Menu
2019-06-06T17:25:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Me põe nisso aí

Governadores articulam carta de veemente repúdio à retirada de Estados da reforma da Previdência

Texto, que já está pronto, deverá ser apresentado na próxima terça-feira, 11, quando os governadores se reunirão em Brasília

6 de junho de 2019
17:25
O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da reunião extraordinária no Fórum de Governadores
Fórum de Governadores - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Governadores de todo o País planejam apresentar uma carta de "veemente" repúdio à retirada de Estados e municípios da reforma da Previdência em tramitação na Câmara.

O texto, que já está pronto, deverá ser apresentado na próxima terça-feira, 11, quando os governadores se reunirão em Brasília.

No documento, os governadores argumentam que obrigar as gestões estaduais e municipais a aprovar mudanças em seus regimes previdenciários por meio de legislação própria, enquanto tais alterações já estão previstas na proposta em análise no Congresso, representa "não apenas atraso e obstáculo à efetivação de normas cada vez mais necessárias, mas também suscita preocupações acerca da falta de uniformidade no tocante aos critérios de Previdência a serem observados no território nacional".

A carta diz ainda que a uniformização do tratamento previdenciário sobre as regras gerais dos regimes próprios de Previdência Social dos servidores públicos da União, Estados e municípios existe há mais de 20 anos.

"Por conseguinte, é indispensável contemplar a totalidade dos Estados e dos Municípios e o Distrito Federal na proposta de reforma da Previdência que hoje se encontra em discussão, a fim de evitar o agravamento da crise fiscal que já se mostra insustentável", diz o texto.

Eles argumentam ainda que, caso não sejam adotadas medidas para a solução do problema, o déficit nos regimes de aposentadoria e pensão, que hoje é de aproximadamente R$ 100 bilhões por ano, pode quadruplicar até 2060. A carta cita um estudo feito pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado.

Principal articulador do grupo, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), confirmou ao Broadcast que já assinou o documento. Segundo apurou a reportagem, outros mandatários que apoiam a iniciativa estão em busca de mais assinaturas.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse ser favorável à manutenção dos entes federativos na reforma da Previdência, mas afirmou que não irá assinar a carta. "Jamais assinarei qualquer carta de repúdio ao Congresso, onde fui parlamentar por muitos anos", comentou.

De acordo com ele, caso a comissão especial da reforma da Previdência decida por não incluir Estados e municípios no texto final, ele e outros governadores irão propor que seja incluído no texto um dispositivo para que os governadores e prefeitos possam alterar regras de seus regimes previdenciários por decreto.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Gestão na crise

SPX troca o dólar por posição comprada em euro e vê Selic estável “por algum tempo”

Conhecida pela visão mais pessimista, a SPX avalia que o bom desempenho recente dos mercados é regido pela “mão visível” dos estímulos dos bancos centrais e dos governos

reflexo nas bombas

Petrobras confirma alta de 2% no diesel e de 4% na gasolina

Decisão reflete ligeira melhora do preço do petróleo no mercado internacional

comunicado oficial

Doria diz que está com covid-19

Governador de SP afirmou estar assintomático e que não vai se licenciar do cargo

entrevista

‘Não financiaremos empresas de carne que desmatarem’, diz presidente do Itaú

Candido Bracher diz que é necessário discutir a regularização fundiária, com planos de incentivo para os proprietários de terra que mantêm as árvores em pé

de olho em brasília

Maioria dos deputados acredita na aprovação da reforma tributária

Levantamento também aponta que a maior parte dos parlamentares é contra a criação de um imposto sobre pagamentos digitais, como quer o governo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements