Menu
2019-03-22T09:14:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Rodrigo Maia faz um novo e contundente alerta ao governo

Presidente da Câmara ameaça deixar articulação política irritado com postura de Bolsonaro e filhos. Notícia vai pesar sobre o comportamento dos mercados

22 de março de 2019
9:14
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por ora, a notícia do dia no campo econômico é uma só e não é boa: “Maia ameaça deixar articulação política da Previdência”, do jornal “O Estado de S.Paulo”. Mais uma vez o pivô do desgaste é o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, e seus tuítes de ataques a Maia após desentendimento dele com o ministro da Justiça Sérgio Moro, sobre a tramitação das metidas de combate à corrupção.

Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi um apoiador de primeira hora das reformas, chamando para si a responsabilidade de tocar o projeto quando ele chegasse à Câmara e se engajando, também na importante batalha da comunicação, buscando esclarecer o texto e minar a atuação de corporações contrárias à reforma.

Essa não é a primeira vez que o presidente da Câmara faz um alerta ao governo, que por vezes parece sem foco em suas prioridades. No fim de fevereiro, em entrevista ao “Valor Econômico” e em evento na “Folha de S.Paulo”, Maia disse que o governo vinha perdendo a batalha da comunicação e fez um apelo para que o presidente e seus apoiadores usassem, justamente, as redes sociais para defender a reforma.

Mas agora há uma mudança de tom, “nada boa”, segundo um amigo com trânsito no Congresso, do principal articulador do tema no Congresso. “Eu sou a boa política, e não a velha política. Mas se acham que sou a velha, estou fora”, nos relata do “O Estado de S.Paulo”.

Com essa postura, Maia volta não a pedir, mas a “gritar”, por assim dizer, para que Bolsonaro assuma seu papel de presidente na condução de reforma e que seus filhos parem de atacar aliados.

A impressão é de que nas redes sociais e nas suas lives do “Facebook”, Bolsonaro e família tentam manter sua militância mais fiel engajada. Mas esquecem que o período de campanha já acabou e que há um governo para conduzir.

Fazer política é também fazer gestos e isso não tem nada a ver como velha ou nova política. É possível e importante falar com “as bases”, o PT sempre foi mestre em fazer isso, mas não precisa atacar aliados.

Ter o presidente da Câmara como inimigo não é bom negócio para nenhum governo, ainda mais um governo que ainda não conseguiu encontrar uma forma de “fazer política” e é fustigado até mesmo pelo seu partido.

Agora, é aguardar o "corpo de bombeiros" entrar em campo e algum gesto de Bolsonaro, mesmo que lá do Chile.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Setor em crescimento

Produção de petróleo e gás no Brasil sobe 4,5% em abril, revela ANP

Volume chegou a 3,798 milhões de barris no mês passado, e pré-sal responde por 72,7% do total produzido

queda na produção

Zona do euro entra em 2ª recessão técnica em um ano

Ambas as variações confirmaram estimativas preliminares do fim de abril e vieram em linha com as expectativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

reduzindo participação

Participação da Petrobras em investimentos no PIB caiu para 3,8% em 2020, mostra levantamento

Em 2014, a participação na FBCF da estatal era de 7,6%, passando para 3,8% em 2020, segundo levantamento do economista Cloviomar Caranine

Operação confirmada

CSN protocola pedido de registro de IPO de sua unidade de cimentos

A oferta inicial da CSN Cimentos havia sido aprovada pelo conselho de administração no final de abril. Intervalo de preço por ação ainda será definido

MAIS PERTO DO CÉU

Ibovespa segue flertando com topo histórico, mas manter ‘otimismo cauteloso’ nunca é demais

Em dia de agenda fraca e exterior positivo, CPI da pandemia é o principal risco de água no chopp da B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies