Menu
2020-04-23T18:39:13-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Para onde vai o dólar?

UBS vê dólar a R$ 4,95 no fim do ano, mas em cenário pessimista pode atingir R$ 7,35 em 2021

Uma depreciação adicional de 32% do real frente ao dólar no cenário pessimista estaria dentro das faixas históricas calculadas desde 2000, segundo o UBS

23 de abril de 2020
12:34 - atualizado às 18:39
Dólar real câmbio
Imagem: Shutterstock

Para onde vai o dólar? Os economistas do UBS revisaram as estimativas para a trajetória da moeda norte-americana. No cenário-base do banco suíço, o câmbio deve encerrar o ano em R$ 4,95 – abaixo, portanto, do nível de R$ 5,40 alcançado nesta semana.

A estimativa do UBS também considera que o dólar deve se manter em queda ao longo do próximo ano, até o patamar de R$ 4,60 em dezembro de 2021.

Tudo isso, é claro, no cenário-base dos economistas Tony Volpon e Fabio Ramos, que leva em conta um enfraquecimento do dólar frente a outras moedas, uma leva queda do risco-país e um pequeno aumento no diferencial de juros entre o Brasil e o exterior.

Se essas variáveis melhorarem, o dólar pode cair para até R$ 4,30 no fim de 2021. Mas diante da crise e das altas sucessivas da moeda norte-americana, a pergunta mais pertinente é: e se as coisas piorarem?

No cenário pessimista, o UBS projeta o câmbio a R$ 5,75 no fim deste ano, mas a escalada da moeda não pararia por aí e poderia alcançar inacreditáveis R$ 7,35 em dezembro de 2021.

Para chegar a esse valor para o câmbio, os economistas consideraram que o risco-país medido pelo CDS subiria para 450 pontos (contra os 315 atuais) e a manutenção do diferencial de juros nos níveis atuais e um maior nível de prêmio de risco.

Mas o quão factíveis são esses cenários alternativos? De acordo com os economistas do UBS, uma desvalorização adicional de 32% do real estaria dentro das faixas históricas calculadas desde 2000.

“Acreditamos que esses cenários alternativos poderiam se materializar dependendo da reação da política pós-crise, principalmente em relação ao crescimento e à trajetória fiscal”, escreveram os analistas do UBS, em um relatório para clientes.

Na sessão de hoje, o dólar manteve a trajetória firme de alta e fechou o dia a R$ 5,5287 (+2,22%), cravando mais um recorde nominal de encerramento. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies