💰IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-05-21T12:25:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Fim da exclusividade dos militares?

Ações da Taurus disparam após declaração que decreto de Bolsonaro libera a venda de fuzil para civis

Antes de exclusividade militar e de policiais, o fuzil T4 já tem uma fila de 2 mil pessoas. A fabricante de armas viu os seus papéis na Bolsa dispararem após o anúncio, com as ações preferenciais e ON ultrapassando a marca dos 10% por volta das 10h40

21 de maio de 2019
9:56 - atualizado às 12:25
Taurus
Fuzil T4 da Taurus - Imagem: Reprodução/ Site Taurus

O decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 7 de maio, flexibilizando o acesso de civis ao porte de armas, pode ter facilitado a compra de armamento ideal para uso militar, como o fuzil T4 da Taurus, pela população. Pelo menos é o que diz a fabricante de armas brasileiras, que já tem uma fila de espera de 2 mil clientes para o produto.

A declaração teve impacto nos papéis da empresa na Bolsa, e dispararam na abertura do mercado. Por volta das 10h40, as ações preferenciais da empresa (FJTA4) subiam 10,23%, enquanto os papéis ON (FJTA3) apresentavam alta de 10,54%. No Twitter, a fabricante de armas entrou para os Trending Topics da rede, se tornando um dos assuntos mais comentados da manhã desta terça-feira (21), com quase 50 mil menções.

O fuzil T4 é um semiautomático de calibre 5,56 e, de acordo com a TV Globo, a empresa só espera que a medida comece a valer para atender os seus clientes. A expectativa da companhia é que consiga supria a demanda em até três dias. No site da empresa, o armamento está listado como "ideal para o uso militar e policial".

Procurado pela equipe do jornal O Estado de São Paulo, a Casa Civil, do Palácio do Planalto, informou que a informação dada pela fabricante de armas não procede, já que o decreto não enquadra armamento de uso restrito, como seria o caso do fuzil T4 .

Mas segundo a Taurus, a energia cinética do fuzil é de 1.320 joules, inferior ao permitido pelo decreto do presidente. A medida aumenta o limite de energia cinética das armas para 1.620 joules .

Além disso, o decreto também liberou o uso de armas e armamentos antes restritos a militares e membros das Forças Armadas para civis. O texto também permite que 19 categorias tenham acesso facilitado para portar armas.

 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

APAZIGUOU

CCR (CCRO3) faz acordo com governo do Paraná para encerrar pendência de R$ 321 milhões vinculadas à RodoNorte

7 de dezembro de 2022 - 20:33

O saldo remanescente relacionado ao equacionamento do desequilíbrio econômico do contrato de concessão será pago por meio de obras a serem combinadas entre as partes

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa recua antes de votação da PEC da Transição, Vale (VALE3) desagrada investidores, Petrobras (PETR4) corte preço do gás de cozinha e outros destaques do dia

7 de dezembro de 2022 - 20:01

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta quarta-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo e as ações com o melhor e o pior desempenho do Ibovespa

NATAL CHEGOU MAIS CEDO?

CPFL Energia (CPFE3) paga última parcela de dividendos bilionários na próxima semana; veja quem terá direito a mais de R$ 1,8 bilhão em proventos

7 de dezembro de 2022 - 19:49

Serão distribuídos cerca de R$ 1,621140258 por ação na próxima semana, em 15 de dezembro

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa fecha em queda de 1% e dólar também recua com commodities e votação da PEC da Transição no Senado; Magazine Luiza (MGLU3) anota o maior tombo dia

7 de dezembro de 2022 - 18:56

s a espera pelo veredito dos parlamentares não foi a única a dar o tom dos negócios hoje: a última reunião do Copom também gerou expectativa nos investidores

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Entre a hipérbole e o eufemismo

7 de dezembro de 2022 - 18:54

Se estamos prestes a cometer um erro grave, e parcialmente cegos em relação a isso, o mercado fornecerá rapidamente um simulacro dos resultados desse erro: desvalorização cambial, alta dos juros futuros, queda da Bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies