Menu
2020-03-27T15:53:20-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Contas públicas

‘Coronavoucher’ pode gerar déficit fiscal de 6% do PIB, diz UBS

Impacto líquido da queda de receitas e dos gastos extras gerados pelo “coronavoucher”, projeto aprovado no Congresso na quinta-feira (26) como forma de combater os impactos do novo coronavírus, pode levar a um déficit primário de entre 3,9% e 5,8% do PIB

27 de março de 2020
15:53
ubs
Imagem: Shutterstock

O impacto líquido da queda de receitas e dos gastos extras gerados pelo "coronavoucher", projeto aprovado no Congresso na quinta-feira (26) como forma de combater os impactos do novo coronavírus, pode levar a um déficit primário de entre 3,9% e 5,8% do PIB neste ano, disse o UBS, em relatório. O nível de déficit primário em relação ao PIB em janeiro foi de 0,5%.

Segundo o relatório, assinado pelos economistas Tony Volpon e Fabio Ramos, gastos fiscais extras, no geral, ficarão entre R$ 200 e R$ 300 bilhões — de 2,8% a 4,1% do PIB de 2019.

"Também estimamos uma queda na receita tributária geral, dada a faixa de crescimento entre 0,5% e -1,5% para 2020, de R$ 58 bilhões a R$ 98 bilhões", escreveram os economistas, ao justificar as expectativas para o déficit.

O banco disse, por outro lado, não acreditar que exista uma restrição imediata de financiamento no país.

"O Tesouro possui R$ 1,3 trilhão de reservas de caixa no Banco Central, e a corrida para diminuir o risco e aumentar a liquidez significa que Tesouro pode levantar recursos emitindo LFTs de taxa flutuante de curto prazo e LTNs de taxa fixa", segundo o documento.

Para o futuro, dados os custos das medidas, as principais variáveis para a trajetória fiscal de médio longo prazo serão se a crise vai impactar permanentemente o crescimento potencial e "se e quando" o Brasil puder disciplinar o crescimento geral de gastos sob o teto fiscal aprovado em 2016.

Nesta sexta-feira, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, anunciou em entrevista ao lado do presidente Jair Bolsonaro a abertura de R$ 34 bilhões em créditos extraordinários por dois meses, por meio de medida provisória.

Haverá a criação de fundo operacionalizado pelo BNDES, fiscalizado e supervisionado pelo Banco Central e com aporte de recursos do Tesouro Nacional, segundo nota do BC.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Bitcoin popular

Goldman Sachs e Citibank anunciam novos investimentos em bitcoin

A ideia é tentar oferecer a maior variedade de serviços e evitar as oscilações, típicas e comuns no mundo das criptomoedas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies