² de área construída e inclui facilidades como duas piscinas - uma coberta e outra ao ar livre -, uma adega para 5 mil garrafas de vinho, duas bibliotecas (com coleção de livros de arte incluída). Alguns objetos de arte e móveis ainda restam na casa. Só a mesa de jantar de 24 lugares teria custado, na época da aquisição, US$ 350 mil (mais de R$ 1 milhão).

Manter um imóvel dessa magnitude não é fácil nem barato. Desde a expulsão de Edemar, há oito anos, a residência - que, em um certo período, contabilizava quatro moradores e 54 empregados -, custou milhões à massa falida. Isso porque o projeto do arquiteto Ruy Ohtake já incluía, 20 anos atrás, a automação de persianas e um sistema completo de ar-condicionado - luxos que elevaram a conta de luz a R$ 100 mil por mês.

Além dos gastos fixos salgados, um eventual novo dono também terá de arcar com uma reforma, já que os problemas se proliferam entre corredores de mármore e escadarias suntuosas: há pisos de madeira podres, lâmpadas caídas e portas que já não abrem e nem fecham.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements