Menu
2019-04-15T12:03:51+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Liberalismo a caneladas

Guedes pode até consertar as coisas, mas novas decepções virão e não só na Petrobras

Ministro volta ao Brasil e tem encontros com Onyx Lorenzoni e Jair Bolsonaro, em pauta reajuste dos combustíveis

15 de abril de 2019
11:46 - atualizado às 12:03
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem reuniões com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e com o presidente Jair Bolsonaro para tentar “consertar” algo não muito razoável feito na sexta-feira, quando o presidente mandou a Petrobras barrar um reajuste no preço do óleo diesel, atendendo demanda dos caminhoneiros.

Segundo declaração do próprio Guedes no fim de semana: “Acho que o presidente tem muitas virtudes, fez muita coisa acertada e ele já disse que não conhece muito a economia. Então, se ele eventualmente fizer alguma coisa que não seja muito razoável, tenho certeza que nós conseguimos consertar. Uma conversa conserta tudo."

Além de mandar barrar o aumento, o presidente disse e seu porta-voz reafirmou que ele precisa ser “convencido” da necessidade de reajuste. Guedes deve explicar como funciona o modelo de preço de petróleo e derivados no mundo todo, pois o presidente quer esclarecimentos do motivo de um reajuste de 5,7% no diesel, se a inflação projetada está abaixo de 5%.

Mesmo que Guedes tenha sucesso nessa missão, não deve mudar a avaliação do presidente e de parte do governo sobre a necessidade de “um preço justo para o óleo diesel” ou mesmo que a decisão foi tomada visando um “bem maior”. Visão que também é de parte da população.

O mercado pende muito para o lado liberal de Guedes e sua equipe, mas esquece do lado político de Bolsonaro. Por isso do tombo de mais de 7% ações da Petrobras, na sexta-feira, que tirou mais de R$ 30 bilhões do valor de mercado da estatal.

Nas eleições já transparecia essa dificuldade de rezar uma missa liberal com sacerdotes estatais-desenvolvimentistas e o potencial dessa liturgia em desagradar a todos dentro e fora da igreja.

Bolsonaro já disse que não será intervencionista nem que retomará práticas do passado, mas também não vai abraçar a escola liberal por completo. O presidente já disse que a empresa não pode ter “uma política predatória” para o preço dos combustíveis.

Assim, esse deve ter sido o primeiro de muito episódios de choque de visão econômica e política que vão acontecer.

A Petrobras deve seguir com os planos de venda de ativos, leilões de campos de petróleos e outras medidas que marcam uma abertura, mas o presidente e sua equipe não vão deixar de usar a empresa para fazer política ou um “bem maior”.

A Petrobras, junto com o Banco do Brasil e a Caixa compõem as “joias da coroa” e enquanto forem empresas estatais, seus acionistas têm de estar cientes que estão comprando “o risco de melhora” de gestão junto com esse imponderável risco político.

Para parte do mercado o que importa é a direção, temos um liberalismo econômico mesmo que abaixo de caneladas. Os mais céticos acham que os liberais vão perder a paciência e abandonar a igreja, deixando apenas os nacionais-desenvolvimentistas. Como o lema de Guedes e sua equipe é não se render e não recuar, tendo, ainda, a ficar com os primeiros.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEGUE O JOGO

Saída de Levy não deve ter impacto sobre a reforma da Previdência, diz especialista

No entanto, mesmo com eventual aprovação da reforma previdenciária, dificilmente haverá retomada considerável da confiança, diz Rafael Cortez

ANÁLISE

“Chicago Boy”, Levy transitou no petismo e no Bolsonarismo – e foi alvo dos dois”

Assim como o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, Joaquim Levy é um nome conhecido do mercado; estopim da demissão foi a nomeação de advogado

DE OLHO NAS AÇÕES

Petrobras faz maior descoberta desde o pré-sal, em Sergipe e Alagoas

Divulgada no mês passado, a descoberta deve gerar R$ 7 bilhões de receita anual à estatal e sócias, calcula a consultoria Gas Energy

MUITO RICOS X MAIS RICOS AINDA

Esta é a grande diferença entre milionários e bilionários, segundo autor

Milionários e bilionários podem ser grupos muito mais distintos do que a maioria acredita. Segundo especialista, esse contraste fica claro com a resposta para uma pergunta

MÚSICA PARA OS OUVIDOS

Energia deve ter nova rodada de privatização

A privatização de estatais é uma das alternativas propostas pelo Plano Mansueto para Estados que precisarem de socorro da União

Seu dinheiro no domingo

O mercado sempre oscila entre o cenário perfeito e o desesperador. Saber onde estamos é o segredo para ganhar dinheiro

Se a percepção prevalente no mercado é de que as coisas só podem melhorar, o investidor deve encarar isso com cautela

DIÁLOGO CORDIAL

Presidente do BNDES conversou com ministro da Economia sobre demissão

Levy entregou seu pedido de demissão do cargo ao ministro após ser alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro neste sábado (15)

TCHAU

Presidente do BNDES confirma pedido de demissão após declarações de Bolsonaro

Levy foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro no sábado (15), em função da nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor

REDUÇÃO DE DANOS

Nada impede que a capitalização seja aprovada no 2º semestre, diz Maia no Twitter

O presidente da Câmara defendeu que a questão pode até ficar de fora do primeiro texto da reforma, mas destacou propostas já em andamento na área

CABEÇA A PRÊMIO

Gustavo Franco e Salim Mattar são cotados para substituir Levy

A avaliação é a de que a permanência do atual presidente do BNDES tornou-se insustentável depois da bronca em público do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements