🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Vou Soletrar

Secretário da Receita defende Guedes nas redes sociais

Marcos Cintra diz que tem gente que não entendeu a posição do ministro na CCJ

Paulo Guedes CCJ
O ex-ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência na CCJ da Câmara dos Deputados. - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O secretário especial da Receita, Marcos Cintra, voltou ao “Twitter” para defender seu chefe, o ministro da Economia, Paulo Guedes, que esteve, ontem, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados para defender a reforma da Previdência e saiu em meio a um bate-boca envolvendo "tigrão", "tchutchuca", "mãe" e "avó".

Segundo Cintra, como tem gente que não entendeu, então ele teve de “soletrar”. Para o secretário, o ministro esteve “sozinho”, mas contou com respaldo da população.

Ontem, Cintra já tinha tuitado que: “Paulo Guedes peitou a oposição. Mostrou que não precisa ter apoio de ninguém para aprovar seus projetos no Legislativo. Com respaldo da sociedade o Brasil vai mudar”.

Tal postura do secretário se mostra alinhada aos acenos de seu chefe superior, o presidente Jair Bolsonaro, de convocar a população para pressionar seus representantes a votar pela reforma. Algo que ele já tinha feito em 24 de março, também no “Twitter”.

Essa postura do secretário já dá uma prova de como será sua inevitável participação em comissões no Congresso quando for chamado a discutir a esperada reforma tributária, assunto que entra e sai de pauta tem pelo menos uns 30 anos.

Outras manifestações de apoio

O presidente Bolsonaro também usou o “Twitter” para comentar as discussões de Guedes com a oposição, que soube exercer o seu papel se inscrevendo para falar primeiro e provocar o ministro, por vezes, com audaz deselegância. Aqui, Bolsonaro segue na missão de manter uma militância engajada.

O filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro também usou o "Twitter" para comentar o fato, mas não compareceu à CCJ para defender o ministro e seu governo. De fato, como a oposição se articulou para falar primeiro e chegar cedo à comissão para sentar nos primeiros lugares, a impressão é de que o ministro esteve mesmo sozinho. Mas Guedes teve Rodrigo Maia ao seu lado durante diversos momentos da sessão.

Compartilhe

SENADO RACHADO

Votação da reforma tributária na CCJ do Senado é adiada e fica para 16 de março; entenda

23 de fevereiro de 2022 - 17:46

Nos bastidores, aliados veem movimentação de Pacheco em prol de reeleição no comando do Congresso em fevereiro do ano que vem

Nova data

Votação da reforma administrativa é adiada para próxima terça-feira na CCJ

20 de maio de 2021 - 11:55

Não foram aceitos dispositivos que permitiriam ao governo extinguir autarquias, como o Ibama e o INSS, por exemplo, por decreto

Movimentação na Câmara

Reforma administrativa vai hoje à CCJ, afirma Lira

9 de fevereiro de 2021 - 9:03

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) prevê a reestruturação do chamado RH do Estado

mudança no calendário

CCJ adia votação da PEC de fundos para março após relator retirar mudança no teto

19 de fevereiro de 2020 - 12:28

Votação da medida na comissão foi adiada para 4 de março; relator havia proposto que, por um ano, as despesas a serem desvinculadas de fundos obrigatórios não se sujeitariam à regra do teto

na pauta

CCJ do Senado aprova projeto da prisão após 2ª instância por 22 votos contra 1

10 de dezembro de 2019 - 13:46

Tema ganhou força no Congresso com a decisão do STF de exigir a tramitação completa de um processo judicial para que um condenado seja preso

Com o pé em 2020

PECs só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

5 de dezembro de 2019 - 9:47

Inicialmente, o governo esperava votar pelo menos a PEC emergencial neste ano. A proposta, porém, enfrenta resistência entre os parlamentares

pra por na agenda

Propostas do pacote econômico serão votadas na CCJ em fevereiro, diz presidente da comissão no Senado

4 de dezembro de 2019 - 12:56

Inicialmente, o governo esperava votar pelo menos a PEC emergencial neste ano. A proposta, porém, enfrenta resistência entre os parlamentares

Tudo o que vai mexer com o seu dinheiro hoje

Aquele 1% dos gringos…

15 de outubro de 2019 - 10:44

Se você acompanha o Seu Dinheiro deve ter percebido que uma sequência de ofertas de ações está rolando na bolsa neste ano. O volume de captações caminha para um recorde. Mas o Vinícius Pinheiro reparou que há uma peculiaridade nessa questão: a maioria das empresas que pegou dinheiro na bolsa em 2019 já estava listada. […]

começando os trabalhos

Simone Tebet abre sessão para votação do parecer da reforma da Previdência

1 de outubro de 2019 - 11:54

Novo parecer de Jereissati deve ser aprovado com folga na CCJ. São necessários pelo menos 14 dos 27 votos – maioria simples – e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), estima ter pelo menos 19 votos favoráveis ao texto

Mais um adiamento

Votação da reforma na CCJ e no plenário do Senado é adiada para semana que vem

24 de setembro de 2019 - 11:59

Em uma reunião realizada nesta manhã com líderes até mesmo da oposição e a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), ficou acertado que a pauta será votada pelo colegiado na próxima terça-feira (1º de outubro) e pelo plenário da Casa, na quarta-feira

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies