🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Reformas

Guedes bate o pé e sinaliza que militares devem participar da reforma da Previdência

Em Davos, ministro da Economia disse que militares “são patriotas e sabem que têm que liderar pelo exemplo”

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
24 de janeiro de 2019
11:26 - atualizado às 9:34
Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Davos - Imagem: Alan Santos/PR

Logo após o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), revelar que já havia a decisão no novo governo de incluir os militares na reforma da Previdência, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou na mesma direção nesta quinta-feira, 24.

"São patriotas [os militares] e sabem que têm que liderar pelo exemplo", comentou o ministro entre agendas que cumpre no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Lado a lado

Guedes também afirmou que, por uma questão técnica, a inclusão de militares na reforma da Previdência terá que ser feita de por meio de um outro instrumento, mas será simultânea a das mudanças gerais.

"Há um problema técnico. A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) é para quem está previsto que está na Constituição. Os militares têm que ser (por um instrumento) ordinário", explicou Guedes a jornalistas. Perguntado sobre se, nos dois casos, as propostas seriam enviadas de forma conjunta, o ministro respondeu: "Se não for simultâneo, fica estranho".

O Broadcast/Estadão apurou na quarta-feira, 23, que, durante almoço fechado com investidores internacionais no Fórum, o presidente Jair Bolsonaro também havia dado essa mesma indicação, ainda que não declaradamente.

Segundo um participante do encontro, ele se mostrou otimista com a aprovação da proposta do Executivo pelo Congresso, mas ponderou que é preciso "ir com calma". "Ele quis dizer que em algumas áreas, que todos sabem quais são, é preciso ter cuidado e, com isso, ficou muito claro que essas áreas serão incluídas na reforma", disse a fonte.

O Broadcast também disse ao ministro que o general havia feito essa afirmação a jornalistas que estão em Davos. "Olha, que coisa boa", comentou.

Na manhã desta quinta, Guedes esteve reunido com executivos de empresas multinacionais e, na sequência, participará de um almoço promovido pelo Bank of America.

Economia de R$ 1,3 trilhão

Mais cedo, o ministro da Economia afirmou à agência de notícias Reuters, em entrevista concedida durante o Fórum Econômico Mundial, que a reforma da Previdência que o governo vai enviar ao Congresso pode economizar dos cofres públicos até R$ 1,3 trilhão.

"Nós estamos estudando os números e eles variam de R$ 700 a 800 bilhões a R$ 1,3 trilhão, então esta é uma reforma significante e que nos dará um importante ajuste fiscal estrutural", afirmou o ministro.

A realização da reforma, segundo Guedes, dará ao Brasil um "poderoso efeito fiscal" com duração por "15, 20, 30 anos". "Ou é isso, ou vamos nos tornar a Grécia", disse.

Mourão diverge: militares só depois do 1º turno

Ao comentar sobre a reforma nesta quinta-feira, o vice-presidente, Hamilton Mourão, divergiu da ideia de Guedes e defendeu que as mudanças no sistema de aposentadoria dos militares sejam apresentadas somente após a aprovação da reforma para civis em primeiro turno na Câmara dos Deputados.

"Não são duas votações? Passou a primeira vez, aí entra a dos militares", disse Mourão, quando questionado em que momento o projeto de lei com mudanças para os integrantes das Forças Armadas seria enviado ao Congresso.

Mourão justificou que a reivindicação do segmento militar de apresentar mudanças apenas em uma segunda etapa se deve a uma facilidade maior de se aprovar um projeto de lei, que exige menos votos do que uma PEC. "A nossa é mais fácil de ser aprovada. De repente é aprovada a dos militares e não é aprovada a dos outros", declarou.

Ele destacou que entre os ministros da Economia (Paulo Guedes), da Defesa (Fernando Azevedo e Silva) e ele, cada um tem uma opinião, mas que quem vai decidir como a reforma da Previdência será apresentada é o presidente Jair Bolsonaro. "Para isso que ele ganha mais, para decidir. A decisão final é dele, para isso que ele foi eleito", disse.

*Com Estadão Conteúdo.

Compartilhe

TAG SUMMIT 2022

Em evento do mercado financeiro, Paulo Guedes volta a defender projetos do governo e reforça crescimento do Brasil

17 de agosto de 2022 - 19:44

Paulo Guedes, ministro da Economia, também aproveitou a ocasião para dizer que permanecerá no cargo em caso de reeleição

NADA DIPLOMÁTICO

Paulo Guedes fala em “ligar o foda-se” para França, maior empregador estrangeiro no Brasil

11 de agosto de 2022 - 9:36

O país europeu é terceiro que mais investe no Brasil; as exportações para a França vêm crescendo 18% neste ano

EXPERT XP 2022

No evento dos investidores, Guedes pinta o Brasil com cores escolhidas a dedo

3 de agosto de 2022 - 20:38

Paulo Guedes falou à plateia de investidores e reclamou dos “mas” que costuma ouvir quando fala de algum dado positivo sobre o atual governo

CONTRA O DRAGÃO

Guedes sugere congelamento de preços a empresários — conheça os efeitos da prática que já ficou famosa no Brasil

10 de junho de 2022 - 14:12

Enquanto o ministro pede que as tabelas de preços sejam atualizadas apenas em 2023, após as eleições, Bolsonaro diz que empresários devem ter o menor lucro possível com a cesta básica

FECHAMENTO DO DIA

Descolado do exterior, Ibovespa recua 0,8% e quase perde os 110 mil pontos; dólar sobe e vai a R$ 4,79

6 de junho de 2022 - 18:23

O índice até abriu o dia em alta, mas o ímpeto positivo não foi páreo para o noticiário nacional, que incluiu uma nova fritura do ministro da Economia, Paulo Guedes

COMBUSTÍVEIS

É o fim da alta da gasolina? Bolsonaro quer resolver a questão dos combustíveis com Guedes ‘nos próximos dias’

6 de junho de 2022 - 12:55

Na última semana, Bolsonaro reuniu os ministros para debater sobre a possibilidade de criar um subsídio para combustíveis, mas o ministro da Economia convenceu o presidente a esperar

Ministérios

A kryptonita de Paulo Guedes: “superministério” é ameaçado pela promessa de recriação de mais uma pasta

27 de maio de 2022 - 10:50

Bolsonaro prometeu recriar o Ministério da Indústria e Comércio, cujas atribuições estavam sob comando do Ministério da Economia de Paulo Guedes desde 2019.

DE VOLTA À MESA

Privatização da Petrobras (PETR4) vai acontecer? Para Guedes, se Bolsonaro for reeleito, sim; confira o que disse o ministro em Davos

26 de maio de 2022 - 11:41

O ministro da Economia ainda afirmou que o Brasil está saindo da crise “na frente da curva” e que a inflação no país poderia ter atingido o pico e logo começaria a recuar

PRIVATIZAÇÃO

O Porto de Santos pode ter um dono holandês? Foi o que indicou o ministro Paulo Guedes

26 de maio de 2022 - 10:17

O ministro teve hoje uma reunião bilateral com o presidente da APM Terminals, Keith Svendsen, que demonstrou interesse em comprar o Porto de Santos

Integração latino-americana

Vem aí o “peso real”? Paulo Guedes defende criação de moeda única para Brasil e Argentina

25 de maio de 2022 - 12:00

O Ministro da Economia destacou a importância da integração latino-americana em meio à conjuntura mundial conturbada, e sugeriu a possibilidade de uma moeda comum.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar