Menu
2019-04-23T18:04:02-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Privatizações

“Me apontem uma só estatal eficiente. Não existe”, diz Salim Mattar

Responsável pelas privatizações no governo, Mattar espera superar meta de conseguir US$ 20 bilhões com a venda de participações e privatizações neste ano. Até o momento, obteve R$ 12,1 bilhões, o equivalente a pouco mais de 60% do total

23 de abril de 2019
14:12 - atualizado às 18:04
Salim Mattar
Salim Mattar - Imagem: Washington Alves/Light Press/Estadão Conteúdo

O homem responsável pelo ambicioso programa de privatizações do governo Bolsonaro fez duras críticas ao modelo de empresas controladas pelo Estado. Salim Mattar, secretário especial de desestatização e desinvestimento, lançou um desafio à audiência que o ouvia durante um evento hoje em São Paulo:

"Me apontem uma só estatal eficiente. Não existe", ele próprio respondeu, ao acrescentar que empresas eficientes não precisam de monopólio, em uma referência à Petrobras.

O plano do governo é conseguir US$ 20 bilhões com a venda de participações e privatizações neste ano. Até o momento, obteve US$ 12,1 bilhões, o equivalente a pouco mais de 60% do total.

Foram US$ 9,6 bi em privatizações e outros US$ 2,5 bilhões em desinvestimentos, como a venda da refinaria de Pasadena da Petrobras, além da oferta de ações da participação na resseguradora IRB realizada pela Caixa Econômica Federal em fevereiro.

"Espero que possa superar minha meta", disse Mattar, que participou de evento promovido pelo Itaú Unibanco.

A conta do R$ 1 trilhão

Os US$ 20 bilhões do primeiro ano ainda são pouco dentro do objetivo do governo de obter até R$ 990 bilhões dentro do plano de privatizações.

Mattar apresentou a conta, que inclui R$ 490 bilhões com a venda de estatais. Só em participações em empresas que podem ser negociadas o governo possui R$ 150 bilhões, segundo o secretário.

O governo federal também pretende auxiliar os Estados e municípios em seus processos de privatização. Existem hoje um total de 440 estatais que o governo conseguiu mapear, incluindo as 134 controladas pela União.

Mattar disse que as estatais dependentes do governo custam R$ 15 bilhões por ano aos cofres públicos.

Ele citou como exemplo a Valec, empresa de construção e à administração de ferrovias que conta com 826 empregados hoje.

"A ferrovia custou R$ 24 bilhões e a ferrovia por R$ 2,2 bilhões. São empresas dessa natureza que a gente não sabe por que ainda existem", disse.

Outros R$ 355 bilhões dentro do programa de privatizações virão da devolução de recursos emprestados aos bancos públicos federais, seja via instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD) ou em recursos concedidos para financiar a expansão do BNDES.

"Queremos o dinheiro de volta. O mercado de crédito tem que voltar a ser da iniciativa privada", afirmou.

O governo planeja ainda conseguir uma receita de R$ 115 bilhões com as concessões na área de infraestrutura e R$ 30 bilhões com a venda de imóveis da União.

Mattar disse que o governo possui hoje 743 mil imóveis. "Vamos vender o que for possível, mas temos que tomar cuidado para não derrubar mercado imobiliário", disse.

Alicerce podre

O secretário também não poupou os governos da chamada "social-democracia" que antecederam a gestão de Bolsonaro, que para Mattar é a primeira com orientação liberal na economia.

"A social-democracia construiu um alicerce podre no nosso país, está na hora de desconstruir isso", disse.

Para ele, o legado dos governos da social democracia foi o desemprego que chegou a 42 milhões de pessoas, além dos baixos índices de desenvolvimento humano (IDH) e de competitividade.

O secretário reafirmou que tem o apoio "incondicional" do presidente para as privatizações e diz carregar na pasta os discursos e posts de Bolsonaro.

Mas disse que é preciso ficar sempre atento, ao afirmar que existem hoje no Congresso projetos para a criação de duas novas estatais.

"Está perigando que, a cada uma que eu vendo, surgir uma nova", afirmou.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Boletim médico

Covid-19: Brasil tem 154 mil mortes e 5,27 milhões de casos acumulados

Atualmente há 397.524 pacientes em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, 4.721.593 pessoas já se recuperaram da doença.

aperte o play

Netflix: 5 números que você precisa conhecer do resultado do terceiro trimestre

Spoiler: os investidores não gostaram do que viram… #SeuDinheiro

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies