🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
ENTREVISTA

Gauss vê preferência do mercado por Bolsonaro contra Lula e aposta em dólar forte — menos contra o real

Fabio Okumura, sócio-fundador da Gauss e responsável pela gestão de R$ 2,5 bilhões, tem visão favorável para o país, mas diz que não tomaria posição de longo prazo com base no resultado das eleições

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
23 de agosto de 2022
6:17 - atualizado às 19:21
Montagem de Lula e Bolsonaro com prédios da Avenida Faria Lima ao fundo
Montagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Montagem: Beatriz Azevedo

Shoppings lotados, trânsito nas ruas, trabalho no escritório… Quem apostou no “novo normal” deve estar frustrado ao constatar que a rotina não mudou muito depois que a pior fase da pandemia da covid-19 aparentemente ficou para trás. Essa retomada dos antigos hábitos deverá se refletir na economia e, claro, nos investimentos.

A visão é de Fabio Okumura, sócio-fundador da Gauss Capital. Para o experiente gestor, a escalada da inflação e outros fenômenos provocados pela crise do coronavírus não serão uma preocupação de longo prazo nos mercados.

“A gente deve voltar para o mundo pré-pandemia, com inflação baixa e crescimento abaixo do potencial, principalmente nos países desenvolvidos”, me disse Okumura, em uma entrevista no escritório da Gauss — feita presencialmente, aliás.

A variável que não estava no roteiro da crise de saúde e que pode fazer alguma diferença é o risco geopolítico que estourou com a invasão da Rússia à Ucrânia, de acordo com o sócio da Gauss, que possui R$ 2,5 bilhões sob gestão.

Isso porque o abalo nas relações entre os países tende a esfriar o processo de globalização, que torna as economias mais eficientes. “A gente vai ter um mundo um pouco diferente nesse sentido, e mais inflacionário.”

Gauss compra dólar — e real

Com esse cenário de longo prazo na cabeça, Okumura pilota um fundo que tem como característica estar em constante busca por oportunidades no mercado. “É por isso que os investidores nos pagam, nosso trabalho é ser dinâmico mesmo.”

Desde o início, em 2014, o principal fundo da Gauss entregou um retorno de 124,5% aos investidores, contra 85,9% do CDI. No acumulado dos últimos 12 meses, porém, está atrás do indicador de referência.

Quando conversamos pela primeira vez, ainda no início da pandemia, Okumura revelou uma estratégia que se mostrou valiosa: colocar o dinheiro para trabalhar. Agora, com os juros passando por um processo de ajuste no mundo inteiro, não existe uma aposta tão clara.

Neste momento, a Gauss tem entre as principais posições a compra de dólar contra uma cesta de moedas. Afinal, o processo de alta dos juros nos Estados Unidos tende a atrair recursos para a maior economia do mundo. Por consequência, esse movimento deve fortalecer a moeda do país de Joe Biden.

Ao mesmo tempo, o BC europeu deve ter mais dificuldades em coordenar o aperto monetário diante das situações particulares de cada economia. Desta forma, a tendência é que o euro perca ainda mais valor perante a moeda norte-americana.

Mas o dólar mais forte não necessariamente significa um real mais fraco. Ao contrário, o gestor vê espaço para o câmbio se valorizar, em meio ao cenário de juros altos e o bom desempenho das exportações brasileiras.

Apesar de acreditar na tendência favorável para o real, os fundos da Gauss não têm posição na moeda brasileira agora — e por uma boa razão. “É difícil ficar vendido em dólar no meio de uma eleição, mas aproveitamos todos os momentos de alta para vender.”

Fabio Okumura, sócio e diretor de investimentos da Gauss Capital
Fabio Okumura, sócio e diretor de investimentos da Gauss Capital

Gabarito para as eleições? Não, obrigado

Por falar em eleições, Okumura aponta que o mercado, de modo geral, ainda prefere Bolsonaro contra Lula, mesmo que sem o entusiasmo de quatro anos atrás.

Para ele, o desempenho positivo do Ibovespa nos dias em que sai uma pesquisa mais favorável ao atual presidente é um sinal dessa opção da Faria Lima.

Isso não significa uma convicção pessoal nem que uma eventual reeleição de Bolsonaro seria melhor para os ativos brasileiros que a volta do petista ao poder, de acordo com o gestor.

“Se eu tivesse um gabarito [com o resultado] das eleições, não saberia o que fazer. Ou melhor, talvez tomasse uma posição sabendo da preferência do mercado, mas seria um trade de curto prazo.”

Por outro lado, ele não se mostra pessimista com o país, seja qual for o resultado das urnas. Okumura está no grupo dos que esperam o fim do ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic) nos atuais 13,75% ao ano.

Como esse cenário já está embutido nos preços e há muita incerteza sobre a ponta longa da curva, a Gauss não tem hoje posições no mercado de juros no Brasil.

Agora, para o investidor pessoa física que estiver disposto a suportar a volatilidade, Okumura vê uma ótima oportunidade nos títulos públicos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+) de prazos mais longos, com vencimento em 2055.

Para a Gauss, é hora das incorporadoras na bolsa

O fim iminente da alta da Selic também é uma boa notícia para a renda variável, mas a Gauss prefere se posicionar de forma mais tática na bolsa brasileira.

De modo geral, Okumura até concorda com a tese de que as ações estão baratas na B3. No entanto, ele avalia que há opções ainda mais baratas pelo mundo.

No caso, a principal aposta da Gauss está na bolsa japonesa. A visão é a de que a inflação, ao contrário do que acontece em praticamente todo o mundo, é positiva para o país do sol nascente.

Aqui no Brasil, a principal posição em bolsa da gestora está no setor de construção, justamente um dos que mais apanhou com o aperto monetário.

Mas a expectativa de que os juros ainda permaneçam altos por um longo período não é ruim para as ações das incorporadoras?

“Tanto as empresas como os fundos imobiliários sofrem muito durante o processo de alta, mas o grande detrator de rentabilidade vem mais da incerteza de saber onde o juro vai parar do que o nível absoluto da taxa”, afirma Okumura.

Dentro do setor, o gestor cita as ações da Direcional (DIRR3). A companhia atende ao público de mais de baixa renda e, portanto, deve se beneficiar das benesses lançadas recentemente pelo governo.

O risco de o BC dos EUA exagerar na dose

Junto com a inflação, o maior receio dos investidores no mercado financeiro hoje é o de uma recessão nos Estados Unidos. Pois Fabio Okumura tem poucas dúvidas de que um período de contração da maior economia do mundo é inevitável.

Isso porque o Fed, o BC norte-americano, vem sofrendo uma pressão forte para atacar a inflação, tanto do mercado como do próprio governo. “A consequência disso é que eles vão afundar a economia.”

Por outro lado, a recessão que deve ocorrer já no começo de 2023 não deve ser tão forte. Mas é justamente na intensidade do remédio que mora um dos maiores riscos para o mercado hoje, segundo o gestor.

Em outras palavras, se o Fed decidir adotar uma postura ainda mais agressiva contra a inflação poderá derrubar ainda mais a economia. 

“Eu, como engenheiro, não teria essa pressa porque acho que a inflação vai voltar depois dos efeitos da covid. Mas está claro que o Fed está pensando com a cabeça de economista, que prioriza o combate à inflação.”

Compartilhe

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

As ações desta empresa já saltam mais de 57% em 2024, mas Itaú BBA diz que ‘o navio ainda não zarpou’ e papéis podem entrar para o Ibovespa ainda neste ano

18 de julho de 2024 - 12:37

O banco de investimentos publicou um novo relatório nesta quinta-feira (18) para reforçar ainda mais a sua visão positiva para a companhia

DESTAQUES DA BOLSA

Ação da BRF (BRFS3) desaba quase 7% na B3, e frigoríficos lideram as perdas do Ibovespa hoje. O que está por trás da queda?

18 de julho de 2024 - 12:16

O movimento acompanha a confirmação do Ministério da Agricultura de detecção de um foco da doença Newcastle no Rio Grande do Sul. Mas por que isso afeta o setor de proteínas?

PELA 3ª VEZ CONSECUTIVA

Fundo imobiliário BTAL11 volta a pagar os maiores dividendos de sua história e gestão diz como quer manter proventos no patamar recorde nos próximos meses

18 de julho de 2024 - 12:13

O FII pagará R$ 0,84 por cota neste mês, cifra que representa um dividend yield anualizado de cerca de 13,4%.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar