Menu
2019-10-14T14:04:45-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Em evento

Guedes transmite mensagem de confiança a investidores estrangeiros

Ministro reforçou a importância das reformas para que economia seja de mercado e se afaste da padronização bolivariana que leva à miséria

10 de outubro de 2019
13:09 - atualizado às 14:04
O ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública da Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
Paulo Guedes, ministro da Economia - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, iniciou sua fala no Fórum de Investimentos Brasil, organizado pelo governo, falando que iria transmitir uma mensagem de confiança a uma plateia formada por investidores estrangeiros e autoridades.

Guedes fez seu roteiro tradicional. O aumento de gastos públicos corrompeu a política e a economia. Por isso da importância de uma agenda de reformas, sendo a Previdência a primeira delas. Aliás, Guedes disse que estaria mais feliz com uma reforma de R$ 1 trilhão e um regime de capitalização. Mas que podemos celebrar.

Segundo o ministro, a inflexão da trajetória econômica já foi feita. A reforma da Previdência nos deu 20 ou 30 anos de estabilidade fiscal. Guedes reconheceu que a reforma sozinha não resolve tudo, mas que podemos ter certeza de que o Brasil “não explode” por causa da questão fiscal. Sinal disso é a queda da inflação e das taxas longas de juros, aliada a sinais de retomada do crescimento, “lento, mas persistente”.

Para  Guedes, o ponto a ser destacado é que esse crescimento acontece sem “balão de oxigênio, nada de estímulo artificial”, que é como o ministro chama o crédito público ou programas que atendam apenas a setores escolhidos pelo governo. “Pela primeira vez é o setor privado que está empurrando o Brasil”, disse.

O imposto cruel e o feio

Guedes também falou, mas novamente sem entrar em detalhes, sobre a proposta de reforma tributária. O ministro disse que dará um passo em direção à proposta que tramita na Câmara ao apresentar o projeto de Imposto sobre Valor Agregado (IVA) Dual, para os impostos federais. Estados e municípios entrariam na reforma se quisessem.

Não é de hoje que Guedes fala que o imposto sobre a folha de pagamento é um imposto "cruel", que mantém 40 milhões de trabalhadores fora do mercado formal, derrubando a produtividade da economia.

Segundo o ministro, desonerar a folha geraria um “milagre”, o aumento da produtividade da mão de obra.

“Quando falamos em cobrar imposto sobre transações era para trocar o cruel pelo feio. Era um imposto feio. Mas não há clima, não gostaram...Então deixamos para que proponham uma alternativa para desonerarmos a folha de pagamentos”, disse.

A ideia original de Guedes e equipe era instituir um imposto sobre pagamentos para financiar a desoneração da folha. No entanto, desde o período de campanha o novo imposto foi associado à CPMF, o antigo imposto do cheque, causando grandes desgastes políticos, que terminaram com a demissão do estão secretário da Receita, Marcos Cintra, e o fim das discussões sobre o "imposto feio".

O ministro voltou a falar que assim que a Previdência for aprovada, o governo quer avançar com o pacto federativo, devolvendo à classe política a responsabilidade de alocar os orçamentos públicos. Junto disso, também está a reforma administrativa, que prevê novos planos de cargos e salários para o funcionalismo público. Guedes também sugeriu que o funcionalismo fique um ou dois anos sem reajuste de salário.

Fraterno, mas não com vagabundo

Ao longo de sua fala, Guedes destacou a construção da aliança entre conservadores e liberais que mudou o eixo do país. “A mídia pode dizer o que quiser, os resultados estão saindo de forma acelerada”, disse, citando a cessão onerosa, que estava parada há 5 anos, e agora saiu, o acordo comercial com a União Europeia, e a reforma da Previdência. “Alguém fez alguma coisa.”

“Nosso governo acredita nos mercados, nos investimentos privados. Vamos manter todos os benefícios dos mais frágeis, tudo que for bom tem de ser mantido. Mas a principal força da dignidade humana é sua própria capacidade, seu emprego”, disse.

Guedes ressaltou que a fraternidade do governo é para quem trabalha e não para vagabundos, sejam eles militantes políticos ou empresários que pediam crédito ou leis especiais em Brasília.

“Brasil está indo bem. Não tem redução de espaço democrático. Isso é conversa de quem perdeu a eleição”, disse, afirmando que tínhamos mais de 35 partidos políticos, mas todos pulavam com uma perna só, a esquerda, tirando risos da plateia.

“Acreditamos nos mercados para criar riquezas e vocês são bem-vindos a investir no Brasil”, concluiu.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

depois do fundo do poço

Na bolsa, Gol, Azul e CVC recuperam parte das perdas com pandemia

Avanço das vacinas empolgou o mercado todo, mas não basta para explicar o desempenho dos papéis ligadas ao setor de aviação

após atrasos

Petrobras vai concluir venda de oito refinarias em 2021, diz CEO

De acordo com o diretor de Comercialização e Logística, estatal poderá aumentar as exportações de petróleo bruto, mas a tendência é de que os novos donos das unidades adquiram a commodity no mercado interno

volta ao normal?

Aneel aprova retomada do sistema de bandeiras tarifárias a partir desta terça

Mecanismo havia sido suspenso em maio devido à pandemia do novo coronavírus, e a agência havia acionado a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra, até o fim deste ano

seu dinheiro na sua noite

O doce novembro da bolsa

O que você considera uma boa rentabilidade mensal para os seus investimentos? Um retorno equivalente a oito vezes o que a renda fixa paga em um ano inteiro está de bom tamanho? Pois foi esse o ganho de quem investiu em novembro na bolsa — imaginando aqui a compra do BOVV11, um dos fundos que […]

Balanço do mês

Após disparada, bolsa é um dos melhores investimentos de novembro; dólar foi o pior

Bitcoin lidera o ranking, seguido do Ibovespa, que subiu mais de 15%; piores desempenhos ficaram por conta do dólar e do ouro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies