2019-02-13T15:12:07-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Internacional

Crise da Venezuela se compara ao colapso da União Soviética

Contração do PIB nos últimos anos figura entre os maiores da história. Desafio de retomar o crescimento pode ser maior que debelar inflação de 200% ao mês

12 de fevereiro de 2019
15:52 - atualizado às 15:12
União soviética URSS
Imagem: Shutterstock

Desde 23 de janeiro a Venezuela está no foco na comunidade internacional com “dois governos”. O reempossado Nicolás Maduro e o presidente interino Juan Guaidó. Enquanto o impasse político persiste, os especialistas do Instituto Internacional de Finanças (IIF), resolveram juntar alguns dados para ver o que restou da economia do país. Tarefa um pouco ingrata já que não existem dados oficiais.

A retração econômica é quase sem precedentes na história mundial, comparável, apenas, à crise no Zimbábue (1998) e ao colapso da União Soviética no início dos anos 1990. Para os especialistas do IFF, a profundidade da recessão aumenta o risco de uma incompleta recuperação da economia se e quando ocorrer uma reorientação de regime político. No curto prazo, as sanções dos EUA ao petróleo do país devem acentuara ainda mais a depressão econômica.

As estimativas de inflação seguem elevadas mesmo para padrões tipificados como episódios hiperinflacionários, mas o IIF pondera que o controle de preços pode ser feito de forma relativamente rápida. O desafio mesmo será promover uma retomada da atividade.

O país não publica dados oficiais desde 2016 sobre crescimento, mas uma retração de 37% na produção de petróleo sugere o tamanho da contração. O IIF lembra que os Estados membros da União Soviética levaram, em média, 12 anos para voltar ao patamar de PIB pré-crise, e essa experiência sugere que o cenário de recuperação na Venezuela certamente não será rápido.

Petróleo

O potencial de alavancagem dos Venezuelanos vem das maiores reservas provadas de petróleo do mundo, mas tirar proveito disso vai exigir uma profunda reforma do setor e atração de investimentos externos.

Ainda no segmento, o estudo lembra que os embargos atingem o país de duas formas. Primeiro, pela queda das exportações aos EUA, um dos principais parceiros comerciais. Segundo, o país é dependente da importações de óleo refinado dos EUA, já que produz petróleo “pesado” e sua capacidade de refino está sucateada. Assim, a previsão é uma queda superior a 10% na produção em 2019.

Inflação

No front inflacionário a situação também é crítica com a monetização do elevado déficit fiscal. As estimativas não oficiais de inflação estão elevadas mesmo tendo em conta os episódios de hiperinflação vistos na então União Soviética e Brasil dos anos 1980. Ao contrário do tempo de recuperação do PIB, os dados mostram que os processos desinflacionários foram mais rápidos, levando cerca de 12 meses para uma inflação mensal de 75% recuar para 4,5%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CHAPA CONFIRMADA

Eleições 2022: Veja quantos milhões Lula e Alckmin declararam ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

7 de agosto de 2022 - 12:49

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin confirmaram a chapa ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

NÃO ENTRE NESSA

AMTD Digital (HKD): A ação desconhecida que subiu mais de 32.000% em menos de um mês e agora entra em queda meteórica

7 de agosto de 2022 - 11:18

Recém-chegada a Nova York, as ações da AMTD Digital levaram a companhia a valer mais do que grandes bancos como o Goldman Sachs e BofA

ROTA DO BILHÃO

O Lobo de Cashmere: Como Bernard Arnault, dono da LVMH, fez uma fortuna de US$ 168,6 bilhões a partir de bolsas e joias

7 de agosto de 2022 - 8:15

Formado em engenharia e apelidado como “Exterminador do Futuro”, o francês transformou uma empresa de tecidos falida na maior companhia da Europa

IVAN SANT'ANNA

Sob a névoa da guerra: as chances de Rússia e Ucrânia após seis meses de conflito

7 de agosto de 2022 - 7:29

As coisas não se passaram da maneira que Putin queria, e já é muito remota a chance de a Rússia anexar integralmente o seu vizinho do oeste

Existe esperança

Elon Musk flerta com a possibilidade de seguir em frente com a compra do Twitter — mas antes quer certeza sobre o número de usuários da rede

6 de agosto de 2022 - 15:19

O bilionário Elon Musk, dono da Tesla, voltou a usar o próprio Twitter para pressionar os executivos da rede social

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies