Menu
Robert Kiyosaki
Coluna do Pai Rico, Pai Pobre
Robert Kiyosaki
Robert Kiyosaki é autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre e outros 25 livros sobre finanças
2020-01-23T18:29:35-03:00
LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

18 de janeiro de 2020
6:08 - atualizado às 18:29
contas imposto de renda
Imagem: Shutterstock

Olá Brasileiros! Aqui é Robert Kiyosaki e você aí no Brasil deve me conhecer pelo meu livro, o best seller Pai Rico, Pai Pobre, que vendeu mais de 30 milhões de cópias em 80 países.

A partir de hoje, todos os sábados, vou estar aqui para conversar com você sobre inteligência financeira.

Vou compartilhar nesta coluna as minhas principais ideais e as lições que aprendi ao longo da caminhada de sucesso como investidor e o que fiz para alcançar a liberdade financeira.

Eu cresci em Hilo, na Big Island, no Havaí. Hilo é uma cidade de economia açucareira, ou pelo menos era. Havia uma divisão entre os ricos proprietários das plantações e os trabalhadores das plantações. A divisão ia além da renda. Até as escolas eram divididas.

Os filhos pobres - trabalhadores das plantações - frequentavam a Hilo Union Elementary School, e os filhos ricos - dos donos das plantações - iam para a Riverside School — as escolas ficavam literalmente em lados opostos da rua.

Quando eu tinha nove anos, atravessamos a rua para dar uma volta pela Riverside School. Meu pai era secretário de educação do Estado do Havaí e, quando nos mudamos, eu pude frequentar a Riverside School, em vez da Hilo Union Elementary School.

Pela primeira vez na minha vida, me senti pobre.

Embora meu pai fosse altamente instruído e fosse um ótimo funcionário público, ele tinha pouca inteligência financeira e não era muito bom em finanças. Como resultado, estávamos sempre com dificuldades financeiras.

Quando pequeno, estudando na Hilo Union Elementary School, eu não sabia a diferença — todo mundo era pobre. Mas quando comecei a estudar na Riverside School, rapidamente ficou claro que minha família era pobre e que as crianças com quem eu estudava eram ricas.

Desde essa época, eu sabia que queria ser rico. Vi meus pais enfrentando batalhas financeiras, e o estresse que isso causava…eu sabia que isso não era para mim. Eu queria comprar coisas legais, ser generoso e aproveitar a vida sem preocupações.

Quando contei a meu pai rico, o pai de meu melhor amigo, e um empresário de sucesso, que eu queria ser rico, ele me perguntou: "Como você acha que se fica rico?"

"A gente ganha muito dinheiro", eu respondi confiante.

"Isso é parcialmente verdade", disse meu pai rico. "Mas alguém pode ganhar muito dinheiro e ainda não ser rico." Ele continuou explicando como algumas pessoas com empregos tradicionais e autônomos ganhavam muito dinheiro, mas não eram ricos porque tinham pouca inteligência financeira.

Eles perdiam a maior parte de seu patrimônio devido a altos impostos e compra de passivos.

Isso foi demais para o meu cérebro adolescente compreender. Eu só sabia que queria ganhar muito dinheiro. Mas agora que sou mais velho e espero estar mais sábio, entendo o que meu pai rico queria dizer.

Dinheiro não o torna rico. Sua inteligência financeira, sim.

Eu li um artigo no The Wall Street Journal, um editorial agradavelmente direto intitulado "Uma Mensagem de 'Henry'". Foi escrito por Mike Donahue, consultor financeiro de La Jolla, na Califórnia. Ele se apresentava como HENRY: High Earner, Not Rich Yet. Isso equivale a alguém que ganha bem, mas está longe de ser rico.

Em seu editorial, ele expressa suas frustrações do personagem HENRY:

“Estou nas faixas renda que paga 32% em impostos ao fisco federal norte-americano, e 10% ao estadual. Pago imposto sobre meus imóveis de 1,2%, propriedades muito caras na Califórnia. Sou autônomo e sujeito a um imposto sobre salário de 15% sobre os primeiros US$ 100.000 em renda e um imposto estadual sobre vendas de 8,75%. Se eu tiver ganho com um investimento, pago um mínimo de 15% de imposto federal e 10% de imposto estadual, mas só posso amortizar US$ 3.000 por ano se eu perder".

E é claro que o governo quer sempre mais.

Como escrevi em O Segredo dos Ricos: as 8 novas regras para lidar melhor com o dinheiro, a única maneira de um governo pagar por uma dívida massiva é por meio da inflação ou de impostos. Ambos são fatores que roubam patrimônios, destroem a classe média e aumentam a diferença entre os ultra-ricos e os pobres.

Ele HENRY continua lamentando: “Minha paciência e meu bolso estão chegando ao um ponto crítico. Estou cansado de ser a mula. Talvez eu desista e viva da ajuda do governo. Provavelmente até tenho problemas de saúde suficientes para endossar a estatística de um em cada sete adultos nos EUA classificados como incapacitado. Fui pobre e não tenho medo de voltar às raízes”.

Sem saída

Senti empatia por Mike Donahue. Sem dúvida, ele é um homem trabalhador, como afirma no editorial. Tenho certeza de que é gentil e generoso também. Mas ele não tem como escapar dos impostos. Quanto mais trabalha, e quanto mais ganha, mais o governo tira. Por quê? Porque ele está seguindo as antigas regras financeiras: estudar, arrumar um bom emprego, trabalhar duro, economizar, comprar uma casa e investir em um portfólio diversificado de ações, títulos e fundos de renda fixa.

E como ele trabalha por conta própria como consultor financeiro nos EUA, sua renda é tributada com as taxas mais altas.

Ele pode reclamar dos impostos, mas não pode escapar deles, se continuar a jogar de acordo com as regras antigas.

O plano de fuga

Para que Mike, e milhões de HENRYs como ele, escapem da força dos impostos que exterminam patrimônios, ele deve começar a jogar pelas novas regras do dinheiro.

Não faz sentido combater o sistema ou reclamar sobre como é injusto. É injusto e continuará assim.

A única maneira de pagar pelo déficit do orçamento do governo com a previdência social é imprimir mais dinheiro e aumentar os impostos. O sistema continuará sendo "injusto". Para vencer o sistema é preciso seguir as regras que os ricos criaram — as novas regras do dinheiro.

Escolha o lado certo

Em meu livro CASHFLOW Quadant: Rich Dad's Guide to Financial Freedom, falo sobre os quatro tipos de geradores de renda:

  1. empregados (E),
  2. autônomos (A),
  3. proprietários de grandes empresas (D),
  4. investidores (I).

Os Es e As estão no lado esquerdo do quadrante de FLUXO DE CAIXA (ou Renda Passiva), e os Ds e Is estão no lado direito. Os do lado esquerdo pagam mais impostos e são destruídos pela inflação, dívida e custos de aposentadoria. Os que estão do lado direito podem usar impostos, inflação, dívida e aposentadoria para enriquecer usando sua inteligência financeira.

Por exemplo, como investidor imobiliário, posso comprar imóveis com dinheiro do banco; usar minhas propriedades de investimento para criar renda passiva, eliminar alguns dos meus impostos, por meio de depreciação e despesas; e, depois de usar minha inteligência financeira para aumentar o valor da propriedade, recuperar todo o meu dinheiro investido na propriedade.

Trabalhei duro para encontrar bons investimentos e construir minha empresa. A diferença é que não estou jogando de acordo com as antigas regras do dinheiro. Como resultado, pago pouco ou nada em impostos e ganho mais dinheiro.

O sistema é organizado a favor de empresários e investidores. Não adianta reclamar. Cedo ou tarde, você precisa aceitar a realidade e usá-la em seu proveito. A única maneira de fazer isso é aumentando sua inteligência financeira.

Criei a Rich Dad Company para ajudar pessoas como Mike. Nossa missão é elevar o bem-estar financeiro da humanidade. Não quero que você ou qualquer outra pessoa sofra financeiramente por causa de um sistema injusto que rouba seu patrimônio por meio de impostos, inflação, dívida e custos de aposentadoria. Eu quero ver você prosperar e sair da roda dos hamsters. O segredo é a educação financeira.

Se quiser sair da roda que gira sem chegar a lugar nenhum, recomendo que participe de um seminário ou leia um livro, faça contatos com pessoas que pensam da mesma forma e que também desejam sair dessa armadilha e começar a jogar pelas novas regras do dinheiro.

Não espere que o governo o salve. Salve a si mesmo ao educar-se.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu