Menu
2019-04-19T09:06:08-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
#Tamojunto

Relacionamento entre Bolsonaro e Guedes é ótimo

Prova disso é que com uma boa conversa, o ministro não só resolveu o imbróglio da Petrobras, como plantou a ideia de privatização dessa joia da coroa

19 de abril de 2019
5:29 - atualizado às 9:06
Bolsonaro Paulo Guedes
Bolsonaro e Guedes - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

Há uma semana a percepção era de que Jair Bolsonaro tinha aplicado mais uma de suas imperiosas caneladas no ministro da Fazenda, Paulo Guedes, ao ligar para o presidente da Petrobras, falar que ele tinha jogado diesel no seu chope e pedido explicações para uma alta do combustível acima da inflação.

Pego de surpresa, Guedes disse um “calma lá, deixa eu me situar primeiro”, e que se eventualmente o presidente fizesse alguma coisa que não fosse muito razoável, tinha certeza de que conseguiria consertar. “Uma conversa conserta tudo”, disse na ocasião.

Pois bem, a conversa aconteceu e não só resolveu a questão da independência da Petrobras na definição do preço dos combustíveis, como plantou na cabeça do presidente que privatizar a Petrobras não é má ideia.

Em entrevista à “GloboNews”, na quarta-feira, Guedes disse que “o presidente levantou a sobrancelha” quando o assunto privatização foi colocado nas discussões do reajuste do diesel.

Já na quinta-feira, circulou notícia de que o presidente teria “simpatia inicial” à privatização dessa joia da cora.

Na segunda-feira, escrevi que Guedes até poderia consertar as coisas conversando com Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis, mas ponderei que novos choques poderiam acontecer, pois a visão prevalente era de “preço justo”, “bem maior” e que a política de preços não poderia ser “extorsiva”.

Enfim, subestimei o poder de uma conversa de Paulo Guedes. No entanto, creio que novos choques ocorrerão, pois o ministro segue fazendo um papel que se dispôs a fazer quando entrou para a campanha do até então desacreditado capitão da reserva. A ponte entre a economia e a política.

O próprio ministro fala que vez ou outra tem algum tumulto, uma bola nas costas, pois o time ainda está em treinamento.

Lembrei de uma palestra de Guedes que assisti em agosto do ano passado, na qual o então indicado a ministro transmitiu sua visão sobre Bolsonaro: Um torcedor de futebol fanático e não de uma ameaça à democracia.

Guedes também disse que os dois tinham uma espécie de pacto, um cuidava da economia e outro da política, mas que conversavam entre si.

Sim, Bolsonaro ouve Paulo Guedes e a suas aulas de economia liberal. Tanto que o ministro tem falado que Bolsonaro “está aprendendo mais rápido que os economistas brasileiros”.

Por isso causou surpresa, quando na terça-feira, vi uma nota falando que Guedes demonstrou estar “muito irritado” com Bolsonaro. Algo que teve breve impacto no preço do dólar e gerou algumas piadas entre agentes de mercado.

Autêntico e impulsivo

Guedes também sabe da impulsividade e autenticidade do presidente e não se assusta com eventuais arroubos. Guedes diz não entender de política e que seu compromisso é com a teoria econômica, mas ele tem uma enorme sensibilidade política para entender que o presidente soube captar o pulso da população e transformar isso em votos. E são os votos que legitimam o seu “fazer o melhor” no campo econômico.

O ministro diz que sua politização foi tardia, mas que com o tempo foi entendendo que o socialista tem um grande coração, mas destrói a economia, por não ter potencial intelectual. Já o conservador tem a insensibilidade. Assim, se define como um liberal-democrata.

Segundo Guedes, ao ouvir as ruas, os caminhoneiros, Bolsonaro demostra uma dimensão importante, pois ele tem a sensibilidade de não ouvir só os economistas. Antes, o ministro já tinha criticado o ex-presidente da Petrobras Pedro Parente pelo modelo de reajuste diário de combustíveis, que o deixou “bem na foto” com o mercado, mas mostrou uma falta de sensibilidade com a economia real. Guedes deixou claro que seu modo não é oito ou 80.

Os 200 milhões de patos

Guedes disse também que o próprio presidente mandou uma mensagem para ele mostrando que nos EUA tinham 60 diferentes bandeiras de petrolífera e aqui no Brasil, apenas uma. “Ele quis dizer alguma coisa com aquilo ali”, disse o ministro.

Segundo Guedes, para um conjunto cada vez maior de brasileiros está ficando claro que temos cinco bancos, seis construtoras, uma produtora e refinaria de petróleo e três distribuidoras de gás de um lado. Do outro, somos “200 milhões de patos”.

Aqui entra algo que Guedes falou sobre o “caminho da prosperidade”, que passa por acabar com a ideia de Estado forte e dirigista e estimular os diferentes mercados e a livre competição, pois é isso que traz riqueza.

Guedes também está ciente das limitações do próprio presidente em abraçar algumas agendas, mas espera que “cada um vai dar o que pode dar” e lembrou que o presidente já cedeu em coisas que eram e são importantes para ele, como idade mínima para mulheres na aposentadoria, pois essa é uma medida importante para o Brasil.

O ministro também disse que com a idade, a vaidade (intelectual) foi se esvanecendo e que o importante, agora, é fazer um bom trabalho.

No entanto, sendo conhecido por sua capacidade de enxergar a longo prazo ou “farol alto”, como me disse um conhecido que trabalhou com ele, Guedes sabe que entra para história podendo deixar uma pirâmide a ser contemplada, ou acabar no capitulo daqueles que poderiam ter sido, mas que não foram.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies