Menu
2019-04-25T22:20:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Na caneta

Como o STF tirou R$ 50 bilhões da saúde, educação, Previdência…

Decisão do tribunal estende crédito tributário para fora da Zona Franca de Manaus. Parece bobagem, mas renúncias tributárias já somam quase R$ 300 bilhões ou 4,3% do PIB

25 de abril de 2019
22:20
STF ICMS
STF - Imagem: André Dusek/Estadão Conteúdo

O leitor pode achar o título exagerado, mas extrapolando uma decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em matéria tributária relacionada à Zona Franca de Manaus o impacto final acaba sendo esse mesmo. Haverá uma perda de arrecadação de impostos que, na ponta, afeta todas áreas, como saúde, educação, segurança e Previdência.

Por seis votos a quatro, o STF decidiu que as empresas situadas fora da Zona Franca de Manaus (FZM) que comprem insumos da região podem contabilizar o valor do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) como se o imposto tivesse sido pago. Dentro da ZFM há isenção de IPI.

O entendimento firmado no STF deve embasar as decisões judiciais de todo o País. A tese fixada pelos ministros foi a de que "há direito ao creditamento de IPI na entrada de insumos, matéria prima e material de embalagem adquiridos junto à Zona Franca de Manaus, sob o regime da isenção, considerada a previsão de incentivos regionais constante na Constituição".

Contra a medida, argumentava a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), que estimava um impacto financeiro negativo de ao menor R$ 49,7 bilhões com a decisão em cinco anos.

Nesta semana, o Ministério da Economia mostrou que o gasto tributário ou renúncia tributária somou R$ 292,8 bilhões, ou 4,3% do PIB do ano passado. A redução desse gasto é ponto importante no ajuste das contas públicas.

Procurado, o Ministério da Economia disse que não irá se manifestar sobre a decisão do STF.

O problema nunca foi o governo ou a sociedade, via Congresso, eleger setores ou segmentos a serem beneficiados, mas sim a falta de transparência em alguns projetos e a ausência de estudos de custo/benefício que justifiquem o uso de dinheiro público para beneficiar determinado grupo ou setor.

Além do impacto financeiro, parece que foi desconsiderado outro ponto relevante, levantado pelos demais ministros e pela PGFN. Ao deixar mais barata a compra de insumos da Zona Franca de Manaus a decisão pode tirar as empresas de maior complexidade tecnológica da região, que passaria a ser mero fornecedor de matéria prima.

Dando um exemplo fictício, temos uma empresa que faz todas as etapas de produção na ZFM. Agora, ela pode fazer as contas, deixar só a etapa inicial e levar o restante da produção para outro local, pois o crédito de IPI será dado da mesma forma.

Os argumentos favoráveis

“Todos os votos proferidos, independente da divergência técnica e de fundamentos, todos os que votaram defendem a Zona Franca de Manaus e têm realmente a consciência da importância da Zona Franca de Manaus para o Brasil e para toda a humanidade na medida em que ela é um projeto de Estado de preservação da floresta, que isso fique registrado”, disse o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, ao encerrar o julgamento.

"A isenção do IPI em prol do desenvolvimento da região é de interesse da nação brasileira como um todo", disse a ministra Rosa Weber.

Para Toffoli, "aqui devemos ter em mente o federalismo de cooperação" entre os diversos Estados. Vale lembrar que o IPI é dividido entre todos os entes federados e que queda na sua arrecadação também é sentido por todos.

Além de Toffoli e Rosa Weber, votaram a favor os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

O contraditório

A favor do recurso da União se posicionaram Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Cármen Lúcia. O ministro Gilmar Mendes não votou por estar ausente.

O impacto bilionário para os cofres públicos não é a única preocupação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. A área jurídica da Fazenda entende que, a médio e longo prazos, a prática do creditamento deve empobrecer a variedade produtiva da região, já que, com o incentivo, as grandes empresas tenderiam a sair da região e manter na Zona Franca de Manaus somente uma parte da produção - a de insumos.

Esse ponto foi levantado pelo ministro Luiz Fux, ao destacar que a possibilidade de creditamento poderá transformar em longo prazo a Zona Franca de Manaus em uma região de concentração de produtores de insumos de menor valor agregado.

"Sob o ângulo pragmático, econômico, essa estratégia vai prejudicar, ao invés de auxiliar, a economia a Zona Franca de Manaus. Entendo que esse benefício é concedido para pessoas jurídicas produtoras e sediadas na Zona Franca de Manaus, e não para aquelas pessoas jurídicas que vão se beneficiar estando sediadas fora", ressaltou Fux.

Para a procuradora Luciana Moreira, da PGFN, o resultado marca uma derrota importante para a União. "É um retrocesso na jurisprudência do IPI, porque reconheceram um benefício que não tem previsão legal e substituíram o legislador", comentou.

"Não beneficia a Zona Franca de Manaus porque você vai fazer quem fabrica o produto final na Zona Franca sair de lá para conseguir o benefício", acrescentou.

De forma simplificada, a ideia de crédito tributário vem do pressuposto de que houve pagamento do tributo na etapa anterior. O objetivo é acabar com o efeito cascata. No entanto, no caso da ZFM, o IPI não foi recolhido nessa primeira etapa.

* Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Inflação global

Há riscos de inflação global maior e mais persistente, diz diretor do FMI

Segundo ele, a visão do Fundo é que o “salto” recente nas pressões inflacionárias reflete desequilíbrios entre a oferta e a demanda que são temporários, influenciados também por altas nos preços de commodities, ante uma base de comparação “muito fraca” no ano passado

Via rápida

BBM Logística pega um atalho na estrada do IPO e pode captar até R$ 1,6 bilhão

Empresa parananse optou por fazer uma oferta restrita, uma via mais rápida porque dispensa o pedido de registro prévio na CVM

Reforma administrativa

Lira diz ser possível Câmara aprovar reforma administrativa até setembro

Para Lira, o tema deve gerar “discussões acaloradas” porque faz parte da bandeira de alguns partidos da Câmara

Mais empresas

Total de empresas no País subiu 6,1% no pré-pandemia, após 3 anos de fechamento

O total de empresas em atividade subiu a 5,239 milhões, um avanço de 6,1% em relação a 2018, o equivalente a 301.388 negócios a mais

Exile on Wall Street

Rodolfo Amstalden: habilidade emocional e investimentos

Os alunos de medicina da classe de 1992 não aguentavam mais estudar, desde o cursinho, desde que tiveram o azar de nascer em suas tradicionais famílias de doutores. Passaram os primeiros 18 meses da faculdade babando em cima de livros de capa dura. Madrugadas inteiras em modo zumbi, decorando nomes de partes que pareciam não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies