Menu
2019-05-29T13:13:36-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Campos Neto: Não devemos cair na tentação de trocar crescimento de curto prazo por inflação mais alta

Traduzindo a fala do presidente do Banco Central, isso quer dizer que não teremos redução da Selic tão cedo. Ele também falou sobre meta de inflação, compulsório e reservas internacionais

29 de maio de 2019
13:13
Roberto Campos Neto
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - Imagem: Print Youtube

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, voltou a reforçar que a melhor forma de o BC contribuir para a retomada do crescimento é manter a inflação e as expectativas de inflação na meta.

“Temos deixado bastante claro que existe sim uma preocupação com o crescimento econômico e que a gente acha que a melhor forma de atingir o crescimento econômico é, exatamente, entregar meta de inflação constantemente, ter as expectativas ancoradas e não cair na tentação de trocar o crescimento de curto prazo por inflação mais alta, porque na verdade isso tende a causar inflação alta e crescimento baixo”, afirmou.

Política monetária também se faz com repetição e é isso que Campos Neto tem feito nas suas falas recentes, embora parte do mercado, vez ou outra, embarque na ideia de que o BC vai cortar um pouco mais a Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano.

Como já dissemos outras vezes, juro baixo e estável é boa notícia para os investimentos, notadamente, bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto.

Em audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO), em 16 de maio, Campos Neto já havia dito que: “Nossa meta é inflação. A melhor forma de crescer de forma estável é ter inflação sobre controle e expectativa de inflação ancorada” e que “achar que vamos trocar inflação controlada por crescimento de curto prazo é voo de galinha”.

Alguns analistas têm relacionado um possível corte da Selic à aprovação da reforma da Previdência. No entanto, o que de fato que o BC vai olhar é como estarão as projeções e as expectativas de inflação.

Em tese, a aprovação da reforma seria um gatilho para crescimento e consumo mais fortes, vetores que tenderiam a elevar a inflação corrente e projetada.

A fala de Campos Neto aconteceu durante a divulgação da Agenda BC#, uma nova versão ou mesmo ampliação da Agenda BC +, que traz uma série de medidas e iniciativas microeconômicas que buscam ampliar a concorrência no sistema financeiro, melhorar a transparência, estimular a educação financeira e o desenvolvimento do mercado de capitais.

Para demonstrar a importância que a medida tem para o BC, todos os diretores estavam presentes, com exceção de Carlos Viana (Política Econômica), que cumpre agenda em São Paulo.

Meta de inflação

Campos Neto também foi perguntado sobre a meta de inflação de 2022 que será fixada no fim de junho pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Já temos notícias de que parte do mercado apoia uma redução da meta para 3,5%. A meta de 2021 é de 3,75%, a de 2020 é de 4% e a deste ano é de 4,25%.

O presidente do BC disse que essa é uma decisão do CMN, que reúne além do presidente do BC, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, e que o assunto nem começou a ser debatido internamente pelo BC.

“Não tenho nem como começar a falar nada, porque, na verdade, não é uma decisão do Banco Central, o Banco Central tem um voto em três. Vamos discutir entre nós para levar uma proposta. Esse debate nem aconteceu ainda, vai acontecer em breve, mas não tenho como adiantar nada porque não é uma decisão do BC”, afirmou.

Compulsório

Está na Agenda BC # a redução de longo prazo dos depósitos compulsórios, parcela de recursos que os bancos captam, mas são obrigados a depositar junto ao BC.

Campos Neto enfatizou que essa é uma agenda de longo prazo e que compulsório não é ferramenta para estimular a economia, embora a liberação de recursos tenha esse efeito.

Segundo o presidente, as medidas já tomadas para simplificar as intrincadas regras que regem os compulsórios já promoveram uma redução no estoque da casa de R$ 500 bilhões para cerca de R$ 400 bilhões. Mas Campos Neto classificou tal redução de “tímida” e disse que “tem espaço para otimização disso”.

Reservas Internacionais

Toda a vez que se toca no assunto há um furor no ar e não foi diferente na coletiva. O BC disse que nada de radical está sendo proposto e que há um grupo de trabalho fazendo estudos mais aprofundados sobre a gestão das reservas.

Diante de novas perguntas sobre o tema, Campos Neto disse que não tem nada sobre vender reservas para “fazer isso ou aquilo”, como sugerem alguns membros da academia e do Congresso. A discussão é sobre gestão dos US$ 380 bilhões em reservas. “Não é reinventar a roda, são melhorias marginais.”

Como exemplo, o diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra Fernandes, lembrou que no fim do ano passado, o BC optou por reduzir a alocação de parte das reservas em uma cesta de moedas de commodities. Olhando os riscos, disse o diretor, faria mais sentido fazer investimentos em algo mais descorrelacionado com os riscos domésticos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Estratégias na crise

Moat Capital vê ações de estatais “a preço de Dilma” e segue com Oi e Via Varejo nos fundos

A bolsa não está barata diante da grande incerteza que permanece no radar, mas em termos relativos hoje oferece bastante oportunidade, diz Luiz Aranha, sócio da gestora que possui R$ 4,5 bilhões em patrimônio

SD Premium

Os segredos da bolsa: num mundo intranquilo, não espere vida fácil no mercado de ações

A escalada nas tensões sociais nos EUA e no Brasil podem aumentar a cautela na bolsa — e a agenda econômica carregada aparece como mais um fator de risco a ser considerado pelos investidores

Números trimestrais

Embraer, Braskem e BR Malls divulgam resultados nesta semana; veja o que esperar

Balanços do primeiro trimestre de 2020 mostram começo do impacto do coronavírus para as empresas de capital aberto

Número de casos do novo coronavírus no Brasil ultrapassa 510 mil

Com 480 mortes registradas nas últimas 24 horas, o número de óbitos pela covid-19 chega a 29.314

governo diante da crise

Bolsonaro atrasa promessas contra covid-19

Foram 17 compromissos sobre medidas de combate à pandemia entre 17 de março e 21 de abril. Dessas, 41% não foram cumpridas integralmente

crise em debate

Na China, preço do minério de ferro dispara 24%

Negociadores temem que a situação da pandemia por aqui provoque interrupções na cadeia de fornecimento do material

em meio à pandemia

Em Brasília, Bolsonaro vai a manifestação contra STF; São Paulo tem ato pró-democracia

Supremo tem sido alvo de ataques por parte do presidente após a Corte autorizar o cumprimento de mandados de busca e apreensão de aliados

conflito entre poderes

Ministro do STF compara Brasil à Alemanha de Hitler e diz que bolsonaristas querem ditadura

Em mensagem a ministros da corte, Celso de Melo diz que “é preciso resistir à destruição da ordem democrática”, segundo informações obtidas pela Folha de S. Paulo

histórico

SpaceX, de Elon Musk, chega à Estação Espacial; veja vídeo

Empresa finalizou primeira parte da missão espacial com astronautas da Nasa; operação deve abrir caminho para futuras viagens, inclusive turísticas

caos no país

EUA têm quinta noite seguida de protestos; ao menos 20 cidades declaram toque de recolher

Manifestações insurgiram após a morte de um homem negro de 46 anos, asfixiado por um policial branco no último dia 25; total de prisões é de 1,7 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements