Menu
2019-04-23T13:49:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Agora vai!

Governo anuncia acordo com partidos para votar relatório da reforma da Previdência nesta 3ª feira

Divulgação do acordo foi feita durante uma coletiva de imprensa entre Major Vitor Hugo, Marcelo Freitas e Rogério Marinho

23 de abril de 2019
13:35 - atualizado às 13:49
Major Vitor Hugo
Major Vitor Hugo - Imagem: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), anunciou há pouco que um acordo foi fechado com todos o partidos, excluindo a oposição, para que o parecer do relator Marcelo Freitas (PSL-MG) sobre a admissibilidade da reforma da Previdência seja votado nesta terça-feira, 23, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

A divulgação do acordo foi feita durante uma coletiva de imprensa entre Vitor Hugo, Freitas, o deputado Marcelo Ramos (PR-AM) e o secretário da Previdência, Rogério Marinho.

Em sua fala, Freitas afirmou que "o acordo buscou bons pontos" que serão apresentados em uma complementação de voto. Dessa forma, não será possível que deputados da oposição peçam vista, o que poderia atrasar ainda mais a votação.

Ainda segundo Freitas, serão quatro os pontos alterados na reforma: o fim da multa do FGTS a ser paga para aposentados, a aposentadoria compulsória dos membros do STF, a indicação do Distrito Federal como único foro para recebimento das ações envolvendo a reforma e a prerrogativa compartilhada entre executivo e legislativo para propor alterações em regras previdenciária, parte da chamada desconstitucionalização da Previdência.

Freitas também ressaltou que a oposição foi ouvida "mas não quer dizer que participam do acordo".

Já Marinho afirmou que a reforma é uma pauta que transcende o governo. "É uma pauta da sociedade". O secretário lembrou que etapa mais relevante do processo será a da comissão de mérito. Ali devem ser apresentados os trabalhos técnicos que embasam a proposta.

Ele disse, ainda, que a transparência desse projeto foi maior que a apresentada por governos anteriores, pois foram divulgados dados desagregados.

Marinho voltou a dizer que não há sigilo sobre nada. O que existe são documentos preparatórios, que têm acesso restrito momentâneo. Mas que amanhã sua equipe começa a atender os pedidos dos deputados pelos dados.

E por falar em oposição...

Após a coletiva da equipe de governo, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) disse que a oposição vai atuar para postergar a votação na sessão de hoje da CCJ. Ela também afirmou que as mudanças no texto são um sinal da falta de força do governo.

A deputada afirmou que o sigilo sobre os dados é algo inconstitucional, assim como a proposta para adoção de um regime de capitalização.

Fegahali também falou que a oposição pretende reunir 113 assinaturas entre os deputados pedindo uma suspensão temporária da tramitação da proposta por 20 dias.

Tem acordo, mas deve demorar

A sinalização de um acordo entre o governo e, sobretudo, os partidos do chamado Centrão pode garantir a vitória da equipe econômica na CCJ, mas isso não significa que ela necessariamente será rápida.

Antes mesmo da abertura da sessão, estão protocolados na comissão diversos requerimentos relacionados à falas, pautas e outros temas, algo que deverá estender a reunião do colegiado por algumas horas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies