Menu
2020-10-09T08:07:56-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Inflação e esperança de novos estímulos nos Estados Unidos ditam ritmo dos negócios

9 de outubro de 2020
7:54 - atualizado às 8:07
A primeira onda de valorização da bolsa já passou, mas ainda dá tempo de surfar na segunda
Imagem: Shutterstock

Assim como nos últimos dias, a aposta em novos estímulos fiscais nos Estados Unidos deve seguir ditando o ritmo dos negócios Os investidores estão otimistas com a última conversa entre a presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi, e o secretário do Tesouro do governo, que discutiram mais uma vez a possibilidade de um acordo de estímulos amplo para a economia americana.

No Brasil, os investidores aguardam a divulgação dos dados da inflação medida pelo IPCA. A expectativa é que o índice avance cerca de 0,54%.

Mudando a página

Toda a preocupação do mercado doméstico com a situação fiscal e ruídos políticos ficou de lado nesta quinta-feira. Acompanhando o bom humor dos investidores internacionais, a bolsa brasileira fechou o dia em forte alta de 2,51%, aos 97.919,73 pontos. O dólar encerrou a sessão em queda de 0,65%, a R$ 5,58.

A expectativa do UBS BB de que os grandes bancos entreguem resultados positivos no terceiro trimestre ajudou o Ibovespa a manter o tom positivo nos negócios.

Aliança pelas reformas

Deve repercutir bem entre os investidores nesta sexta-feira a aparente aliança entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em torno da PEC Emergencial.

Os dois esperam acelerar o processo de aprovação da medida, que é essencial para conter despesas e servirá de base para a criação do programa Renda Cidadã.

Em entrevista, Maia afirmou que se tiver que escolher uma prioridade número um para ser aprovada ainda em 2020, seria a PEC Emergencial. Guedes, por sua vez, agradeceu o apoio de Maia. "Estamos juntos pelas reformas. O Brasil está acima de quaisquer diferenças que possamos ter, e elas são pequenas”, disse o ministro.

Estímulos no radar

A alta vista no exterior foi alavancada pelas conversas em torno de novos estímulos à economia americana.

Após o presidente Donald Trump anunciar a possibilidade de aprovação de medidas fatiadas, a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, negou o pacote de socorro ao setor aéreo, mas segue buscando um acordo mais abrangente.

No fim da tarde de ontem, a democrata e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, conversaram por telefone sobre o pacote, o que mantém a possibilidade de novos estímulos no radar dos investidores.

O cenário repercutiu bem nas bolsas asiáticas durante a madrugada, com a maioria das sessões fechando em alta. Na região, os investidores também digeriram o avanço do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da China, que avançou de 54 para 54,8, segundo a IHS Markit.

Assim como nos últimos dias, a aposta em novos estímulos fiscais nos Estados Unidos deve seguir ditando o ritmo dos negócios. Os índices futuros em Nova York indicam mais um dia de alta.

Na Europa, os investidores também aproveitam para ir às compras, mas as principais praças exibem sinais mistos. Pesa nos negócios do velho continente o aumento do número de casos de covid-19 na zona do euro.

Agenda

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulga a inflação oficial, o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA) (9h). A mediana da previsão dos analistas é que o índice avance 0,54%.

No exterior, os principais destaques ficam com o discurso do presidente do Federal Reserve de Richmond, Thomas Barkin, e do economista-chefe do Banco da Inglaterra.

Fique de olho

  • A Ânima confirmou a proposta de compra dos ativos da Laureate Brasil.
  • Em maior IPO do ano, Grupo Mateus precificou ações no piso da faixa indicativa, a R$ 8,97.
  • Conselho de administração da Localiza aprovou a proposta de fusão com a Unidas.
  • A Natura & Co deve captar R$ 5,61 bilhões em follow on, após precificar as ações em R$ 46,25.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

LUTO

Morre presidente da Samsung, aos 78 anos

Lee Kun-hee foi responsável por transformar a companhia em um dos maiores conglomerados do mundo

INFLAÇÃO

Custo alto deve se manter até 2021 no material de construção

Superaquecimento de itens é reflexo de distorção entre oferta e demanda, diz pesquisadora da FGV

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies