🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Em tempos incertos

4 formas de investir em dólar para se proteger – e lucrar – com a alta da moeda

O leque conta com escolhas variadas tanto para quem deseja ou precisa de uma exposição direta ao câmbio como para o investidor que está em busca de ativos que se beneficiam indiretamente da alta da moeda

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
18 de março de 2020
5:50 - atualizado às 8:01
Cédula de dólar
Imagem: Shutterstock

A disparada recente do dólar mais uma vez reforçou a máxima de que é essencial contar com a moeda norte-americana no portfólio como proteção caso as coisas deem errado.

Desde janeiro, a cotação saltou mais de 25% — saindo de R$ 4,02 para o recorde de R$ 5,05 alcançado nesta segunda-feira. O movimento reflete o pânico provocado pela pandemia de coronavírus e a ação muitas vezes descoordenada das autoridades, como a que levou ao tombo do petróleo.

Mas se contar com dólares na carteira é importante, qual a melhor forma de investir na moeda norte-americana?

O leque conta com escolhas variadas tanto para quem deseja ou precisa de uma exposição direta ao câmbio como para o investidor que está em busca de ativos que se beneficiam indiretamente da alta da moeda.

Conheça abaixo cinco opções: fundos cambiais, Certificados de Operações Estruturadas (COE), minicontratos de dólar, ações de exportadoras e fundos de índice (ETF).

1 - Fundos cambiais

Investir em fundos cambiais é uma das formas mais simples de se ter exposição à variação do dólar. O investimento é dirigido tanto para quem tem algum compromisso com a moeda (por exemplo, uma viagem marcada) como para quem pretende fazer hedge (proteção) para investimentos de risco.

Nesta modalidade, a rentabilidade da operação é bem próxima à variação da cotação do dólar, já que os ativos na carteira do fundo possuem relação direta ou sintetizada, por meio de derivativos, com a moeda americana. Como se trata de fundo, o investidor interessado tem de adquirir cotas.

Segundo Flávio Mattos, gerente-executivo de fundos de renda fixa e câmbio da BB DTVM, um dos fundos cambiais da gestora do Banco do Brasil, o BB Cambial LP, tem investimento inicial acessível, de R$ 0,01, e facilita a movimentação do investidor.

Isto porque, nele, é possível fazer aplicações e resgates imediatos, sem precisar esperar mais de um dia para a operação ser efetuada. “A grande vantagem é o resgate em D+0”, diz Mattos. “Sem falar, ainda, na compra de moeda física, que o fundo realiza sem pagar altos spreads.”

O spread é a diferença entre os preços de compra e venda do dólar praticados pelas casas de câmbio, como as operações realizadas pelas pessoas físicas.

A compra direta de moeda é uma estratégia menos eficiente justamente porque a casa vende o dólar por um preço maior do que pagou na compra.

O gerente-executivo da BB DTVM afirma ainda que a aplicação em fundos cambiais deve ser “algo natural” mesmo em períodos de calmaria e estabilidade da moeda. Ele confirma que o interesse pelo produto aumentou desde o segundo semestre de 2019, quando se iniciou um forte movimento de apreciação da divisa. A taxa de administração do fundo é de 1% ao ano.

Outros fundos cambiais, como o Trend Dólar FI Cambial e o Votorantim FIC de FI Cambial dólar, cobram taxas menores, com aplicações mínimas maiores, de R$ 500 e R$ 1000, respectivamente.

A Anbima aponta que houve aumento de 18% no patrimônio líquido de fundos cambiais de dezembro até fevereiro deste ano, de R$ 3,92 bilhões para R$ 4,65 bilhões.

Outra opção para quem quer correr atrás de segurança em dólar é investir em ouro, alternativa considerada "porto seguro" nos mercados.

Atenção, porém, a uma coisa: o ouro é um ativo cotado em dólar no mercado financeiro internacional, mas tem maior volatilidade uma vez que seu desempenho é influenciado também pelo mercado de commodities.

2 - Minicontratos de dólar futuro

Minicontratos de dólar futuro são mais uma opção para os interessados em se proteger e tentar lucrar com a alta da moeda norte-americana.

Este contrato, disponível para a negociação no mercado futuro da B3, possui um código — uma letra — correspondente a cada um dos meses do ano. É considerada uma opção acessível tanto a empresas de pequeno e médio porte quanto às pessoas físicas.

Um minicontrato representa 20% do contrato cheio de dólar, o que corresponde a US$ 10 mil. No minicontrato de dólar futuro, o investidor pode operar alavancado.

O que isto quer dizer? Simplesmente, que não é necessário ter em mãos o valor equivalente ao contrato, mas, sim, um percentual do valor do contrato que está sendo negociado. Esse percentual, chamado de margem de garantia, demonstra a capacidade do cliente arcar com possíveis prejuízos.

Em miúdos, a operação desses derivativos constitui acordos de compra e venda de dólar com preços previamente definidos. O investidor opera na ponta comprada (esperando que o dólar suba) ou vendida (esperando que caia).

Deste modo, a compra ou venda será concluída em uma data futura, e o resultado da operação — ou seja, o lucro ou prejuízo — corresponderá à variação da cotação da moeda no período coberto.

3 - Certificados de Operações Estruturadas (COE)

Os Certificados de Operações Estruturadas (COEs) são produtos financeiros cujo objetivo é simplificar uma operação de derivativos (instrumentos que têm preços derivados da variação do preço de outro ativo). O COE é versátil pois combina diferentes aplicações, sejam em índices, ações ou moedas.

O COE é capaz de oferecer opções distintas a depender do perfil do investidor. O instrumento pode ter capital protegido ou não, em casos de maior apetite ao risco. O primeiro tipo oferece proteção total do capital aplicado, garantindo que o investidor receba de volta, no mínimo, o valor que investiu; já o segundo, de valor nominal em risco, não prevê limite para perdas no capital investido.

“Um dos pontos positivos do COE é poder correr o risco na renda variável e ainda assim ter o seu capital protegido”, diz Rafael Panonko, chefe da equipe de análise da Toro. Segundo ele, trata-se de produto de cenário de longo prazo, que possui algumas limitações relacionadas ao prazo da operação e à liquidez do mercado.

“A partir do momento em que se compra o COE, não há muita liquidez, e não dá para sair dele”, diz Panonko. “É preciso avaliar também com cuidado a data do encerramento da operação, verificando-se o seu prazo máximo.”

Como ponto positivo para o investidor que pretende diversificar os investimentos no exterior, o COE também permite o acesso a mercados internacionais.

4 - Ativos em bolsa

Você também pode encontrar na bolsa formas de ter exposição ao dólar, via ações de empresas exportadoras e ETFs. Nestes casos, porém, as rentabilidades não serão necessariamente iguais à variação da moeda, porque os ativos estão atrelados a outras variáveis.

Os ETFs (Exchange Traded Funds) são fundos de investimento com cotas negociadas em bolsa, como se fossem ações. Esses fundos replicam o comportamento de um índice de referência, seja de renda variável (como o Ibovespa) ou de renda fixa — por esta razão, também são chamados de “fundos de índice”. Com eles, o investidor tem acesso ao mercado local e ao externo.

“Recomendo o IVVB11, ligado ao S&P 500, porque é uma forma alternativa de estar atrelado ao dólar”, diz Panonko, da Toro Investimentos. O S&P 500 é o principal índice de ações dos Estados Unidos. Ao comprar o ETF, é como se o investidor tivesse investido em todas as ações do índice, ficando, indiretamente, exposto ao dólar.

Por isso, o ganho no caso de uma alta da moeda pode não compensar uma eventual queda do índice de ações, como acontece neste momento, diante do choque nos mercados provocado pelo coronavírus.

Para investir em um ETF, basta abrir conta em corretora de valores, habilitar o home broker e adquirir as cotas.

Ações de empresas brasileiras voltadas para a exportação são outra pedida para quem deseja uma exposição apenas indireta ao câmbio. “Com relação ao dólar, gostamos de Vale e Suzano, ambas relacionadas a commodities”, diz Luís Sales, analista de ações da Guide Investimentos. A Suzano é a predileta entre os dois papéis, levando em conta questões ambientais e de governança, disse Sales.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar