Menu
Robert Kiyosaki
Coluna do Pai Rico, Pai Pobre
Robert Kiyosaki
Robert Kiyosaki é autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre e outros 25 livros sobre finanças
2020-05-14T10:37:18-03:00
COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Focar num salário vai deixar você para trás

Frequentemente nos comparamos aos outros, em vez de olhar para os recursos que já temos e que podemos aproveitar sem esperar por nada.

9 de maio de 2020
5:50 - atualizado às 10:37
Cena de uma pessoa recebendo um pagamento
Sua ambição financeira deve ir além de um bom salário. - Imagem: Shutterstock

Fato: o medo de perder o salário é uma distração. Quando você para de se preocupar com isso, pode ver mais claramente muitas outras oportunidades a sua volta. Um estudo da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, entregou a estudantes envelopes com U$ 5. A ideia era simples: eles tinham o tempo que desejassem para planejar como gastar, mas, assim que abrissem o envelope, teriam apenas duas horas para fazer o máximo de dinheiro possível com base nesses U$ 5 iniciais.

Alguns estudantes fizeram coisas óbvias, como abrir uma barraca para vender limonada usando os U$ 5 para comprar os ingredientes. Outros resolveram lavar carros ou vender salgados. Mas alguns dos alunos perceberam que os U$ 5 na verdade eram uma distração… eles tinham habilidades que valiam muito mais do que U$ 5.

Esses alunos montaram uma estação para encher pneus de bicicleta no pátio da faculdade, fizeram reservas em diferentes restaurantes e depois venderam essas reservas, tiraram fotos em eventos da escola e depois as venderam às pessoas fotografadas. Existiam todas essas coisas que podiam fazer com os recursos que já tinham, mas os U$ 5 eram uma distração. Essas equipes acabaram ganhando centenas de dólares.

Não se distraia

Frequentemente nos comparamos aos outros, em vez de olhar para os recursos que já temos e que podemos aproveitar sem esperar por nada. Mas é somente quando você considera os recursos que possui, em vez de se distrair com o que não possui, que começa a enxergar as oportunidades disponíveis.

Este exercício ajudou esses alunos a adotarem uma mentalidade empreendedora. Ensinou-lhes que os problemas têm soluções, que é preciso procurar essas soluções e que não há apenas uma resposta certa.

Um dos maiores problemas no sistema educacional é que avaliamos se as pessoas aprenderam o conteúdo elaborando provas com perguntas de múltipla escolha que têm apenas uma resposta certa. Isso não apenas ensina que existe uma única resposta correta, como também nos impede de entender muitas coisas que são difíceis de mensurar.

Albert Einstein disse uma vez que "nem tudo o que conta pode ser contado, e nem tudo o que pode ser contado deve ser levado em conta".

  • Como você mede o amor?
  • Como você mede a ética?
  • Como você mede a criatividade?

Infelizmente, porque é difícil medir essas coisas, não as ensinamos, e isso é um grande erro. Deveríamos observar quanto esforço e energia você coloca no processo de aprendizado em si, em oposição a resultados específicos ou sua capacidade de memorizar informações. No mundo da inovação e do empreendedorismo, existem muitas tentativas que fracassam e você não pode punir as pessoas por tentarem. Caso contrário, não teríamos nenhuma das tecnologias ou empresas inovadoras que dominam os mercados hoje.

Uma coisa que pode ajudar a superar seu medo de falhar é um currículo com fracassos. Em vez de dizer que o fracasso é bom, eu vejo os fracassos como dados. Como cientista, se você fizer algo que não sai como o esperado, esses dados são considerados interessantes. Deveríamos estar explorando nossas “falhas” como dados. Currículos com fracassos registram seus maiores erros ou decepções profissionais, acadêmicas, sociais e emocionais. Mas você tem que saber o que aprendeu com esses fracassos.

Isso ajuda a reconhecer as lições que você aprendeu com os erros. Você não apenas aprende mais fazendo esse exercício, mas também pode deixar essas coisas de lado muito mais rapidamente. Elas não acabam se tornando um peso… porque você aprendeu a lição que veio delas.

Quando o dinheiro é sua única motivação

Ser motivado apenas pelo dinheiro pode ser prejudicial e pode levar você a ficar preso no seu emprego tradicional. Embora a maioria das pessoas queira proporcionar uma vida melhor para sua família, é importante entender que existem muitas outras coisas que são mais motivadoras do que dinheiro. O medo de não ter dinheiro é o motivo pelo qual as pessoas ficam presas trabalhando por esses cinco dólares. Que lugar horrível para se passar a vida... com medo o tempo todo.

Ser motivado principalmente por dinheiro pode levar as pessoas a serem gananciosas. Essas pessoas fazem todos os ricos parecerem ruins aos olhos do público, mesmo que existam pessoas ricas muito generosas. Lembro-me de ter aprendido na igreja: "é dando que se recebe".

Enfrento o mesmo dilema regularmente quando peço que homens e mulheres de sucesso no mundo dos negócios se juntem a nós na Rich Dad Company e transmitam seus conhecimentos a outras pessoas. A resposta que recebo é: "Por que devo compartilhar meus segredos?"

O que eles não conseguem perceber é o aspecto espiritual de compartilhar seus conhecimentos. Quanto mais você dá, mais aprende.

O medo não deve motivá-lo

Sempre foi nossa filosofia que as informações devem ser compartilhadas. Quando você disponibiliza seu trabalho ao mundo, mais pessoas aprendem com ele e mais pessoas são atraídas por ele. Não entendo por que alguém diria: "Ah, não posso compartilhar meus segredos". É uma declaração medrosa, motivada pelo medo de alguém roubar seu conhecimento e se tornar mais bem-sucedido do que você. É preciso entender que quanto mais você dá, mais recebe e mais bem-sucedido se torna.

Meu pai rico sempre me dizia que os ricos não trabalham por dinheiro, eles querem resolver problemas primeiro. É essencial ter isso em mente. Existem pessoas ricas que não são motivadas apenas por dinheiro, mas por um chamado ou propósito maior. As pessoas que são motivadas apenas pelo dinheiro desistem muito antes daquelas pessoas que estão realmente motivadas para resolver um problema importante.

Se você olhar o mundo através das lentes das possibilidades, existem soluções a serem encontradas por toda parte. Existem inúmeras maneiras de medir o valor dessas soluções, não só o dinheiro. Há valor emocional, educacional e espiritual, só para citar alguns. Se apenas olharmos o valor em termos de dinheiro, só há um caminho a seguir: direto para aquele salário, aquele beco sem saída que você odeia. Mas há muito mais oportunidades para criar coisas de valor se você seguir padrões mais elevados.

Suas possibilidades são infinitas

Meu primeiro negócio não envolveu dinheiro. Zero. No momento em que comprei minha primeira propriedade por U$ 0, eu sabia que estava livre. Não ter dinheiro nos fez ser criativos.

Tivemos que descobrir por que queríamos aquela propriedade. Quando criamos nossos negócios, não tínhamos dinheiro, mas estávamos ávidos pelo sucesso. Daymond John dizia: "Quando você está com fome, quer muito alguma coisa, vai fazer o que for preciso". Eu acho que esse é o maior benefício de começar do nada. Você tem infinitas possibilidades.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu