Menu
2019-04-03T09:14:16-03:00
Estadão Conteúdo
Venezuela

EUA anunciam sanções contra petroleira PDVSA para pressionar governo Maduro

Governo anunciou bloqueio de US$ 7 bilhões em ativos e que US$ 11 bilhões em exportações devem ser perdidos pela Venezuela, com as sanções

29 de janeiro de 2019
7:21 - atualizado às 9:14
TRUMP E MADURO
Montagem de Donald Trump, presidente dos EUA, e Nicolas Maduro, presidente da Venezuela - Imagem: Shutterstock

O governo dos Estados Unidos impôs nesta segunda-feira sanções contra a petroleira estatal PdVSA, da Venezuela, como forma de pressionar o governo do presidente Nicolás Maduro e apoiar o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó. A administração do presidente Donald Trump afirmou pretender que o controle da PdVSA saia das mãos de Maduro para as de Guaidó.

O governo americano informou que serão bloqueados US$ 7 bilhões em ativos e que US$ 11 bilhões em exportações devem ser perdidos pela Venezuela, com as sanções. De acordo com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, a medida busca evitar o desvio de ativos da Venezuela para Maduro e preservá-los para a população local.

"O caminho para um alívio nas sanções para a PdVSA passa pela transferência rápida de controle para o presidente interino ou um governo subsequente, eleito democraticamente", afirmou a autoridade. "Apoiamos Juan Guaidó em sua busca pela volta da democracia na Venezuela", disse Mnuchin. Na semana passada, Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, afirmou que Maduro era um "usurpador" e deveria deixar o posto.

Mnuchin argumentou que as refinarias dos EUA já tomaram medidas anteriormente para reduzir as importações da Venezuela. Segundo ele, as sanções adotadas hoje devem ter "efeito mínimo" nas refinarias dos EUA. Além disso, deve haver algumas licenças especiais para autorizar certas transações de petróleo com a PdVSA, explicou.

De acordo com Mnuchin, o preço da gasolina nos EUA não deve sofrer alterações por causa da medida. Questionado sobre os preços do petróleo, ele argumentou que a commodity reflete neste momento o quadro na oferta e a demanda. Ainda segundo o governo americano, os ativos da Citgo nos EUA continuarão a operar normalmente. A Citgo America é uma subsidiária da venezuelana PdVSA.

Também presente na entrevista coletiva do governo, o Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, destacou que a economia venezuelana está "em estado de colapso", com milhões de refugiados para a região. Segundo Bolton, o presidente já havia deixado claro que "todas as opções estão sobre a mesa" para lidar com o quadro na Venezuela.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Fechamento

Mercado modera reação à inflação americana e bolsa consegue recuperação parcial; dólar sobe a R$ 5,31

Os investidores respiraram fundo, pegaram um copo d’água e digeriram melhor o choque da pressão inflacionária nos Estados Unidos

Caça às pendências

BNDES quer viabilizar privatização da Eletrobras e refazer leilão de bloco da CEDAE ainda este ano

Além disso, o banco de fomento trabalha em outros 120 projetos de desestatização que podem chegar a um investimento total de R$ 243 bilhões em obras

Oferta secundária à vista?

BNDES vai esperar o ‘melhor momento’ para vender ações da Copel

A BNDESPar, empresa de participações do banco, pretende se desfazer da fatia de 24% que possui das ações Copel

Mais uma para a lista

Mesmo com apoio de grandes investidores, Dotz interrompe processo de IPO

A empresa, que pretendia movimentar R$ 1,1 bilhão com a oferta, citou a atual condição do mercado de capitais brasileiro como o motivo por trás da desistência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies