Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-05T14:48:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nada mau...

Reforma da Previdência: até agora, melhor que o esperado

Colocando o histórico do tema em perspectiva, os resultados de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes superam as expectativas

24 de fevereiro de 2019
13:03 - atualizado às 14:48
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro: dobradinha parece ter funcionado muito bem até aqui, principalmente no tema reforma da Previdência - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

Colocando o histórico do tema reforma da Previdência em perspectiva, os resultados de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes superam as expectativas

A profusão de notícias é tamanha que, por vezes, perdemos o senso de evolução com relação aos temas que estão em discussão. Conversava sobre a reforma da Previdência com um amigo, comentando sobre as 4h20 da entrevista coletiva feita na última quarta-feira para explicar os principais pontos do texto enviado ao Congresso, quando me dei conta de olhar o assunto com uma perspectiva um pouco mais ampla. A conclusão de ambos é de que até agora as melhores expectativas foram atendidas.

Durante a campanha e pouco depois da eleição, a dúvida era se Paulo Guedes teria conseguido convencer Jair Bolsonaro sobre a importância da reforma. O capitão sempre teve um discurso contrário, chegando a dizer que jamais atuaria para levar “miséria” aos aposentados.

Junto disso, veio a preocupação com relação ao timing de apresentação da reforma. Seria ou não prioridade? Confirmado que alguma reforma seria proposta, as indagações que se seguiram foram com relação à firmeza do ajuste proposto.

Guedes sempre foi defensor de uma reforma “dura”, com idades mínimas iguais para homens e mulheres, e um tempo de transição relativamente curto. Já Bolsonaro falou, pouco depois da posse, em idades de 57 anos para mulheres e 62 para os homens, cenário que foi dado “como martelo batido”, na véspera da apresentação do texto.

No fim, os acontecimentos da semana nos mostraram que Guedes não só convenceu Bolsonaro da importância e urgência da reforma, como o texto apresentado tem sido classificado como “mais duro” que o esperado.

Além disso, o capitão foi até o Congresso Nacional levar a proposta em um importante gesto político. Admitiu que errou quando se posicionou contra a reforma e ainda fez um pronunciamento à nação sobre o tema.

Ao recapitular esses episódios lembrei de algo que Guedes falou em uma reunião com “gente de mercado” que aconteceu no Rio de Janeiro, em agosto do ano passado. Que no “acordo” entre os dois, Guedes trataria da economia e que Bolsonaro reconhecendo suas limitações sobre o tema sempre o ouviria. Já Bolsonaro ficaria com a parte política, já que Guedes é que não tem conhecimento prático nesse campo.

Esse “acordo” voltou a aparecer na solenidade de posse dos presidentes de bancos públicos, quando Bolsonaro lembrou da aproximação e “namoro no bom sentido” com Guedes no período de campanha. Segundo o presidente, foi um sinal de humildade, sem qualquer demérito, reconhecer que Guedes sabe muito mais de economia do que ele, mas que ele sabe mais de política.

Essa dobradinha, composta por conhecimento de um e humildade do outro, parece ter funcionado muito bem até aqui, principalmente no tema reforma da Previdência. Eventuais embates e possíveis decepções são inevitáveis (o caso do leite em pó me veio em mente agora). Mas o importante é que esse bom entendimento persista de agora em diante, já que a reforma entra na delicada fase de barganhas políticas, interesses corporativos contrariados e “fake news”.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies