Menu
2020-03-18T20:13:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Juros

BC surpreende ao fechar porta para novos cortes na Selic, diz Solange Srour, da ARX

Diante do choque provocado pela pandemia do coronavírus e dos impactos na economia, ela avalia que o mercado vai “exigir” novos cortes de juros

18 de março de 2020
20:12 - atualizado às 20:13
Tela mercado juros
Imagem: Shutterstock

O corte da taxa básica de juros (Selic) para 3,75% ao ano veio em linha com o esperado pelo mercado financeiro. Mas no comunicado que acompanhou a decisão, o Banco Central sinalizou que não haverá novas reduções daqui para frente, o que foi uma surpresa. A análise é de Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos.

Diante do choque provocado pela pandemia do coronavírus e dos impactos na economia, ela avalia que a decisão vai manter a tensão no mercado, com a volta dos rumores de que o BC poderá anunciar cortes nas taxas de forma extraordinária.

“Provavelmente o mercado vai exigir mais queda de juros”, me disse a economista, que até esperava um único corte da Selic, mas de 1 ponto percentual – que reduziria a taxa para 3,25% ao ano.

Leia também:

Em situações normais, a sinalização mais conservadora (hawkish, no jargão de mercado) do BC poderia ajudar a estabilizar ou até a apreciar o câmbio, segundo a economista. “Mas diante do que está acontecendo, o câmbio não vai reagir à decisão do Copom.”

Quanto ao “arsenal” ao qual o BC se referiu no comunicado que acompanhou a decisão sobre a Selic, a economista da ARX avalia que, além de medidas de afrouxamento nas condições de crédito, a autoridade monetária poderá ampliar a ação no câmbio.

“O mercado está sentindo falta do BC estar mais presente. Uma intervenção maior no câmbio era esperada e não vem acontecendo” – Solange Srour, ARX Investimentos

Assim como praticamente todo o mercado, a economista reduziu a projeção para o PIB brasileiro em 2020 de 1,8% pra 1%. Ela indicou que essa estimativa “tem um viés de baixa muito forte”, mas prefere ter uma clareza maior de como a atividade vai se recuperar nos países afetados antes do Brasil para rever novamente as estimativas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Abertura

Bolsa abre em queda, sem exterior e com cenário interno dividido

Confira os principais eventos e indicadores para o dia de hoje

análise dos balanços

Juntos, Santander, Itaú e Bradesco têm salto no lucro, mas saúde financeira não tranquiliza mercado

Um contraste fica visível na comparação entre Santander e Itaú, principalmente: o comportamento da margem financeira das operações com clientes

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies