Menu
Robert Kiyosaki
Coluna do Pai Rico, Pai Pobre
Robert Kiyosaki
Robert Kiyosaki é autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre e outros 25 livros sobre finanças
2020-02-08T18:45:05-03:00
COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Domine o surfe, domine os mercados

Quando as pessoas me perguntam como eu aprendi a cronometrar os mercados, eu simplesmente respondo: “Eu cresci surfando”. Assim como o mar, os mercados também são cheios de ondas. Elas podem quebrar em cima de você ou você pode aprender a surfar.

8 de fevereiro de 2020
5:53 - atualizado às 18:45
Surfista passa no meio de onda
Surfista entra no tubo - Imagem: Shutterstock

Quando estava no ensino médio, passava a maior parte do tempo surfando ou olhando pela janela da sala de aula, observando as ondas do oceano.

Todo surfista sabe que ondas gigantes chegam em grupos. Geralmente, grupos de três. Isso significa que quando ou se alguém perder as duas primeiras ondas, deve fazer a volta e avançar para o mar. A terceira onda gigante está a caminho.

Lembro-me nitidamente da maior onda que já surfei. Era inverno, época em que as ondas gigantes atingiam as margens do Havaí. Eu não deveria estar na água. Eu deveria estar de pé na praia com a multidão, que se reunia para assistir ao espetáculo. As ondas eram maiores do que minha capacidade de surfar, mas o ego me levou para a água e me manteve nela.

Nesse dia, ouvi um surfista muito afastado de mim gritar: "Saia!".

Isso significava que eu estava muito perto do centro, bem na zona de quebra da onda.

Imediatamente, virei minha prancha e remei freneticamente, esperando ficar “de fora”.

A primeira das ondas foi como uma montanha. Mal cheguei ao topo já vi a segunda montanha em direção à costa. Quando saí do topo da primeira onda, vi os surfistas “de fora” ainda remando. Eu sabia que a terceira onda gigante estava chegando. Eu sabia que tinha que pegar a segunda onda ou ser exterminado pela terceira.

Eu estava um pouco atrasado na minha investida na segunda onda. Eu estimo que foi um swell de 3,6 a 4,5 metros. Provavelmente chegou a 5,5 metros quando eu me levantei e “comecei a descida”.

Minhas pernas queriam parar enquanto eu corria à frente da onda se rompendo atrás de mim, mas de alguma forma eu mantive o equilíbrio, surfei a maior distância que pude, peguei minha prancha e corri o mais rápido possível até a praia, para sair do caminho da terceira onda que estava começando a explodir.

A visão de meus companheiros surfistas, escalando a superfície da terceira onda gigante, sem conseguir, com a crista do swell se formando para depois se quebrar, e a imagem de suas pranchas voando pelo ar está marcada em minha memória.

Surfe

Quando as pessoas me perguntam como eu aprendi a cronometrar os mercados, eu simplesmente respondo: "Eu cresci surfando".

O gráfico abaixo mostra as maiores ondas financeiras da história.

Observe os três picos. No jargão de operadores da bolsa, esse padrão de gráfico é conhecido como "três ondas".

O primeiro foi em 1998. O segundo foi em 2008. Quando veremos o terceiro?

Historicamente, o terceiro pico sinaliza o ponto de exaustão a longo prazo.

Muitas vezes, uma baixa acontece após o terceiro pico.

O Fed é o guardião da economia dos EUA e, como tal, regula as instituições financeiras do país. Antes de 1913, o Congresso foi aprovado e o Presidente Woodrow Wilson assinou a Lei da Reserva Federal de 1913. Na época, os Estados Unidos não tinham banco central. Hoje, o Fed tem a tarefa de gerenciar a política monetária dos EUA, regular os títulos dos bancos e monitorar o risco.

O Fed está tentando desesperadamente reanimar a economia dos EUA e, assim, a economia global – e está conseguindo, pelo menos por enquanto. Impedir que uma bolha de crédito mundial estoure é pedir demais do Fed, mas a verdade é que o destino da economia global será determinado pelo que o Fed fizer nos próximos meses e anos.

Alguns dos eventos mais notáveis do Fed durante a história:

  • No início dos anos 30, o Fed fracassou em sua missão original de impedir que o pânico financeiro se transformasse em crise econômica. Um terço de todos os bancos americanos faliu, e a economia entrou em uma depressão que se estendeu por uma década.
  • Em 1971, Nixon tirou o dólar do padrão ouro, afirmando que o dólar americano era respaldado pela "boa fé e confiança completas" do governo dos EUA.
  • Alan Greenspan resgatou a comunidade especuladora de maneira tão consistente após cada colapso do mercado que o público passou a acreditar que investir em ações e propriedades era um caminho garantido para a riqueza. Durante todo o tempo, ele defendeu a desregulamentação do setor financeiro e incentivou o desenvolvimento de uma indústria de derivativos de US$ 700 trilhões (em grande parte não regulamentada).
  • Durante a crise financeira de 2007, o Federal Reserve recebeu a maior atenção, enquanto seu papel na definição da política econômica se expandiu drasticamente. Entre outros, avaliei o Fed por sua política de Quantitative Easing (QE), que era uma política destinada a ajudar na recuperação, mas, em vez disso, aumentou os ativos do Fed para US$ 4,5 trilhões em 2017.

Minha suspeita é de que, entre 2019 e 2025, muitos apostadores amadores ricos de hoje possam se tornar os maiores perdedores de amanhã.

É por isso que educação financeira é tao importante. E é por isso que no meu programa de Renda Passiva Semanal eu ensino os brasileiros a gerarem renda no mercado financeiro mesmo nos momentos de queda ou recessão. Deixa eu explicar como faço isso.

Tremores iniciais e tremores secundários

Eu cresci na grande ilha do Havaí. O vulcão que criou a ilha ainda está em erupção hoje. Antes de cada erupção, existem "tremores iniciais", que são pequenos terremotos que alertam os moradores de que uma erupção ou terremoto gigante está a caminho. Após a erupção ou terremoto gigante, há tremores secundários.

Na data de redação deste artigo, o número de tremores está aumentando. A maioria dos norte-americanos está satisfeita porque o desemprego está baixo, os empregos são abundantes e os salários estão aumentando.

Muitos não percebem a crescente dívida e crise de direitos, os incêndios no mercado de títulos e no mercado de ações, os principais desastres ambientais que causarão o aumento das taxas de seguro, os hackers virtuais, uma guerra global contra o terrorismo sem fim e os líderes governamentais que trocam farpas e acusações, em vez de resolver nossos problemas nacionais e globais.

Como prever o futuro

A maioria dos consultores financeiros afirma que não se pode prever o futuro. Esses especialistas afirmam que você não pode escolher a parte superior ou inferior de um mercado. E como não é possível para você (ou para eles) prever o futuro, eles recomendam que você deixe seu dinheiro com eles a longo prazo.

Para a maioria das pessoas, este é um bom conselho. Mas para quem quer ficar rico, estar à frente do futuro é uma das melhores maneiras de acumular patrimônio.

A melhor maneira de prever o futuro é estudar o passado ou fazer prognósticos. Meu pai rico costumava me dizer: "Há uma diferença entre um adivinho e um prognóstico". Por isso ele me incentivou a levar o estudo da história a sério. Ao longo dos anos, li ótimos livros sobre história econômica que abriram minha mente para o mundo que enfrentamos hoje.

Embora eu não saiba quando o próximo colapso acontecerá — colapsos sempre acontecem — o próximo devastará os baby boomers. Será como uma avalanche.

Não se limite a aprender como reconhecer uma crise iminente, mas, mais importante, descubra como você pode ganhar dinheiro com ela. As maiores oportunidades de investimento ocorrem quando as coisas estão em seu pior estado.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Seu Dinheiro no Sábado

MAIS LIDAS: Um bilionário na luta contra o coronavírus

A notícia a respeito das iniciativas do bilionário Elon Musk no combate à pandemia de coronavírus foi a mais lida dessa semana no Seu Dinheiro

Ano difícil

Braskem fecha 2019 com prejuízo líquido de R$ 2,8 bilhões, revertendo o lucro de 2018

A Braskem encerrou 2019 com um prejuízo bilionário e contração nas receitas e no Ebitda em relação a 2018

LIÇÕES PARA AVALIAR UM NEGÓCIO

8 formas de saber se é um bom investimento

Na escola, seu boletim é a marca do seu sucesso. Nos negócios, são as demonstrações financeiras. Se você quer ser bem-sucedido, precisa saber como tirar conclusões sobre a saúde da empresa e seu potencial.

Queda do petróleo

Distribuidoras de gás natural pedem à Petrobras antecipação na redução do preço

Associação Brasileira de Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) solicitou à Petrobras uma antecipação para 1 de abril na redução do preço do gás natural que vai ocorrer em maio deste ano, da ordem de 10%

Vendendo aéreas

Warren Buffett vende US$ 390 milhões em ações de companhias aéreas americanas

Buffett reduziu de seu portfólio o número de papéis da Delta Air Lines em 13 milhões, e da Southwest Airlines, em 2,3 milhões

Seu Dinheiro na sua noite

Produtos em falta: máscaras, álcool em gel e reais

A pandemia do coronavírus provoca desabastecimento de produtos como máscaras cirúrgicas e álcool em gel. Mas no mercado financeiro, a corrida para a proteção em dólar pode colocar outro item em falta: o real. Isso mesmo. E não estou falando só da falta de reais na carteira. Nos preços atuais, vai faltar moeda brasileira para […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu