Menu
2019-04-08T09:43:00-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Títulos públicos

Tesouro Selic virou vilão? Respire fundo e esqueça os dogmas

Frequentemente sugerido como alternativa para a poupança até para a reserva de emergência, o título, atrelado à taxa básica de juros, vinha rendendo menos que a caderneta no curto prazo em certas situações

8 de abril de 2019
9:43
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Dinheiro: ainda vale investir o seu no Tesouro Selic? - Imagem: Shutterstock

Se você acompanhou o Seu Dinheiro nesta semana que passou, deve estar a par de todo o bafafá envolvendo o retorno do Tesouro Selic , título público mais conservador do Tesouro Direto.

Frequentemente sugerido como alternativa para a poupança até para a reserva de emergência, o título, atrelado à taxa básica de juros, vinha rendendo menos que a caderneta no curto prazo em certas situações.

Comecei a dar atenção para o caso ao ver uma discussão de usuários em um grupo de investidores em renda fixa no Facebook. Conforme fui apurando a história percebi que eles tinham razão.

Os vilões da história eram, afinal, a diferença entre as taxas de compra e venda dos títulos (o chamado spread), a taxa de custódia e o alto imposto de renda para aplicações inferiores a seis meses. Além de, é claro, a menor Selic da história.

Confesso que não esperava que o Tesouro Nacional fosse tomar alguma providência, mas fui surpreendida com sua resposta. Até o final da semana, o órgão anunciou a redução do spread do Tesouro Selic, de um nível máximo de 0,04 ponto percentual para apenas 0,01 ponto percentual.

Desta forma, segundo as simulações do próprio Tesouro, o Tesouro Selic passa a ter retorno igual ou maior que a poupança, mesmo em prazos menores, com exceção dos primeiros três dias de aplicação, quando o spread gera perdas nominais para o investidor que faz resgate antecipado.

Mas esse gap dos primeiros dias já existia, e era até maior.

A notícia é uma vitória para o investidor. Embora o Tesouro Selic ainda não esteja necessariamente mais rentável que a poupança em absolutamente todas as circunstâncias, foi uma melhora e tanto.

Infelizmente, simulações mostram que, em certos casos específicos, o título público ainda perde um pouco da caderneta, mas não é mais uma derrota deslavada.

Em apenas uma semana, uma queixa dos investidores ganhou os holofotes e ensejou uma mudança. Difícil ter certeza se ela já vinha sendo gestada dentro do Tesouro Nacional - que alega que sim -, mas fato é que fizemos um barulho e aconteceu.

Tesouro Selic: comprar o vender?

Porém, passados todos esses acontecimentos, o ponto de interrogação que resta na cabeça do investidor é: beleza, mas afinal, onde raios eu deixo minha reserva de emergência? É pra comprar Tesouro Selic ou não?

Vou começar a resposta com o que, pra mim, foi a moral da história toda: não é possível afirmar categoricamente que uma aplicação é melhor que outra em todos os cenários e para qualquer perfil. Não há verdade absoluta (ou há poucas).

Todos gostaríamos que houvesse uma regra de bolso, uma receita de bolo - e Deus e vocês sabem que eu adoraria que isso fosse verdade, pois tento ao máximo dar as orientações mais genéricas possíveis -, mas não há.

O mercado e as circunstâncias mudam e, convenhamos, aqui é Brasil, um país que pode ser tudo, menos chato. Mesmo a tradicional caderneta de poupança já mudou suas regras diversas vezes, como o mestre Ivan Sant’Anna bem mostrou na sua coluna de ontem.

As coisas não “foram sempre assim” e não há qualquer garantia de que “serão assim para sempre”.

Se em tempos de Selic mais alta dava pra dizer que o Tesouro Selic rende mais que a poupança em qualquer prazo - “vai lá, tira seu dinheiro da poupança e compra um título” -, os eventos da última semana mostraram que, com juros baixos, não é bem assim que a banda toca.

O que hoje é uma “regra de ouro”, amanhã pode deixar de ser. Tenha isso em mente e permaneça vigilante. Ao perceber que suas verdades não mais se encaixam, reconheça e reavalie a carteira.

Dito isto, onde investir a reserva de emergência? Há algumas opções. O Tesouro Selic é uma possibilidade? Voltou a ser, depois dessa mudança. Mas você precisa ter em mente que, se resgatar em certos prazos, pode ter um retorno um pouco abaixo da poupança, e estar de bem com essa ideia.

Este pode ser o preço a se pagar pela segurança de aplicar em um título com garantia do governo federal, e pela possibilidade de ganhar mais conforme o tempo passa, caso você não precise resgatar sua reserva no curto prazo.

E a poupança, pode?

Pode deixar um dinheirinho na poupança? Também pode, uai. A poupança não é o mal encarnado. Mas eu acho que não vale a pena deixar muita grana lá, talvez só o equivalente a um ou dois meses dos seus ganhos, para fluxo de caixa.

O retorno é baixo, mas é o preço que se paga pela isenção de impostos e a tremenda facilidade que é ficar no seu banco e não ter que fazer absolutamente nada. Só não recaia no comodismo de deixar grandes somas na poupança por prazos longos, que isso não vale a pena mesmo.

Pode CDB? Pode também. Mas tem que ser um que pague, no mínimo, uns 100% do DI com liquidez diária. Em bancos médios tem de monte.

Tem gente que não gosta, porque apesar da cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), a mesma garantia da poupança, se o banco quebrar pode levar mais de mês pra você receber a grana de volta, sem rentabilidade.

Porém, de todas as opções, acho que os fundos de renda fixa conservadora são os mais curingas, desde que tenham liquidez diária e consigam render uns 100% do DI, já descontada a taxa de administração.

Para qualquer prazo eles vão bater a poupança, com risco muito mais diluído.

Outra opção é dividir a sua reserva de emergência em diferentes aplicações. Por exemplo, um dinheiro de mais curto prazo num fundo e de prazo mais longo no Tesouro Selic.

O importante é que o tamanho da reserva e o risco-retorno das aplicações façam sentido para o seu estilo de vida. Afinal, tudo tem seu preço, até no mundo das aplicações de baixo risco. E lembre-se: mantenha a calma, pois opções não faltam.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Benefício com garantia

Paulo Guedes reeditará BEm somente após a aprovação do Orçamento ou da PEC “fura-teto”

“O ministro disse ‘ou um, ou outro, o que sair primeiro a gente faz o BEm'”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da Abrasel

PPI

Decreto de Bolsonaro inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de um projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços

Exile on Wall Street

Bitcoins, IPOs, reestruturações e M&As: coisas para comprar ainda nesta semana

De onde você menos espera é que não vem nada mesmo. É notável a regularidade da incompetência. Ela não surpreende. Está sempre por aí.  Lembro com frequência da famosa frase, já meio clichê, você tem razão, do Kennedy: não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por […]

decolagem interrompida

Apertem os cintos: recuperação da Gol será mais turbulenta que o esperado

Companhia reduz projeções para receita no primeiro trimestre, dizendo que retomada dependerá de ritmo da vacinação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies