Menu
2019-04-09T20:44:38-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
CCJ

Relator mantém texto integral da reforma da Previdência

Base governista chega cedo, garante inversão de pauta e joga um pouco melhor o jogo da oposição

9 de abril de 2019
19:21 - atualizado às 20:44
Felipe Francischini presidente CCJ Câmara
Presidente da CCJ da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL - PR) - Imagem: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

Não tivemos um episódio tão marcante quanto o “tchutchuca” e “tigrão” na sessão desta terça-feira da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas a oposição fez seu show, usando de todas as manobras para atrasar a leitura do parecer sobre a reforma da Previdência.

No entanto, desta vez, o governo soube jogar o jogo um pouco melhor. Chegou cedo à CCJ, protocolou uma inversão de pauta, derrubou requerimento para retirada da matéria e fez fila para se inscrever e falar primeiro, devolvendo na mesma moeda o que foi feito na audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Depois de ameaças de roubo do relatório e um tumulto na mesa o fato é que o relatório, elaborado pelo deputado delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), foi lido e deverá ser votado na próxima semana.

O parecer tem 55 páginas e diz que "as impropriedades detectadas devem ser enfrentadas e sanadas por ocasião do debate do mérito a ser realizado na Comissão Especial".

O texto de Freitas, que não propõe alterações sobre a versão vinda do Executivo, deve ser aprovado pela comissão, já que a oposição faz barulho, mas simplesmente não tem votos suficientes.

A inversão de pauta, para garantir a leitura, foi aprovada por 39 a três e o pedido de retirada foi rejeitado por 40 votos a sete.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR) também mostrou mais firmeza na condução da sessão, rebatendo os recalcitrantes pedidos da oposição por questão de ordem e outras firulas regimentais ou não. Ainda assim, a sessão se arrastou por mais de seis horas. A leitura do relatório começou as 18h49 e se encerrou às 20h40.

Depois da CCJ, a batalha deve ficar ainda mais dura na Comissão Especial a ser designada para tratar do mérito do texto. É neste momento que o poder de barganha do governo será colocado à prova para garantir a economia de R$ 1 trilhão e que o pretendido regime de capitalização seja ao menos autorizado para sua posterior regulamentação.

Nas discussões, a oposição mostra que não existe nada mais conservador do que quem se diz progressista. O famoso nada pode mudar em nome dos “direitos” e sempre usando o pobre como um escudo.

Na defesa da proposta, um apelo à racionalidade e à matemática das coisas, mas são falas que não “empolgam” por serem racionais.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

plano em prática

BNDES firma acordos com seis Estados para privatizar 26 parques de conservação

Banco mapeou, ainda em 2020, em torno de 100 unidades de conservação, entre federais e estaduais, com potencial de serem concedidas

Alimentação

Mesmo sem auxílio emergencial, BRF, JBS e Burger King permanecem otimistas para 2021

CEOs de companhias de alimentação reforçam otimismo destacando investimentos em suas respectivas atividades, e consideram ganho de produtividade crucial para enfrentar aumento de custos

mudança

Petrobras sobe preço da gasolina pela 2ª vez este ano

Estatal disse também que o preço médio de diesel passará a ser de R$ 2,12 por litro, refletindo uma aumento médio de R$ 0,09 por litro

novata na bolsa

HBR Realty estreia em alta na B3, mas termina o dia em queda

Empresa, que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades, optou por formato diferente de IPO

em evento

BNDES diz que seguirá firme na estratégia de vender participação acionária

Segundo Montezano, a estratégia de desinvestimentos passa por se desfazer de participações acionárias em “empresas maduras”, como “Petrobras, Vale, Suzano, Klabin e AES Tietê”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies